Inteligência Emocional: porque é tão importante desenvolvê-la?

Lidar com os sentimentos e anseios nem sempre é uma tarefa fácil, quem dirá no ambiente de trabalho, onde a soma de culturas e diversidades muitas vezes promovem a divergência de ideias, as quais se não bem administradas podem gerar conflitos desnecessários.

Volte e meia em redes sociais nos deparamos com post, com frases do tipo:

“Antes de ser um excelente profissional seja um bom ser humano.. “
“Por mais inteligente que alguém possa ser, se não for humilde, o seu melhor se perde na arrogância..”

Muito dessas frases, expressam os anseios e frustrações das pessoas em suas relações de trabalho, e aí que entra a questão da Inteligência Emocional (IE) é a sua importância em desenvolvê-la.

Durante nossas formações nas escolas, faculdades, MBAs entre outras em geral, somos condicionados a desenvolver habilidades técnicas, que potencializam o aumento do raciocino lógico e com isso o nosso Quociente de Inteligência (QI).

Porém no desenvolvimento das nossas carreiras, precisamos lidar constantemente com outras pessoas, em convívios que difere das salas de aula, onde o trabalho em grupo e a busca por resultados é muito mais acentuado.

Com isso lidar com diferentes perfis e opiniões, se torna um verdadeiro desafio, principalmente pela gestão do nosso próprio comportamento perante ao próximo, o que é de extrema importância para um bom desempenho profissional.

Mas é claro, quando falamos em nossos comportamentos, eles envolvem sentimentos e emoções, o que nem sempre é uma tarefa fácil de gerir, principalmente porque o lado humano traz toda uma bagagem pessoal que vai desde a criação, convívios, familiares, círculos de amizades e etc.

Porém saber a importância do desenvolvimento da IE, é um grande passo frente a todos esses desafios, onde sua composição se caracteriza por habilidades de autogestão e de capacidades de relacionamento sendo elas:

1. Autoconsciência: conhecer a si mesmo e ter ciência sobre os seus impulsos, emoções, forças e fraquezas e ser franco consigo mesmo e com os outros a respeito disso. Saber para onde está indo e o porquê de estar indo, assim sendo capaz de definir uma trajetória para tal. As decisões de pessoas autoconsciência se harmonizam com os seus valores, com isso elas se auto estimulam em seus desafios.

A autoconsciência diminui o ego e deixa a pessoa mais segura a respeito de si.

2. Autogestão (autocontrole): conversa interior contínua, que nos liberta de sentimentos impulsivos, libertação do autojulgamento e ajuda a entender os outros pontos de vistas.

Ajuda a libertar os pensamentos negativos e com isso facilita o humor e a motivação tanto para si como para os outros em sua volta.

3. Automotivação: capacidade de dirigir as emoções a serviço de um objetivo ou realização pessoal. Busca pela concentração nas tarefas que estamos realizando sem deixar ser levado pela ansiedade ou pelos aborrecimentos que possam ocorrer. Encontrar o prazer no trabalho e não perder a calma durante a jornada e o período de espera pela gratificação..

Foco no positivo, sempre!, como capacidade de dirigir as emoções afim de evitar a ansiedade durante a jornada.

4. Empatia: levar em conta ponderadamente os sentimentos das pessoas, junto com outros fatores no processo de tomada de decisão, ouvir as pessoas e ajudá-las principalmente no controle das emoções e construção de feedback assertivos. Se colocar também no lugar das outras pessoas e procurar entender o contexto que o cerca.

O eu, o outro e o contexto ..

5. Habilidade Social: cordialidade com um proposito, desenvolver afinidades, gerir relacionamentos, motivação e otimismo contribui para o desenvolvimento dessa habilidade, conseguem uma melhor persuasão, desenvolvem vínculos com pessoas pois sabem que podem precisar delas amanhã.

Desenvolvimento de vínculos, afinidades através da cordialidade.

Hoje falamos muito em mudanças, principalmente as impulsionadas pela tecnologia e que afetarão o trabalho como conhecemos. Porém atributos como trabalho em equipe, comunicação claras e eficazes, adaptações a mudanças e bom relacionamentos interpessoais, continuam sendo de extrema importância para o sucesso da organização.

Atributos esses que são de natureza humana e que dependem única e exclusivamente do desenvolvimento da Inteligência Emocional de cada profissional da organização. Afinal:

Abraços e até breve.