O humor nas manifestações


Nos últimos dias, temos acompanhado — com alguma apreensão — a onda de protestos e manifestações populares em diversas cidades brasileiras, reivindicando melhoras nos serviços públicos e reagindo contra malfeitos dos governos.

Analisando essas manifestações do ponto de vista do comportamento humano, podemos ver ali os modos diferentes que as pessoas utilizam para lutar por uma causa: Muitos protestam apenas andando e gritando palavras de ordem, alguns cantam, alguns agem com violência, outros sentam-se e impedem o avanço de policiais. Já alguns preferem protestar usando o humor.

Ao longos das coberturas dos protestos, pudemos ver algumas pessoas fantasiadas, como um rapaz que vestiu-se como a Misty (do desenho Pokémon) e pedia melhorias no transporte público por ter tido sua bicicleta roubada pelo Ash. Um outro cartaz convocava os jovens a saírem de um site de vídeos pornôs e irem para as ruas. Uma outra manifestante trazia consigo algo particularmente emocionante para mim: O mene “O cachorro da turma do deixa disso”, que criei há alguns meses.

Desde os protestos da Primavera Árabe até os episódios no Brasil, temos visto manifestações bem humoradas, irônicas e provocativas contra o status quo, e na minha opinião isso reflete um novo momento no cenário mundial: Com as pessoas cada vez mais ligadas às redes sociais e sites de compartilhamento de conteúdo, o humor é uma grande ferramenta de disseminação de ideias. Um cartaz com conteúdo divertido pode ser compartilhado em contextos diferentes do original e espalhar a mensagem original para muito mais pessoas do que um cartaz com discurso engajado e específico. Além disso, o humor é uma forma muito eficaz de unir as pessoas, de angariar a simpatia do povo e fazê-lo perceber e entender a situação na qual o humor está contextualizado.

Assim sendo, que continuem os protestos, que persistam até que as reivindicações sejam atendidas; e que o humor continue permeando as manifestações e ajudando-as a alcançar seus objetivos.

Originally published at sobrecomedia.com on June 18, 2013.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.