Capoeira — corporeidade, malícia e defesa pessoal

O que é um corpo sem uma mente potente e o que é uma mente potente sem um corpo?

Eu estou começando assim para dizer que o corpo é tão relevante quanto a mente, já que na nossa sociedade embora haja um culto ao corpo enquanto estética, poucas vezes a corporeidade é tratada com a devida importância. É aquele probleminha de dualidade ou se cultua o corpo ou se cultua a mente e a intelectualidade, os dois juntos é coisa para super herói.

Isso é estabelecido e reafirmado desde a escola. Inteligente é quem sabe matemática ou domina os códigos da língua, quem é bom nos esportes ou dança bem não tem tanto valor. Como consequência vem a desmotivação, a evasão escolar. Se não valorizam sua inteligência ou te fazem se sentir burro por que você vai estar lá? 
No Kwanzaa Brasil 2015 eu ouvi o atleta olímpico Diogo Silva falar sobre isso, ele disse que tinha dificuldade na escola, não era bom no tipo de inteligência que lhe era cobrado, mas encontrou seu lugar no taekwondo que via potencial na sua grande inteligência corporal cinestésica e principalmente foi um ambiente onde ele pode desenvolver ainda mais essa qualidade.

Diogo Silva no Kwanzaa 2015 — SP

[ corpo < mente | corpo> mente| corpo = mente | corpo ≤ mente | corpo ≥ mente]

E quando falo sobre a importância do corpo não quero de maneira alguma escantear quem tenha alguma deficiência física porque a mesma não é um fator limitador, assim como não tê-la passa longe de ser sinônimo de usar o corpo da melhor forma ou com os melhores rendimentos, falo isso porque a gente gosta de se sentir “perfeito/normal/muito abençoado/mais capazes” por não ter nenhuma deficiência, mas será que somos mesmo? Responde aí:

Você é uma pessoa flexível? Com bons reflexos?Ágil? Tem habilidades manuais excelentes? Usa a visão além do alcance? É bom com instrumentos?Canta bem? Tem força física para além dos músculos? Aliás, você têm músculos bem desenvolvidos? Se você tivesse que correr para sobreviver, você sobreviveria?

reflita nesse barulho… que bad né.

O que eu posso dizer sobre o corpo é que ele te devolve exatamente o que você der pra ele *exceto se você for um ponto fora da curva*

Mas o que a capoeira tem com essa ‘misera’ de texto?

A capoeira é essa filosofia, esse jeito de se defender que usa a inteligência corporal cinestésica e a malícia como bases. Ela se desenvolve desde o período da escravidão e vai ganhando outras formas até os dias de hoje.

Quem era o capoeira de antes? Era preto escravo-de-ganho, o liberto, era o corpo preto que estivesse ali suscetível a toda sorte de perigo.

Mas e como era, qual era a regra? A regra é aquela de sempre: Errado é quem leva, a gente se defende com o que pode.

Capoeira, 1820 — Augustus Earle
Hontem, ás 9 horas da manhã, foram presos á ordem do subdelegado da Candelaria os pretos Pedro, escravo de Guimarães Avila, e Ezequiel, escravo de Manoel Joaquim Pereira, por virem jogando capoeira na frente da musica do 1º batalhão; estando aquelle armado de um punhal. Foram presos no largo do Paço, pelos rondantes do 5º districto e remettidos para o xadrez da policia pelo capitão Marques Sobrinho.” Jornal “Diário de Notícias”, Rio, 25–11–1870
“A mais perigosa criação de uma sociedade é o homem que não tem nada a perder” — James Baldwin

E quando a gente tem nada a perder o jogo é duro, tão duro que após a abolição da escravatura a capoeira foi proibida por lei de 1890 a 1937.
Sente o terror nenhum/ terror total dessa lei:

“ Dos vadios e capoeiras

Art. 402. Fazer nas ruas e praças públicas exercício de agilidade e destreza(Decreto número 847, de 11 de outubro de 1890)

Capítulo XIII — a corporal conhecida pela denominação Capoeiragem: andar em carreiras, com armas ou instrumentos capazes de produzir lesão corporal, provocando tumulto ou desordens, ameaçando pessoa certa ou incerta, ou incutindo temor de algum mal;

Pena — de prisão celular por dois a seis meses.

A penalidade é a do art. 96.

Parágrafo único. É considerado circunstância agravante pertencer o capoeira a alguma banda ou malta. Aos chefes ou cabeças, se imporá a pena em dobro.
(…)”

E esse corpo difícil de deter era movido com muita ginga. A ginga é a própria mandinga, é esse enganar, se fazer de bobo mesmo tendo de bobo apenas a cara, é a fluidez do corpo que junto com a malícia sabe onde estar e o que fazer ou não para se proteger. E não é só se defender, tem um fazer bonito, aquele drible maroto que deixa todo mundo perdido. Feitiço de cobra que hipnotiza com os olhos enquanto balança. Quando viu…já foi.

Tá, mas e hoje?

E se agora eu ‘pá’ jogasse o pé na sua cara:
Você conseguiria desviar a tempo? E no meu segundo golpe você já estaria pronto para atacar ou desviar de novo? Você ia se defender com o corpo ou ia lançar um textão em capslock na minha cara? ‘cê’ sabe que não ia dar tempo de terminar o textão, talvez nem de começar a falar. Não ia importar seu lattes, ia ser fatallity.

E é sabido também que o nosso corpo preto continua tão suscetível e “preferível” a violência quanto antes, os números não me deixam mentir: a cada 23 minutos um jovem negro é assassinado no Brasil. E a lei, a palavra escrita e quem as escrevem persistem em tentar deter nossos corpos, pois em caso de resistência à prisão, é permitido o uso de quaisquer meios para que o policial se defenda ou vença a resistência. A maioria desses casos de ‘resistência à prisão’ que terminam em morte simplesmente são arquivados ou sequer chegam a ser denunciados.

E como a gente faz? A gente se prepara para bater, correr e desviar. Afinal uma mente brilhante num corpo morto não adianta muita coisa e vice-versa.

Patuá e corpo desperto.

— —

Quem é Diego Silva
https://www.facebook.com/DiogoSilvaOficial/ https://pt.wikipedia.org/wiki/Diogo_Silva

Lei que proibiu a capoeira: http://capoeiraocec.webnode.com.br/a-arte-capoeira/lei%20de%20proibi%C3%A7%C3%A3o%20da%20capoeira/
https://tokdehistoria.com.br/2012/07/30/a-primeira-lei-especifica-contra-a-capoeira/

A cada 23 minutos, um jovem negro é assassinado no Brasil, diz CPI:
http://www.bbc.com/portuguese/brasil-36461295

Fim do auto de resistência é defendido por ONG de direitos humanos:
https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2015/01/29/fim-do-auto-de-resistencia-e-defendido-por-ong-de-direitos-humanos

Onde saber mais sobre capoeira e a luta anti-racismo: https://www.facebook.com/Rede-de-Capoeiras-Contra-o-Racismo-1921597918124800/