Dia 1 de Outubro: o Dia do Idoso.

Foto: MabelAmber ~ pixabay

É comemorado em 1 de outubro o dia do Idoso porque nesta data, em 2003, foi instituído o Estatuto do Idoso, por meio da Lei Nº 10.741. Idoso, por convenção, é aquele indivíduo com 60 anos ou mais, que está aprendendo a lidar com o seu processo natural de envelhecimento biológico.

A psicologia elenca o medo de envelhecer como sendo um dos medos básicos da humanidade. Mesmo amparadas por uma premissa ilusória, as pessoas imaginam que envelhecer poderá trazer dificuldades físicas, mentais ou financeiras. Este sentimento se relaciona, em parte, com outro medo elementar que é o medo de morrer.

Não à toa o Estatuto do Idoso trate de questões tão primárias quanto o combate à discriminação da pessoa idosa, abandono, exposição ao perigo, negação, apropriação indevida de bens e privação de direitos bancários, humilhação, coação, entre outros. No entanto, somente a partir da criação deste Estatuto é que nossa jovem democracia começou a incorporar resoluções jurídicas de organizações internacionais, tais como a ONU e OMS, para orientar as reflexões, legislações e ações a respeito do idoso no Brasil.

Discussões contemporâneas

Foto: geralt ~ pixabay

Em 1991, a Assembleia Geral da ONU aprovou a resolução 46/91, que trata dos direitos dos idosos. A organização priorizou diversos princípios nos quais os governos de todos países deveriam engajar-se, a partir do fato conhecido de que a população mundial caminha em velocidade constante para o envelhecimento dos seus indivíduos.

Entre outros, os princípios da Independência, Participação, Assistência e Dignidade deveriam ser o norte das legislações e ações praticadas pelos países na busca pelo reconhecimento da diversidade das pessoas idosas, reafirmando a fé dos povos nos direitos humanos fundamentais, na dignidade e no valor da pessoa.

Trabalho, Saúde e Realização

Foto: Witizia ~ pixabay

Entre outros destaques, a resolução ressalta a importância do idoso manter-se integrado na sociedade e ser capaz de prover sustento para si e outros, por meio do trabalho em iguais condições às demais faixas etárias.

Diz também que a pessoa idosa dever ter condições de procurar oportunidades com vista ao pleno desenvolvimento do seu potencial e que devem ter acesso a serviços sociais e jurídicos que reforcem a respectiva autonomia, proteção e assistência.

Envelhecimento ativo

Foto: geralt ~ pixabay

A qualidade de vida na velhice está relacionada a muitos elementos em interação na vida do individuo. As suas condições físicas, o ambiente, as condições sociais, renda, etc. Homens e mulheres que se preparam para a velhice e se adaptam a mudanças fazem um melhor ajuste em sua vida depois de 60 anos.

A cultura é um elemento chave posto nas questões para a compreensão do envelhecimento ativo, uma vez que determina como uma sociedade encara as pessoas idosas.

Um caminho para trilhar

Foto: bryandilts ~ pixabay

Apesar das variáveis diversas postas em discussão no país, envelhecer com boa qualidade de vida é possível. Cabe, no entanto, aos diversos interlocutores sócias, políticos e governamentais a mobilização de ideias, iniciativas e inteligências que conservem os exemplos e tratem dos desvios.

Neste ano histórico brasileiro de 2016, num cenário onde as incertezas estão sendo superadas, há muito o que ser feito e muitas boas ideias a caminho. É preciso manter no visor, no entanto, a urgência da inserção do idoso na mesa do desenvolvimento econômico, nos pilares do crescimento e no rumo grandioso que o Brasil possui condições de trilhar, em todos os seus setores.

Feliz dia do Idoso a todos, com mais ou menos de 60.