Quente

O tempo estava frio quando o encontrei;

Ao encontrá-lo me desencontrei;

Sentia ser um pedaço de noite diferente do comum;

Despindo-se ali de alma, flutuava;

Derretia como sua xícara verde posta sob a mesa e a geleia de Amora com uma cor tão diferente;

Mal sabia ele que tua blusa de idoso me deixava maluca;

Enquanto o café, aguçava minhas papilas gustativas; (Óh, elas nunca sentiram um gosto tão bom), teus dedos entrelaçados aos meus me davam segurança;

Som flutuante no ambiente, seria Seu Jorge?

Como até aos meus ouvidos chegavam a profundidade do teu ser;

Só queria ouvir o teu som;

Emitida por cordas roucas e lábios carnudos;

O chapado de seus olhos não negava que ele também me desejava;

Assim, sem pressa;

O convite para ver o céu, bastou;

Mal sabia eu que teu céu se encontrava no teu teto;

E que nele embarcaria para uma viagem entre galáxias;

Ali terminei de perder minha lucidez;

Seria eu a Lua e ele a Estrela maior? Ou seria ele a Lua e eu a Estrela maior?

AH! Não importava, só sabia que ele estava no mesmo céu que eu;

Teu toque em meu corpo parecia o brilhar das estrelas;

Teu beijo o pulsar de teu brilho;

Ali só a energia sentida podia dizer o que estava acontecendo;

Minha perna tremia e meu corpo não respondia á minha mente mais;

Teu gemer soava como a melodia mais bela que já escutei;

E tua respiração como o ar mais puro que já inspirei;

Sei que minhas papilas me enganaram, o gosto do teu corpo, quente ao meu, era imensurável;

Se encaixava tão deliciosamente que dali não queria sair;

Que harmonia;

Foi difícil deixar teus dedos e lábios saírem de perto de mim;

Eu não quero que ninguém mais o tenha;

Meu tesão é viver amando-o todos os dias;

De formas, jeitos, cores, sabores.. diferentes;

Pois quando tua alma junta á minha, ferve;

É quente!

Maria Fabiano·
2 min
·
3 cards

Read “Quente” on a larger screen, or in the Medium app!