O Feminismo Negro e o Gênero Sobreposto à Raça

A discussão sobre palmitagem, que nos trazem as feministas, não deixa dúvidas de que põem gênero acima de raça

Maicol William
May 12 · 6 min read

Sendo engraçado, ou no mínimo curioso, o fato de que, em um problema de raça, ser o preto o apontado e o branco o aliviado

A palmitagem é um caso clássico que demonstra que as feministas negras põem gênero à frente de raça para além do nome. Elas fazem de um problema racial, um problema de gênero. Primeiro que forçam que é um problema que só afeta o gênero masculino. “Mulher preta não palmita!”. Só o homem preto foi bombardeado pela mídia e pelo sistema de ensino pra hipervalorizar branco em detrimento de preto. Elas cresceram com uma mídia alternativa. Segundo que apertam pro lado apertado enquanto pro beneficiado aliviam. Tem duas partes aí envolvidas na palmitagem que elas criticam na palmitagem masculina, que seriam o homem negro e a mulher branca. Já sabemos em quem pesam a mão e em quem passam a mão na cabeça, né? Sendo engraçado, ou no mínimo curioso, o fato de que, em um problema de raça, ser o preto o apontado e o branco o aliviado. Faz sentido?!

Quem sobra lá, tem sua segunda chance cá

Vamos esquecer, por ora, que solidão não é só da mulher preta, sendo do homem negro também, assim como a palmitagem também é um problema de ambos os gêneros. Esqueçamos isso e vamos falar da palmitagem por motivos de solidão da mulher preta — que é um migué da zorra essa correlação, mas vamo aceitar aqui. Como o homem negro “contribui” pra essa solidão? Muito engrossando os números do encarceramento em massa, do genocídio e ainda pelo vetor do auto-ódio. Assim que ele contribui. Enquanto as brancas contribuem exercendo seu direito preferencial no mercado afetivo, benefício dado pelo racismo. Quem sobra lá, tem sua segunda chance cá. Não à toa, vemos um monte de irmão padrão (irmã também) com alguém beeem mal diagramado de lá, do outro lado. É mentira? Quem sobra lá, chega na frente cá. A sororidade vai pro beleléu quando as irmã sem melanina vão ciscar em vossos terreiros pra exercer o seu direito preferencial ao afeto, herdado do racismo, e passam pras mãos das pretas a batata quente da solidão.

revistaokoto

Espaço de divulgação para os textos e reflexões do Kilûmbu Òkòtó

Maicol William

Written by

revistaokoto

Espaço de divulgação para os textos e reflexões do Kilûmbu Òkòtó