Rh e a Síndrome do Filho do Meio (pouco poder, pouca importância, pouca voz)

Yarla Queiroz
Aug 16, 2018 · 4 min read

Recentemente, um de nossos clientes admitiu não saber o que fazer para que o seu RH deixasse de sofrer da Síndrome do filho do meio. Ainda afirmou que o RH não se posiciona como um poderoso filho mais velho e tão pouco “bate o pé” como um impetuoso filho mais novo. Sendo assim, o que resta é uma área que tem pouco poder, pouca importância e pouca voz dentro das organizações. Isso faz sentido para você que nos lê?

Tá, mas o que é essa Síndrome?

Existe um senso comum de que o primogênito tende a ser mais responsável, o caçula o mais protegido e o filho do meio é aquele que se encontra num nível intermediário da atenção dos pais. Mas, será que os filhos do meio são realmente desamparados afetivamente pelas famílias?

De acordo com Alfred Adle¹ — Psicólogo austríaco, a ordem cronológica do nascimento influencia na formação da personalidade da criança, em função do tratamento recebido pelos pais que passa a ser diferenciado. Na teoria de Alfred, os primeiros filhos são como “laboratórios” para os pais, eles se dedicam mais a sua criação justamente por serem pais de primeira viagem. Diante de tantas inseguranças, eles se esforçam ao máximo para fazer tudo certo. Quando o segundo filho nasce, os pais precisam dividir a atenção e o afeto entre os dois, portanto, o segundo filho já não terá toda a energia paterna e materna voltado para ele, como aconteceu com o primogênito. Com a chegada do terceiro filho, a atenção passa a ser ainda mais dividida, e é onde pode “nascer” a Síndrome do Filho do Meio.

A síndrome acontece quando estas crianças se sentem pouco importantes em relação aos irmãos por não receberem atenção suficiente dos pais.

Voltando ao RH…

Resolvemos buscar a síndrome dentro da atuação do RH. São situações meramente hipotéticas, mas que talvez você já tenha passado por algo parecido:‍

Situação 1: Pouca voz

Seu diretor resolve incluir uma nova área dentro do organograma da empresa. Essa nova área inclui a promoção de um colaborador específico, já decidido e que já recebeu o aviso que será promovido a partir do próximo mês. O que o seu diretor não sabe é que esse colaborador não tem perfil para liderança (não apresenta as competências de excelência em gestão e/ou liderança integradora), e além disso em algumas situações já foi advertido pelo RH em função da sua conduta inadequada no trabalho.‍

Situação 2: Pouca importância

O momento é de lançamento do Programa de Gestão de Desempenho, o RH mobiliza e sensibiliza a empresa sobre a importância do feedback e da avaliação de desempenho para traçar rotas de desenvolvimento e resultado para as áreas. Mas, numa reunião pontual entre alta gestão e os líderes, o diretor deixa claro que não passa de uma obrigação: “Prezados, como todos sabem, a nossa agenda está sobrecarregada de compromissos. Porém, para não deixarmos de cumprir uma atividade processual do RH, preencham a avaliação de desempenho.”

Situação 3: Pouco poder

Nada feliz com os indicadores de “satisfação do cliente” no que diz respeito ao tempo de espera na ligação, o Gestor decide contratar 40 funcionários para teleatendimento até o final deste mês. Com isso, solicita prioridade no fechamento destas vagas pelo RH pois deseja reverter este indicador com rapidez.

O que o gestor não considerou ou não lembrou de considerar é que a equipe de RH foi reduzida recentemente e que existem outros gestores com vagas em aberto e outros programas simultâneos.‍

Se você se viu em algumas destas situações, pode ser que o seu RH esteja atuando como relata a “Síndrome do Filho do Meio” com pouco poder, pouca voz e pouca importância.

E agora? Como solucionar isto?

Que tal pensar em como o seu RH tem atuado desde os mínimos processos e o quanto ele tem sido propositivo em realizar ações que reflitam a missão, estrutura e estratégia do RH? (Re)Pensar neste sentido, significa que é possível adotar um novo olhar, sensíveis para realizar pequenas mudanças.

Quer um exemplo?

Retomando o contexto da situação 2, onde o diretor demonstra pouca importância no Programa de Gestão de Desempenho, ao utilizar desta atuação mais propositiva, vale discutir com a alta gestão para explicar de forma mais clara a importância do Programa e quais são os principais ganhos institucionais com o resultado da avaliação. Também, abrir espaço para entender mais sobre o contexto e o momento atual em que a organização está inserida, e até mesmo reavaliar se é, de fato, o momento certo para a avaliação.

A atuação propositiva não é um “bicho de sete cabeças”. Este tipo de atuação remete ao realizar analiticamente as demandas de trabalho do RH com maior clareza sobre o negócio, as estratégias e os ganhos que a instituição pode ter. Isto pode começar com a área de RH demonstrando ações que façam com que a organização perceba o valor de entrega e estratégia da área.

Ficou interessado em saber mais?

Acompanhe nossa página e se interessar, agende uma mentoria.

Let’s talk e vamos juntos transformar a atuação do RH.

Escrito por nossa Maker, Yarla Queiroz

RHlab

A necessária injeção de oxigênio nas rodas de conversa sobre RH. Experimentação, Employee Experience e Futurismo.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade