Há 45 anos na Rua das Flores

Foto: William Gonçalves.

Na Rua XV de Novembro, conhecida como Rua das Flores, há muitas histórias de pessoas que trabalham muito para receber pouco. Com 65 anos, mãe de 2 filhos e avó, Sueli da Silva trabalhou como funcionária pública nas áreas da educação e saúde por 42 anos. Aposentou-se, mas como o dinheiro da aposentadoria não é o suficiente para se manter, ela começou a trabalhar, de segunda a domingo, entregando panfletos da Joalheria CM na Rua XV. Ganha R$ 60 por dia.

A aposentada acha que a Rua XV é uma “história”. “Deveria entrar em uma das sete maravilhas do mundo por tudo o que ela é, por tudo o que representa e por tudo que já foi”. Para Sueli, a Rua XV é uma mistura de sentimentos bons e ruins, alegres e tristes. Ela vê pessoas que se apresentavam na XV e agora estão com o cabelo branquinho. “Isso faz da rua um lugar mais bonito”. Passando pela via por 45 anos, relembra que sempre parava para ver as apresentações culturais. “Com tudo o que vi, poderia escrever um livro.”

Por William Gonçalves

Like what you read? Give Capital da Notícia a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.