Sabedoria das bochechas

Aryanne Audrey

(Sei mal e sinto bem)

Quando você chegar,

será como todos os sóis,

tapados por todas as peneiras,

luz invadindo sem a piedade

das carolas, das pessoas caretas,

luz invadindo perna, dente,

sem freio e sem pressa.

Quando você chegar,

já saberei os versos certos,

pra cantar ou emaranhar cabelos,

até que o tempo vire ontem,

ou se arredonde como bochechas,

que sobem ao sorrir tua presença.


Gostou do texto? Clique no ❤ para ajudar na divulgação

Deixe seu comentário, ele é importante para nós. Caso deseje algo mais privado, nos mande um e-mail para rsubjetiva@gmail.com

Não deixe de nos seguir e curtir nas redes sociais:

Não perca nenhum texto, assine a nossa Newsletter: