Há 1 ano nascia a Revista Subjetiva

Todos os logos da Revista Subjetiva.

Chegamos ao nosso primeiro ano nesta quarta-feira, dia 11 de Outubro, há exatamente um ano atrás publicava a minha primeira crônica que fundara a Revista Subjetiva. No começo da mesma, era apenas eu, ela foi um laboratório para o aprimoramento da minha escrita, foi o local em que me iniciei nas palavras, em que pude expressar tudo aquilo que guardava no meu peito. A sensação era ótima, poder publicar minhas crônicas, poesias e artigos opinativos e ter um retorno daqueles que acompanhavam o meu trabalho, ainda tímido, sem muita pretensão de chegar em algum lugar especifico.

Meu objetivo era apenas escrever, escrever e escrever.

No entanto, esse sentimento que tinha ao ver um texto meu publicado não poderia ficar apenas comigo, por isso convidei amigos próximos para sentirem um pouco do que é libertar tudo aquilo que está dentro de nós através das palavras. Não poderia ficar com aquele sentimento apenas para mim e meus amigos, senti a vontade de compartilhar com mais pessoas, foi assim que demos início aos nossos primeiros Editais ainda em Janeiro deste ano, quando contávamos apenas com 200 seguidores, parece pouco, mas ter 200 pessoas querendo ler o que você publica é algo mágico, não há palavras que descrevam tal sensação.

Em março deste ano, após o falecimento do nosso tão querido Medium em Português, resolvi levar a sério esse projeto, não desistir da plataforma e continuar sendo ainda um grande entusiasta da literatura e divulgador da mesma, foi então que resolvi convidar autores que já admirava, lia e grifava seus textos. Além disso, precisava de alguém que quisesse abraçar esse projeto, foi então que convidei a nossa Editora, Mayra Chomski, para dividir essa função comigo.

As coisas foram se encaixando, é lindo ver o entusiasmo contagiante de escritores tão talentosos, que dividem com você suas angustias, seus objetivos com a escrita, suas ideias, seus planejamentos. E meu objetivo sempre foi este, conseguir valorizar esses autores dentro e fora da plataforma, fazendo com que os mesmos tivessem visibilidade e pudessem utilizar a Revista Subjetiva não apenas como um agregador de textos, mas sim como um laboratório, onde tudo é possível, inclusive errar uma, duas, três vezes, consertar, reescrever, explorar outros gêneros, criar séries originais e muito mais.

Não, nunca vi esse projeto como algo que anda só, pelo contrário, sempre buscamos valorizar projetos que se assemelhem ou não, fazendo com que cresçamos juntos, que possamos formar uma rede onde autores, leitores, Editoras e outros atores se juntem, dialoguem e caminhem lado a lado.

O primeiro encontro do Medium Brasil no Rio de Janeiro aconteceu no dia 22 de Abril como uma forma de dar o “pontapé inicial”, ali o nosso projeto começava oficialmente, contamos com o incrível apoio das revistas Fale Com Elas e Fazia Poesia para a realização desse encontro. A energia que pulsava de cada fala entusiasmada com seu projeto foi a energia que precisávamos para continuar.

Inspirados em publicações já conhecidas na plataforma, a Mulheres que Escrevem e a Fale Com Elas, lançamos a campanha “Por um Medium com mais mulheres”, em 2 de Março deste ano. A proposta surge da nossa Editora Mayra Chomski a partir da sua percepção da quantidade dispare entre autoras e autores que colaboravam com nossa própria publicação, foi assim que iniciamos essa campanha que atingiu diversas mulheres, de diversas subjetividades.

Outras campanhas foram feitas, principalmente na tentativa de valorizar e elucidar temas que geralmente não se encontram na grande mídia — por isso o nosso lema que surgiu no início, “Tudo aquilo que você não encontra na grande mídia” — como as questões de gênero na escrita, a saúde mental na universidade, o Setembro Amarelo, os desafios de escrever, dentre outros temas tão relevantes e atuais.

Lançamos, com a ajuda de nossos autores, dois projetos que foram bem recebidos por nossos leitores, o Desafio do Editor e o Vozes da Subjetiva. O primeiro tem como objetivo fazer com que o autor saia da sua “zona de conforto literária”; o segundo tem como objetivo valorizar nossos autores a partir de um roteiro de entrevistas que visa valorizar suas experiências pessoais, profissionais e opiniões sobre assuntos variados.

Cobrimos a Bienal do Livro Rio 2017, um evento incrível e uma grande experiência para nós, que nos possibilitou crescer enquanto Revista e enquanto “jornalistas”. Tivemos a possibilidade de entrevistar pessoas do meio, trocar experiências, ideias, sonhos e planejamentos. Estamos cobrindo atualmente, também, o Festival do Rio 2017, um dos grandes encontros entre amantes do cinema.

Tivemos a oportunidade de ter uma parceria com uma agência de publicidade, que realizou um sonho antigo, a nossa própria revista digital.

São muitos sonhos, planos e projetos, este é apenas o nosso primeiro ano. Agradecemos àqueles que acreditam em nós, principalmente aos nossos leitores e leitoras — que chegaram a incrível marca de 5 mil — e aos nossos autores e autoras — que já passam de cem.

Continuamos juntos, valorizando sempre a literatura, a escrita e àqueles que não se intimidam e eternizam seus sentimentos em palavras.