É muito difícil que o nome Jean Padureanu tenha ficado conhecido fora da Romênia, sua terra natal. Você provavelmente lê este nome pela primeira vez. Mas o cartola mais longevo no comando de um clube em seu país é um dos personagens que marcaram época no futebol da terra de Hagi, Popescu & cia. Ele morreu na madrugada desta sexta-feira, aos 80 anos, após sofrer de problemas cardíacos, diabetes, Alzheimer e um câncer generalizado.

Padureanu deu a seu clube um período de prosperidade através de fraudes (foto: Agerpres)

Não só pela longevidade no clube do coração, o Gloria Bistrita, Padureanu é marcado pelas controvérsias e por ser considerado o pai da maior fraude que já viveu o hoje destruído futebol romeno: a Cooperativa.

Antes de ficar eternizado como dirigente, Jean Padureanu teve uma carreira modesta como lateral-direito. Nasceu na pequena cidade de Bailesti em 22 de março de 1936. Atuou a maior parte da carreira no Universitatea Craiova, nos períodos 1950–1956 e 1960–1964, quando o clube ainda disputava a terceira e segunda divisão do país; de 1956 a 1958, jogou no Steaua, e entre 1958 e 1960 e de 1964 a 1970, no Gloria Bistrita, um clube médio-pequeno que quase sempre figurava na primeira divisão. Encerrou a carreira aos 34 anos.

Mas desde 1964, quando ainda era jogador, Padureanu esteve ligado à diretoria do Gloria Bistrita. E entre pequenos hiatos, lá ficou até 2013, quando finalmente se aposentou. Recebeu como homenagem o nome do Estádio Municipal Gloria, que passou a se chamar Estádio Jean Padureanu.

Mantendo o Gloria Bistrita na primeira divisão romena de 1990 a 2011, o cartola foi batizado de “Lorde”, ganhando a fama “de homem que resolvia tudo num aperto de mão e com uma palavra”, como explica o jornalista Marius Mitran no documentário Em Busca do Futebol Perdido. Neste período na elite do futebol romeno, Jean Padureanu e outros dirigentes fundam uma grande sociedade para fraudar resultados de inúmeros jogos oficiais: A Cooperativa.

No meio dos anos 90, justamente no melhor momento da história da seleção nacional masculina, o futebol romeno começa o caminho ao colapso no qual se encontra hoje. E a passos largos. Negociantes, chefes sindicais, chefes e ex-proprietários de fábricas e usinas que dirigiam clubes de futebol na época faziam um esquema em que subornavam árbitros, fraudavam resultados, apostavam passes de jogadores em jogos de azar e mantinham a imprensa recém-saída do Comunismo na mão. Esta era a Cooperativa.

No geral, cada clube ganhava em seu estádio e perdia fora, e ficava decidido sobre quem lutaria pelo título, quem buscaria vaga nas competições continentais e quem lutaria contra o rebaixamento. Sobrava para quem não fazia parte do esquema ser rebaixado para a segunda divisão. A imprensa, que desde 1990 experimentava um regime democrático capitalista, ficava de mãos atadas com a indolência e o deslumbramento de jornalistas e com subornos em produtos típicos das regiões dos clubes. Tudo com o aval e a vista grossa da Federação Romena de Futebol, comandada por Mircea Sandu, e da Liga Profissional de Futebol presidida por Dumitru Dragomir. O “Lorde” admitiu que arranjou resultados, mas que jamais teve dinheiro envolvido no esquema, e sempre negou a existência da Cooperativa.

Após campanhas anti-fraude e a transição para uma outra geração de dirigentes (não tão mais íntegra que a anterior), a Cooperativa foi enfraquecendo. Mas o trauma foi tão grande que não é raro que qualquer resultado incomum ou virada difícil na Romênia sejam rapidamente acusados de blat (marmelada”, “jogo comprado”, em tradução livre) pelo público ainda hoje.

Já aos 77 anos, em 4 de março de 2014, Jean Padureanu é condenado a três anos e quatro meses de prisão no julgamento do Caso das Transferências. Foi um escândalo de corrupção em que dirigentes e empresários declaravam valores menores do que os reais nas transferências de alguns jogadores entre 1999 e 2005. Na ocasião, até Gica Popescu, zagueiro da Geração de Ouro e ex-capitão do Barcelona, foi preso, um dia antes de concorrer à presidência da FRF. Padureanu foi condenado por fraude, lavagem de dinheiro e evasão fiscal nas transferências do atacante Ionel Ganea para o Stuttgart em 1999 e do meia Lucian Sânmartean para o Panathinaikos em 2003. O “Lorde” recebeu liberdade condicional em 18 de junho de 2015, devido à idade avançada e aos vários problemas de saúde.

Jean Padureanu foi o maior dirigente da história do Gloria Bistrita, levando o clube fundado em 1922 a competições europeias, ao título da Copa da Romênia de 1993–94 e lhe dando uma longevidade na elite do futebol romeno como somente os grandes conseguem obter. Um período manchado pelas fraudes do “Lorde”, que levariam seu amado Gloria Bistrita, direta e indiretamente, ao colapso total em 2014. O clube foi refundado em 2015 e hoje disputa a quarta divisão, buscando uma nova história sem manchas, sem fraudes, e sem o herói-vilão, Lorde Jean Padureanu.

Confira o trecho do documentário Em Busca do Futebol Perdido que fala sobre a Cooperativa. Já está no ponto.

Sem Firulas

Cultura Futeboleira

João Vítor Roberge

Written by

jornalista, craiovano e digiescolhido

Sem Firulas

Cultura Futeboleira

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade