Para onde vão as bandas que morrem?

Um dia o Coldplay foi uma boa banda. Uma banda no mínimo diferente, que hoje morreu. Reduzida a uma espécie estranha de cover de U2, o grupo decepciona a quem alimentou expectativas com base em seus primeiros discos (exceto Chris Martin, com certeza bem feliz com os estádios cheios que frequenta). Nesses primórdios, algumas boas canções surgiram. E a marca principal do conjunto era a melancolia de muitas delas. Quanto mais fica claro que esses tempos nunca voltarão, mais melancolia essas músicas assumem; e, por consequência, soam melhores. A Rush of Blood to the Head é com certeza uma das melhores delas. A mim, é impossível não lembrar de longas viagens de carro com os pais na infância rumo a alguma cidade tranquila do interior. Talvez, nessas cidades, é que a melancolia perdida dessa música se esconda hoje — depois que sua banda criadora se retirou do cenário e foi viver onde vivem os projetos musicais que morrem.

You said I’m gonna buy a gun and start a war
If you can tell me something worth fighting for
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.