The Book of Mormon — UNIRIO


Aqueles que apreciam e estão acostumados com o humor de South Park conseguem perceber que a crítica à respeito dos assuntos abordados em cada episódio é muito mais profunda do que parece, e que a graça do desenho não está somente no fato de alguns personagens falarem muitos palavrões. A linguagem utilizada é apenas um recurso que ajuda a compor o humor negro exagerado e muitas vezes absurdo — mas completamente pertinente — de suas sátiras.

Para Trey Parker e Matt Stone, criadores da série, não existem vacas sagradas: judeus, cristãos, cientologistas, celebridades, Hitler, Jesus, tudo! Não há um assunto que eles considerem deixar de falar por medo de serem interpretados como politicamente incorretos. Na verdade eles parecem nem se importar com isso.

Logo após assistirem e adorarem o musical de marionetes “Avenida Q”, Trey Parker e Matt Stone decidiram chamar Robert Lopez, um dos criadores do espetáculo, para criar um musical. O tema escolhido foi um assunto que sempre despertou a atenção dos dois, e que recorrentemente aparecia no trabalho da dupla: os seguidores da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, mais conhecidos como Mórmons. Sete anos após a ideia inicial, em 2011 estreava na Broadway o musical The book of Mormon, que desde então já conquistou nove Tony Awards, incluindo o de melhor musical, é sucesso de crítica e público, tem suas sessões lotadas por onde é encenado, e já acumula um faturamento de mais de $200 milhões de dólares, segundo a revista Forbes.

Na última segunda-feira estreou na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) a primeira adaptação brasileira do espetáculo, realizada pelo Professor Rubens Lima Júnior através do projeto Teatro Musicado, e que conta com o apoio da própria UNIRIO e da Fundação Cesgranrio.

Tive a oportunidade de assisti-lo na estreia e o que vi foi incrível! Figurino, iluminação, coreografia, atuações, as adaptações, som, tudo muito bem feito e produzido, numa estrutura que não deve nada aos grandes musicais exibidos no circuito nacional. Mérito de uma equipe com bastante gente experiente e que se dedicou por mais de 6 meses para a execução do musical.

O Professor Rubens Lima Júnior merece os parabéns pela coragem em montar um espetáculo considerado tão polêmico — esse tipo de atitude que considero essencial para a evolução da comédia no Brasil — e por ser um grande fã de comédia, pois ano passado pelo mesmo projeto montou o espetáculo “Spamalot”, que é baseado no filme “Monty Phython and The Holy Grall”; e tem em seus planos montar em 2014 o musical “O Jovem Frankstein”, baseado no icônico filme de Mel Brooks.

Entrevista com atores Hugo Kerth e Leo Bahia, protagonistas do musical, e com o diretor Rubens Lima Júnior, concedida ao site “A Broadway é aqui“.

A história de The book of Mormon gira em torno dos personagens Elder Price e Elder Cunningham, dois jovens missionários que recebem a tarefa de ir para Uganda converter os africanos para sua religião, através do Livro dos Mórmons. A caricatura da ingenuidade e do otimismo com que os Mórmons enxergam a vida é brilhantemente composta. As atuações afetadas dos personagens que quase beiram o homossexualismo, são um tiro certeiro na hipocrisia religiosa diante de assuntos como a repressão sexual. Aliás, todas as piadas em The book of Mormon têm um alvo certo.

Ao chegarem em seu destino, Price e Cunningham encontram um povo que não está nada disposto a ouvir a palavra de Deus, pois além da miséria, precisam enfrentar um general sanguinário, o vírus da AIDS, uma onda estupros de bebês de gente que acredita que isso pode os curar do vírus da AIDS, mutilamento de clitóris de virgens, e mais uma série de problemas, que apesar de sérios, através das cativantes canções são retratados com a crítica e bom humor característicos dos criadores de South Park.

O sucesso de crítica do espetáculo é totalmente merecido, o que torna justificável a afirmação do Washington Post de que The Book of Mormon restaurou a fé nos musicais da Broadway.

The Book of Mormon — UNIRIO fica em cartaz até dia 21 de dezembro, com sessões de segundas as quintas, e também aos sábados, sempre as 21h. A entrada é gratuita e as senhas são distribuídas com 1h de antecedência. Quem estiver no Rio de Janeiro nesse período não pode perder a oportunidade de assistir um texto excelente, sendo muito bem executado.

FICHA TÉCNICA DO ESPETÁCULO

Direção: Rubens Lima Jr. Direção musical: Marcelo Farias Coreografia: Victor Maia Tradução e adaptação: Alexandre Amorim Elenco: Andrei Lamberg, Bruno Nunes, Caio Scot, Flavio Alvarenga, Gabriel Demartine, Giulianna Farias, Guilherme Serrão, Hugo Kerth, Isabela Vieira, Isabele Marinho, Larissa Landim, Leandro Montenegro, Leo Bahia, Luisa Vianna, Luiz Gofman, Marcus Brandão, Maria Penna, Mayara Ramos, Nando Brandão, Rayssa Bentes, Santiago Villalba, Tauã Delmiro, Vinicius Teixeira, William Sala. Temporada: De 25 de novembro até 21 de dezembro de 2013 Endereço: Av. Pasteur, 436, Urca, Rio de Janeiro — RJ Local: Sala Paschoal Carlos Magno — Centro de Letras e Artes

Para mais informações visite a página no Facebook do musical.

Originally published at sobrecomedia.com on November 27, 2013.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Eduardo Branco’s story.