Tuca Andrada e Rômulo Zanotto | Solar do Rosário | Festival de Teatro de Curitiba | 2016 (Foto: Helio Mar Karger)

Meu encontro com Tuca Andrada

Rômulo Zanotto
Nov 6, 2016 · 5 min read

Como tão bem definiu Dan Stulbach em outro de meus encontros, o valor do Festival de Curitiba se estende para muito além dos palcos, pelos encontros que promove. Encontros como este, no Solar no Palco, que aconteceu todos os dias durante o evento, no Solar do Rosário, onde imprensa e realizadores tiveram a oportunidade de grandes conversas, com gente fina, elegante e sincera.

Em meio ao marasmo de opiniões rasas, que migram com facilidade do pensamento inócuo à boca, é muito bom ter a oportunidade de conversar e ouvir gente como a de teatro, que problematiza, aprofunda, discorda, transgride. Do encontro com Tuca Andrada, por exemplo, pernambucano, diretor do espetáculo Nordestinos, saíram respostas que deveriam ser lidas por todos e repensada por alguns.

A montagem conta a história real de vários nordestinos recebidas através de cartas, e-mails e entrevistas. São pessoas que deixaram sua cidade natal para realizar seus sonhos no Rio ou em São Paulo. O elenco do espetáculo, embora vivam e trabalhem no Rio, é todo nordestino.

Tuca começa falando em migração, para concluir com a única coisa da qual todos nós devemos fugir, segundo Tuca: "a noção de que nós somos o progressos, eles são o atraso.”

Tuca Andrada, diretor do espetáculo "Nordestinos", que esteve em cartaz na última edição do Festival de Teatro de Curitiba (Foto: Helio Mar Karger)

Eu vi o mundo… Ele começava no Recife!

Cícero Dias, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Luiz Gonzaga, Glauber Rocha, Nelson Rodrigues, Ferreira Gullar, João Cabral de Melo Neto, Ariano Suassuna, Daniela Mercury e João Gilberto. Ufa! Estes são alguns dos nomes que conferem ao país inteiro sua nordestinidade.

Foi a partir de uma constatação como esta — a legitimidade da contribuição nordestina para o restante do país — que Tuca Andrada propôs uma questão para o seu elenco: “Por quê é que um povo que têm uma contribuição cultural tão grande para a formação do país”, pergunta ele, “é considerado atrasado? Só por causa de uma questão econômica? Esse povo não é atrasado. Se você contribui para a formação cultural de um país, você é rico também. Rico igual a qualquer outro estado do sudeste. Isso é um preconceito, uma ignorância, uma coisa que vem há séculos sendo incutida na cabeça das pessoas daqui do sul e do sudeste, que nós somos o estorvo desse país. O que me incomoda muito”.

Pergunto a Tuca se ele chega a redarguir este tipo de comentário, ou se a forma de rebater o discurso é montar uma peça como esta.

“É montar uma peça como esta. Às vezes, eu pergunto: vocês já comeram Acarajé? Já namoraram ouvindo Caetano Veloso? Já foram pegar sol em alguma praia do nordeste?”, enumera ele. “Por que é que vocês querem separar? Qual a razão? Qual o atraso? Por causa de uma indústria de dez famílias, uma indústria da seca, que mantém milhões de pessoas na misérias e só elas ganham dinheiro? E todo um povo que tem uma contribuição maior para este país — maior econômica até, já que a questão é sempre essa — paga pelo roubo, pela escravidão que essas famílias propõe. Talvez a miséria econômica que existe no nordeste seja uma miséria imposta. Porque alguém ganha dinheiro com isso, pode ter certeza”, conclui.

(Foto: Helio Mar Karger)

“Por quê é que um povo que têm uma contribuição cultural tão grande para a formação do país é considerado atrasado? Só por causa de uma questão econômica? Se você contribui para a formação cultural de um país, você é rico também.” (Tuca Andrada)

Conversamos sobre como é mais fácil, para a massa falida, acreditar que extirpar é melhor do que aprender o convívio com o diferente. “Conviver com a diferença é algo muito difícil”, analisa o ator e diretor. “A migração, no mundo inteiro, está se confrontando com isso. Pessoas que saem de sua terra por causa de um desastre natural ou porque houve uma Guerra. Precisam ir, muitos nem querem. É um preconceito bobo, uma ignorância que a gente precisa combater. Eu, como artista, tenho que fazer isso. Como artista nordestino, principalmente. Mas eu não me considero um artista nordestino, eu me considero um artista brasileiro. Eu sou a soma de todos esses povos, eu não sou só o nordeste. Eu sou o Amazonas, eu sou o Rio Grande do Sul, Minas, eu sou tudo.”

Com alegria, para nós e para ele, Tuca conta que o espetáculo deve passar por todos os estados brasileiros, “principalmente naqueles que têm mais forte esta tendência separatista”. Ele acredita poder contribuir, com isto, para que o Brasil “vire uma coisa melhor. Não é dividindo que a gente vai transformar. A transformação da gente se dá em outro nível”, finaliza.

(Foto: Helio Mar Karger)

“Eu não me considero um artista nordestino, eu me considero um artista brasileiro. Eu sou a soma de todos esses povos, eu não sou só o nordeste. Eu sou o Amazonas, eu sou o Rio Grande do Sul, Minas, eu sou tudo.” (Tuca Andrada)

Para muito além da identificação regionalista, muita gente que não é nordestino se emociona com o espetáculo. “Porque a gente não está só falando disso. A gente está falando de migração, movimento. O que estes movimentos trazem de rico para um, o que eles empobrecem nos outros.”

O diretor também fugiu da vitimização, para não cair na onda do Cristo na cruz: “Não queria que ficasse um sentimento de coitadinho do nordesteOlha como eles sofreram, vieram… A gente sacaneia com a agente mesmo, com o sotaque, com os nomes que nossos pais inventam para a gente. A gente brinca, para não ser uma coisa amarga, porque não está na hora de ser isso. A gente precisa voltar a se gostar mais.”

Nordestinos é bairrista, sem ser ufanista. Porque, segundo Tuca, é disso que estamos fugindo, é disso que temos que fugir. Essa deve ser a verdadeira e única migração: a da ideia de que “nós somos o progresso e eles o atraso”.

A gente precisa voltar a se gostar mais, não repete o entrevistado, mas eu repito por ele.


Blog do Rômulo Zanotto

Literatura | Jornalismo Literário

Rômulo Zanotto

Written by

Escritor e jornalista literário. Autor do romance "Quero ser Fernanda Young". Curitiba.

Blog do Rômulo Zanotto

Literatura | Jornalismo Literário

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade