SAFE — Novo Instrumento de Investimento em Startups

SMU Investimentos
Sep 4 · 8 min read
Image for post
Image for post

Você já ouviu falar do SAFE?

A lendária aceleradora do Vale do Silício Y Combinator introduziu esse instrumento no mercado no final de 2013, e desde então tem sido utilizado por quase todas as startups da aceleradora e por inúmeras outras startups no mundo como o principal instrumento de suas primeiras rodadas de investimentos. É chamado mundialmente de SAFE: “Simple Agreement for Future Equity”, em tradução livre, “Acordo Simples para Participação Futura”.

Esse instrumento é muito conhecido internacionalmente, porém é novidade em captações no Brasil. Quer conhecer melhor como ele funciona? Confira abaixo.

Principais Características

  • Valuation da empresa não definido

Na fase inicial de uma empresa, é difícil atribuir com precisão seu valor (Valuation) via metodologias tradicionais como fluxo de caixa descontado e múltiplos de mercado, muito porque geralmente existem poucos dados sobre esse tipo de empresa e o setor em que ela atua. É aí que um SAFE entra em jogo — é um instrumento de investimento que permite adiar a parte da avaliação do valor da empresa para o futuro, quando haverá mais informações e histórico do negócio disponíveis.

  • Participação definida na rodada futura de Série A

Toda startup busca crescer e se destacar no mercado em que atua. Nos seus anos iniciais, uma das opções para seguir neste caminho é realizar uma captação série A (será explicada em mais detalhes nas próximas seções).

  • Desconto no Valuation futuro

Esse tipo de instrumento beneficia e protege o investidor que entra na rodada, pois quando o valor da empresa for determinado, o investidor terá um desconto neste valuation futuro.

Como é classificada esse instrumento de investimento?

Assim como outros instrumentos de investimento em startups temos um contrato de “Mútuo Conversível”, que nada mais é do que um empréstimo em que o mutuário (investidor) tem a opção de, futuramente, converter o capital aportado em cotas de participação da empresa. Porém, diferente do modelo de “mútuo conversível tradicional”, o valuation e participação ofertada no “mútuo conversível SAFE” não é definido na rodada, e sim no futuro.

Por que as empresas utilizam esse modelo?

O modelo de SAFE existe para dar maior proteção aos investidores, pois o valuation da empresa só será definido em um momento futuro, em que a empresa estará mais madura e terá se provado no mercado (estágio mais fácil de ser quantificado). Esse momento futuro será quando outros investidores e players do mercado irão avaliar quanto a empresa vale.

Fazendo um paralelo para facilitar o entendimento:

Imagine que você é dono de uma galeria de artes e identificou um jovem e promissor pintor no mercado (empresa XYZ) e o convidou para expor suas obras em sua galeria. Seu intuito é investir nos quadros e ter a saída (venda do quadro) em 24 meses, pois seu comprador potencial seria grandes museus mundiais.

Porém, mesmo que o artista seja muito promissor por sua técnica inovadora, vendeu poucos quadros até o momento e ainda não tem muita visibilidade nesse mercado. Nesse caso, você teria duas opções:

1. Pagar um valor fechado pelo quadro agora, porém sem ter muita informação sobre esse artista; ou

2. Pagar 20%/25% a menos do que o museu de Londres pagará no futuro. Se o valor for muito alto, você pagará um limite predeterminado, e se o valor for baixo, pagará um valor mínimo também predeterminado.

A segunda opção parece ser mais interessante, não é? Ela é exatamente o SAFE.

Esse limite predeterminado (chamado de “Valuation Cap”) e desconto no Valuation são os dois principais fatores que tornam o SAFE atrativo para o investidor que entra em rodadas iniciais de investimento. Quanto maior o desconto, e menor o limite de valuation (“Valuation Cap”), maior será a possibilidade de retorno para o investidor.

O SAFE é um pouco mais complexo do que outros já utilizados no mercado brasileiro, porém é o mais utilizado em investimentos de startups globalmente, dado que traz muito mais proteção aos investidores e deixa a discussão de Valuation para rodadas futuras com maior valor envolvido, e quando a empresa estará em um estágio mais avançado e quantificável.

Quando ocorre a conversão do mútuo em cotas da empresa?

Há dois eventos que disparam a conversão do mútuo em cotas, sendo obrigatória a conversão (para o que ocorrer primeiro):

A primeira é a conversão após uma nova rodada de investimento série A.

Nesta fase, a empresa já definiu seu modelo de negócios e seu mercado, produtos/serviços e consumidores são conhecidos. Geralmente o objetivo das empresas nesta fase é impulsionar a escala de produção, otimizar distribuição, bem como expandir a atuação no mercado. Os valores de investimento em uma Série A no Brasil costumam ser superiores a R$ 5 milhões. Fundos Venture Capital e Private Equity são investidores que, geralmente, participam dessas rodadas e investem em startups nesse estágio, mas também é possível encontrar investidores pessoa física ou grupos de investidores anjo investindo esses valores.

Image for post
Image for post

Porém não será qualquer rodada série A que poderá disparar o gatilho do SAFE. Cada empresa que utiliza essa modalidade define alguns requisitos, sendo dois parâmetros mais utilizados: valor do aporte (quanto que será investido na rodada) e Valuation Pré Money (avaliação da empresa antes do valor aportado na rodada).

A segunda forma é no vencimento do contrato de mútuo (normalmente 24 meses).

Outro evento que pode disparar a conversão do investimento é a aquisição de mais de 50% da empresa por algum fundo/player do mercado, porém ela é menos comum.

E se a empresa não fizer nenhuma rodada que atenda aos requisitos definidos?

Caso a empresa tenha sucesso em executar seu planejamento estratégico sem a necessidade de uma rodada de investimento série A, o “SAFE” da empresa prevê, nesse caso, uma quantidade fixa de cotas para os investidores, protegendo o investidor em qualquer possível cenário.

Qual é o prazo médio de vencimento do SAFE?

O prazo médio de vencimento do contrato é de 24 meses, podendo ser prorrogado por mais 12 meses, quando em comum acordo entre as partes.

Se o investidor decidir não prorrogar o prazo por mais 12 meses, poderá escolher entre a devolução do mútuo corrigido a um percentual ou a conversão em cotas da empresa, sendo a decisão sempre dele.

Abaixo fazemos uma comparação entre o modelo tradicional e o modelo SAFE, respectivamente:

Image for post
Image for post

Quais são as possibilidades de retorno do investidor nesse instrumento?

O retorno do investidor está totalmente atrelado aos próximos eventos de liquidez da empresa, que irão determinar o valuation da empresa, e consequentemente sua participação. Os principais eventos que possibilitam retorno são:

Image for post
Image for post

Obs: Como a conversão do investimento acontecerá no futuro, normalmente o contrato do “SAFE” prevê uma taxa de correção do valor até o vencimento.

Quais são os riscos?

Assim como qualquer investimento em startups, o risco real que o investidor está exposto é a perda integral do valor investido, se a empresa não atingir a eficiência operacional desejada ou deixar de existir após o investimento. É um investimento de alto risco, já que não há como garantir que qualquer startup irá prosperar ou atingir os objetivos traçados. Dado a estrutura jurídica do mútuo conversível (que é considerado um empréstimo no momento do investimento), não há riscos adicionais de sucessão (trabalhistas, fiscais, ambientais, etc) e por isso não há aportes futuros obrigatórios em caso de encerramento das atividades.

O que é necessário prestar atenção nesse tipo de instrumento?

O SAFE é um instrumento mais complexo do que outras modalidades de investimento em startups. Por exemplo, diferentes empresas que oferecem SAFEs utilizam termos distintos para descrever a “rodada série A” — e outros parâmetros relativos à conversão. Por conta disso, abaixo listamos os principais pontos que devem ser analisados com atenção nessa modalidade:

  • Gatilho da Conversão: Normalmente as empresas utilizam o gatilho de uma nova rodada (com Valuation Pré Money e Valor de Aporte pré definidos) para a conversão do investimento, mas outro gatilho pode ser a aquisição de mais de 50% da empresa por algum fundo/player do mercado. É preciso estar atento ao mecanismo de conversão, e se ele está aderente com o mercado e empresa que você busca investir.
  • Valuation Cap: Um dos termos mais importantes nessa modalidade. Representa o preço máximo que o investidor irá pagar na conversão do título. Exemplo: Se investir numa rodada com um limite de Valuation de R$ 8 milhões, e mais tarde for avaliada em R$20 milhões, a participação que o investidor obterá será com base no Valuation de R$8 milhões, não o de R$20 milhões. Nesse caso, quanto maior for a avaliação da empresa no momento da venda, maior será a chance de aumentar o retorno do investidor.
  • Participação máxima e mínima a ser oferecida na rodada: Importante entender qual é o intervalo (valor máximo e o mínimo) que essa rodada poderá representar em participação. O valor final dependerá do valuation definido em uma próxima rodada.
  • Prazo do contrato: Normalmente o período do SAFE é mais curto que os mútuos conversíveis tradicionais, sendo 24 meses o prazo mais comum, enquanto os mútuos conversíveis podem chegar em até cinco anos.
  • Desconto no Valuation Futuro: Nas fases iniciais de startups, os valores praticados internacionalmente de desconto no Valuation futuro estão entre 5 a 25%.

E aí, o que achou?

Mesmo sendo um instrumento muito utilizada no Vale do Sicílio, ele é extremamente inovador em investimentos em startups no Brasil. A SMU Investimentos, por sempre buscar melhores oportunidades para seus investidores, foi a primeira plataforma de crowdfunding de investimentos a utilizar o SAFE em captações públicas no país. Se tiver interesse, entre no site e busque nas captações em aberto as empresas que possuem esse tipo de investimento.

Como plataforma 100% digital e autorizada pela CVM, a SMU é a única que investe em todas as ofertas da plataforma e conta com modelo próprio de análise por equipe com sólida experiência no mercado financeiro. Busca sempre empresas que já passaram por filtros de grandes investidores anjos, incubadoras e aceleradoras de renome, além de fundos de capital semente, exatamente para que o risco desse investimento seja o menor possível para os investidores.

Dentro da plataforma, você terá acesso a uma ferramenta exclusiva de simulação do potencial de rendimento dos seus investimentos, que deixa mais claro e tangível as diferentes possibilidades de retorno. Com base em indicadores de mercado, você pode simular online possíveis retornos de suas aplicações, tendo mais autonomia em suas decisões.

Além disso, após o investimento, você terá acesso a um dashboard que trará todas as informações disponibilizadas pela empresa tri e semestralmente, para acompanhar a evolução da empresa e de sua aplicação.

Por fim, é preciso estar sempre atento e cercado de informações de qualidade para tomar boas decisões e fazer bons investimentos. Conte com a SMU para tirar toda e qualquer dúvida sobre esse novo instrumento e o mercado de investimentos em startups.

Blog da SMU

Nossa paixão é financiar os grandes negócios do futuro via Crowdfunding de Investimentos.

Medium is an open platform where 170 million readers come to find insightful and dynamic thinking. Here, expert and undiscovered voices alike dive into the heart of any topic and bring new ideas to the surface. Learn more

Follow the writers, publications, and topics that matter to you, and you’ll see them on your homepage and in your inbox. Explore

If you have a story to tell, knowledge to share, or a perspective to offer — welcome home. It’s easy and free to post your thinking on any topic. Write on Medium

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store