Fácil

James Abbott McNeill Whistler — Nocturne: Blue and Silver , Cremorne Lights (1872)

Sim, eu costumo olhar para a simplicidade e divagar no infinito, mas é porque é fácil, e só. É fácil fugir. É fácil olhar o reflexo das luzes noturnas no escuro do rio e pensar na estética impressionista.

É simples ver o raio de sol se dissipando nas folhas, contornando a terra ou iluminando meu rosto desnorteado.

É ridículo passar longos minutos paralisado, observando o sereno da noite no gramado, onde pequenas gotas caem das relvas molhadas. É ridículo, pois eu deveria estar presente, mas nunca estou.

É fácil se perder na singeleza das nuvens que mancham o céu azul, ou então no som das cordas que ressoam dispersas nos dedos.

É absurdo deixar-se ir embora, navegando para o céu na crista de um sonho perdido, na irrealidade da vida, quando tudo está aqui — e o mundo ainda afunda em sua cova...

É fácil parar de olhar teus olhos para focar no céu, apenas para compará-los com as estrelas. É fácil desviar o olhar, eu sei que é… Mas não é fácil saltar do meu lugar, ainda que o controle seja uma ilusão.

Sua voz pode me fazer voar, e é fácil cair quando alçamos voo… E ainda há um pouco dela no meu ouvido, um pouco de sua melodia em minha mente. Ela tem ficado aos poucos mais alta… Tão alta que torna-se cada vez mais fácil entender que eu não preciso entender mais nada.


Gostou desse texto? Clique no ❤ e deixe seu comentário!

Não deixe de nos seguir nas redes sociais: Facebook | Instagram | Twitter.

Entre no nosso grupo fechado para autores e leitores.

Conheça o nosso podcast oficial, o Subversivo Podcast!