Cansei de falar como um publicitário

Target, budget, job, deadline, case… Perdi as contas de quantas vezes eu e os meus colegas de classe usamos estas palavras em apresentações na faculdade, grupos de debate ou até mesmo no trabalho. Mas ultimamente temos utilizado mais estas palavras de forma irônica ou para satirizar certos casos do cotidiano. Por quê? Bem, talvez seja porque percebemos que o vocabulário de um publicitário é cheio de firulas que talvez não nos representem tão bem. Por que eu deveria me referir ao público-alvo como target? Somente pelo fato de soar mais bonito e evidenciar que eu sou um descolado cara da área de publicidade? Ah, não, obrigado. Eu vou continuar chamando de prazo final mesmo aqueles quarenta e cinco do segundo tempo onde rola uma brilhante ideia de como divulgar todo um produto de uma marca, seja só em um trabalho acadêmico experimental ou na agência.

É claro que existem certos termos que não conseguimos ignorar simplesmente por não terem tradução ou por serem tão enraizados que não temos uma palavra equivalente em português, essa aqui vai para o meu amigo branding. Sério, nem sei como chamar esse carinha de outra forma. A primeira vez que eu falei pra minha mãe “ficamos até tarde porque estávamos com um job pra fazer” minha mãe arregalou os olhos e deve ter pensado algo bem louco porque além de demorar pra processar, naquela mesma semana ela me perguntou mais umas três vezes qual era o nome daquele troço que eu estava fazendo com o pessoal da faculdade (calma, mãe, a galera é praticamente ligada por sangue). Sem contar aquela vez que meu pai viu a chamada do filme do Steve Jobs e encasquetou que o que eu faço na faculdade é criar produtos da Apple.

Eu tenho certeza que terão aqueles que ficarão ofendidos por eu estar excluindo as coitadas das palavras. Calma, gente, não estou abolindo todas elas do meu vocabulário estilo aquele-que-não-deve-ser-nomeado. Continuarei usando-as, claro. Talvez em uma apresentação que eu tenha que fazer em inglês, quem sabe? Por enquanto eu prefiro optar pelas palavras em português mesmo, mas antes de terminar o texto eu gostaria de pedir desculpas pelo job, é que o budget não era dos melhores e o deadline tava aí… Mas se você não gostou não tem problema, vai ver você não é o target mesmo. Mas fica aí o case, qualquer coisa.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Nivaldo Pereira’s story.