Serei, serás, seremos

Talvez certezas científicas falhem e nem as milhares de teorias genéticas sejam suficientes para explicar o que faz alguém ser humano. O que nos faz sorrir, amar, chorar e ter medo? O que nos faz ser quem somos? Buscando respostas, o fotógrafo francês Yann Arthus-Bertrand viajou durante três anos para registrar 191 minutos, 2.020 entrevistas, 63 idiomas e 70 países para compor seu projeto “Human”.

Entre depoimentos envolventes e paisagens paradisíacas, o filme mostra relatos de pessoas com culturas e classes sociais variadas; ricos e pobres, negros e brancos, cristãos e muçulmanos, etc. Ao responder questões sobre amor, resiliência e gratidão, percebemos que, mesmo distantes e com visões de mundo completamente diferentes, existem em nós sentimentos intrínsecos que compartilhamos uns com os outros, e talvez isso seja “ser humano”.

“Se perguntar a alguém hoje qual a pior coisa que já lhe aconteceu na vida e que lição aprendeu dessa experiência, será sempre algo difícil de explicar e certamente vai chorar. Mas por vezes surgem coisas bonitas, belas palavras sobre essa experiência. Penso que crescemos com as experiências dos outros. Não crescemos sozinhos”, disse numa Arthus-Bertrand entrevista à Reuters.

O documentário, lançado em 2015, é uma verdadeira experiência sobre conhecimento e empatia, e está disponível no YouTube em seis línguas: inglês, francês, português, espanhol, russo e árabe. Confira o trailer:

(Out. 2016)

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.