The Comedy

Quando a indiferença toma conta da sua vida


Esses dias estava discutindo com um amigo sobre nossa condição no Twitter. Ambos temos perfis voltados para o cinismo, sarcasmo e ironia. E ele estava falando que desistiu de conversar sobre coisas sérias por lá pois ninguém mais o levava à sério. Tente transportar isso para a sua vida.

Pense na fábula do Pastorzinho e o Lobo (Olha o Lobo!) em que depois de muito mentir o pastor diz a verdade e ninguém mais acredita. Vivemos de certa maneira esta fábula por causa de um padrão de comportamento que sempre tendemos a levar e assim ele sempre é esperado. The Comedy mostra que Swanson e seus amigos são assim.

Swanson é um rapaz que leva uma vida sem sentido nenhum. Por ser de Williamsburg e ter família rica, ele pode levar a vida sem maiores preocupações e objetivos. Williamsburg é um ponto referencial da cultura hipster em Nova Iorque e Swanson é fruto desta cultura local. Além do mais, nosso personagem principal tem o pai em coma e é indiferente a esta situação.

Aliás, ele é indiferente a qualquer situação.

Lembro de uma cena em que um de seus amigos mostra vários slides com fotos de sua família e história de vida, algo que numa relação padrão de amizade seria natural haver interesse, porém, na relação apresentada no filme nenhum destes amigos se interessa por algo tão pessoal. Em outra cena, cada um destes brindam à amizade que eles mantêm mas já no começo nota-se uma ironia por trás de cada depoimento, fazendo com que no final você nem leve mais a sério. O filme é isso: o retrato da condição destas pessoas que não conseguem sair do cinismo. E mesmo que elas tentem, o ambiente já é imune a tentativas de afeição e seriedade.

Mais uma coisa que me chamou a atenção é: como as relações são superficiais mesmo quando há um nível absurdo de intimidade. A indiferença de todos os personagens perante eles mesmos é algo marcante e em alguns momentos você se identifica com aquilo. Nós todos somos egoístas, de certo modo. Muitas vezes não nos importamos com a vida dos outros. Muitas outras vezes mantemos relações íntimas e superficiais ao mesmo tempo. E o que eu vejo é que, mesmo com identificação, o egoismo e cinismo não deixam nenhuma das personagens mostrarem interesse. Tanto que a relação mais afetiva que Swanson tem é uma brincadeira de pega-pega com um menino desconhecido.

Muitos vão falar que The Comedy é 90 minutos de qualquer coisa. E é. Mas também é um retrato de uma condição que estamos cada vez mais habituados. Não é um retrato de uma geração. Mas chega bem perto.

Originally published at sobrecomedia.com on November 22, 2012.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.