Tentativa e erro

“De repente, tudo faz sentido”. Fico pensando nessas cinco palavras todos os dias pela manhã. Porque eu quero, preciso, desejo que tudo, de repente, faça sentido. A vida não se mostra muito cheia de razão. Então, nós queremos que tudo se encaixe, num passe de mágica.

Como aquele curso que nós fizemos (e acreditamos ter perdido tempo investindo na carreira errada), aquela pessoa que conhecemos e a quem nos dedicamos até que acabou o encanto (e acreditamos que nos doamos demais por alguém que não estava nem aí), aqueles projetos que tentamos realizar e que não deram certo (e acreditamos que deveríamos ter ouvido todos os que diziam que não funcionaria)… Nós desejamos, do fundo do coração, que as frustrações, decepções e derrotas façam sentido. Afinal, qual o objetivo disso tudo?

Bem, primeiramente, eu preciso dizer que tudo faz sentido.

Explico: a vida tem uma forma bastante peculiar de mostrar o que é certo e o que é errado. Nós, frequentemente, aprendemos o que é errado primeiro. Tentativa e erro. Esse é o método mais utilizado para o aprendizado. Nós quebramos a cara inúmeras vezes, até que aprendemos o certo. O aprendizado pelo erro faz sentido, porque o que não dói parece certo. E, quando dói, é porque está errado.

Um amor que dói, por exemplo, não é um amor que vale a pena manter na nossa vida. Um amor que abusa de nós, que nos tira toda a energia, que nos impede de fazer todas as coisas de que temos vontade, que nos limita a somente viver em função de amar, não é um amor saudável. Dói, está errado. Quando percebemos, o indicado é dar um fim, dar um tempo, sarar e, da próxima vez tentar fazer certo. Tentativa, erro e aprendizado.

Um projeto que não dá certo é, de certa forma, uma dor. Uma frustração é uma dor. Normalmente, ficamos frustrados quando nossas expectativas estão lá no alto e as coisas não saem exatamente conforme desejávamos. Acontece sempre. É assim com todo mundo. Se um projeto nos deixa frustrados, dói. E, porque dói, algo está errado. Fizemos algo errado. Da próxima vez tentaremos algo diferente, até dar certo. Tentativa, erro e aprendizado.

O curso que há alguns anos era o nosso sonho de carreira, e que hoje não faz mais sentido, é uma dor, que aparece como uma decepção. Nos decepcionamos por termos dedicado tantos anos a algo que, afinal, não nos traz paixão, não nos deixa realizados. A decepção é uma dor. E, porque dói, é sinal de que algo está errado. Fizemos o curso errado. Foram anos de estudo, pressão psicológica, crises de ansiedade, e no fim não ficamos satisfeitos. Acontece muito. Comigo foi assim. Tenho certeza de que todo mundo conhece alguém assim. Ao percebermos isso, o indicado é começar de novo, tentar outro curso, outra área, procurar a realização naquilo que nos dá prazer. Tentativa, erro e aprendizado.

E tudo isso faz sentido. Tentar, errar, tentar de novo, errar de novo, tentar até acertar. Faz sentido se nós aprendemos. Faz sentido se aquele amor abusivo nos fez perceber que devemos nos valorizar. Faz sentido se aquele projeto que não deu certo nos fez entender que expectativas são facas de dois gumes. Faz sentido se aquelas frustrações acumuladas nos ensinaram a tolerância, o amor-próprio, a disposição para aprender e a humildade para admitir o erro. Faz sentido se, mesmo que não tenha sido exatamente como queríamos, podemos perceber que nem tudo foi em vão: o amor errado, o projeto errado e o curso errado nos trouxeram bagagem emocional para lidar com o amor, o projeto e o curso certos.

De repente, acordaremos qualquer dia desses pensando: “de repente, tudo faz sentido”. E tudo realmente fará sentido.


Gostou do texto? Clique no ❤ para ajudar na divulgação

Deixe seu comentário, ele é importante para nós. Caso deseje algo mais privado, nos mande um e-mail para rsubjetiva@gmail.com

Não deixe de nos seguir e curtir nas redes sociais: Twitter. Facebook. Instagram.

Quer escrever conosco? Siga o passo-a-passo de nosso Edital abaixo:

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.