Bo Burnham — what.


No dia 17 de dezembro de 2013 o comediante americano Bo Burnham lançou de graça no Youtube e no Netflix americano what., seu segundo especial de 1h de duração. Mas quem é Bo Burnham e por que você deveria conhecer seu trabalho?

Bo Burnham é um dos mais diversificados artistas da nova geração de comediantes. Seu material foge um pouco do padrão convencional a que estamos acostumados nos shows de stand up, e mistura números musicais, poemas, piadas one liners, entre outros recursos. Tudo isso já foi explorado por centenas de outros comediantes, mas Burnham tem uma voz própria que o permite navegar entre assuntos eruditos e idiotas, mas sem parecer idiota. Essa linha lembra um pouco (mas bem pouco mesmo) as performances de Steve Martin no tempo em que lotava estádios com seus shows de stand up.

Apesar de ter apenas 23 anos, Burnham já trabalha como comediante há mais de cinco, e nesse período já se apresentou no Comedy Central Presents; gravou, também pelo Comedy Central, o especial Words, Words, Words, que depois de ser lançado como disco de comédia conseguiu alcançar o topo da categoria Comedy Album na Billboard; escreveu e protagonizou Zach Stone is gonna be famous, série exibida pela MTV no ano passado, mas que por não conseguir bons índices de audiência foi cancelada após 12 episódios; e escreveu Egghead: Or, You Can’t Survive on Ideas Alone, livro de poesias bem humoradas com algumas ilustrações. Mais recentemente Bo Burnham passou a ser ainda mais conhecido pois conseguiu uma enorme visibilidade com seus curtos vídeos no aplicativo Vine, uma das sensações de 2013.

Voltando ao especial what., o que podemos assistir é uma aposta de um comediante que tem bastante potencial. A introdução de quase 7 min onde Bo apenas interage com sua própria gravação ao fundo, um pouco com a plateia, e onde mal abre a boca, nos prepara bastante para o que será visto no espetáculo.

Na primeira canção do show, chamada “Sad”, Burnham dispara suas piadas curtas sempre com algum tema de fundo triste, até chegar à conclusão de que o riso é a solução para acabar com a tristeza e que ser comediante é como ser um herói. A metalinguagem está muito presente em seu material, e por isso sempre que pode, Bo traz à tona questionamentos sobre a comédia e a profissão de comediante e da indústria do entretenimento. A escolha pela profissão está presente até em uma performática discussão entre os lados esquerdo (mais objetivo, centrado e analítico) e direito (mais sensível e emocional) de seu cérebro.

Alguns dos destaques de what. são as canções Repeat Stuff, em que Bo faz uma crítica sobre o quão genéricas são as músicas pop atuais (apesar de ser um tema já bastante explorado, até pra isso Burnham apresenta uma justificativa), e “Song From the Perspective of God”, onde Bo cantando como se fosse Deus, explica de um jeito muito interessante os motivos pelos quais nenhum de nós merece realmente ir pro céu.

O número de encerramento do show mostra que Bo Burnham tem uma excelente coordenação motora pra conseguir acompanhar a coreografia (que é um pouco complexa), mas é bastante longo e não chega a ser engraçado. Novamente Bo procura discutir — dessa vez de uma maneira mais sutil — sua profissão e os métodos que os comediantes utilizam para alcançar a fama.

What. não é um daqueles especiais que te fazem rir do início ao fim, como os do Louis CK, mas ainda vale muito a pena ser visto. Seu primeiro especial, Words, Words, Words é mais engraçado. Mas não é justo comparar comediantes de estilos e tempos de carreiras diferentes, e só usei essa comparação como desculpa pra mostrar esse vídeo do Louie se apresentando quando tinha 20 anos.

O que assistimos em what. é um comediante jovem e corajoso o suficiente pra produzir e lançar um especial de graça na internet, e que está tentando para explorar diferentes maneiras de se criar algo engraçado. A comédia precisa sempre de experimentação para encontrar renovação, mas infelizmente não é todo tiro que acerta completamente o alvo.

Originally published at sobrecomedia.com on January 8, 2014.

Like what you read? Give Eduardo Branco a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.