Pelas lentes do celular

Conheça a técnica que está ganhando a atenção de quem busca experimentações artísticas e produções de baixo orçamento

Tecnologia, aplicativos, smartphones. As mudanças têm sido cada vez mais rápidas. O telefone celular, que antes usávamos somente para fazer ligações ou enviar mensagens de texto, virou uma ferramenta empoderadora e imprescindível — revoluções políticas são feitas de casa!

Entre as facilidades que os aparelhos oferecem hoje, também é possível documentar imagens, com qualidade de cinema e contando com a ajuda de poucos equipamentos — uma produção mais discreta, sem ter que se deslocar para um set ou para as ruas com câmeras ou tripés profissionais.

E já tem muita gente explorando esse novo formato. Em 2014, o diretor francês Jean-Luc Godard, importante nome do cinema europeu, foi quem começou a explorar a possibilidade de fazer um filme com uma câmera de celular. Para as gravações de “Adeus a Linguagem”, Godard usou um iPhone 5 e duas câmeras 3D, que cabiam em seu bolso.

No ano passado, o longa independente de Sean Baker, “Tangerine”, surpreendeu os críticos no festival de cinema indie Sundance. Inteiramente filmado com um iPhone 5s, o diretor rodou o filme com um tripé, para garantir estabilidade do enquadramento, um aplicativo para edição e lentes anamórficas. Uma ótima opção para quem não tem dinheiro, mas quer executar uma grande ideia.

O smartphone pode ser muito útil se você optar em fazer um clipe musical. A atriz Olivia Wilde convidou a banda Edward Sharpe & The Magnetic Zeros para gravar o clipe da sua nova música com o iPhone 6s. A banda topou e o resultado do vídeo de 6 minutos, dirigido por Wilde e fotografado por Reed Morano, é contagiante, com belíssimas imagens. Independentemente de ser uma escolha artística ou uma produção de baixo orçamento, o smartphone pode ser uma mão na roda.

E que tal aprender a usar o seu próprio celular como instrumento para criar um filme? O novo curso da Saibalá, Cinema com celular: técnicas para contar histórias com iPhone, com o professor e diretor argentino Eduardo Feller, oferece técnicas e dicas essenciais, que vão desde pensar em uma narrativa interessante até que tipo de aparelhos você deve levar na hora de rodar o seu filme.

A ideia é aprender tudo a respeito da ferramenta que você escolheu para utilizar toda a tecnologia que está à sua disposição. Pense na história que você quer contar, estude bem o seu smartphone e vá para a rua!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.