Ylvis e o que a raposa tem a nos dizer


Na semana passada escrevi um artigo no qual citava alguns exemplos bem sucedidos da mistura entre música popular e a comédia. Há pouco mais de um mês caía de paraquedas na internet mais um fenômeno do gênero, o Ylvis com sua “The Fox (What Does the Fox Says?)”.

Com uma letra bastante boboca onde os rapazes falam sobre o som emitido por alguns animais, e depois se questionam sobre que tipo de som a raposa faz, um primeiro olhar despercebido no vídeo pode até dar a impressão de que eles estão realmente falando sério (o semblante dos caras é bastante convincente), isso até o momento em que eles começam a sugerir coisas absurdas para sair dos focinhos da raposas como Wa-pa-pa-pa-pa-pa-pow ou Ring-ding-ding-ding-dingeringeding.

Ylvis é o nome da dupla de comediantes formada pelos irmãos noruegueses Bard e Vegard Ylvisaker. Bastante famosos em seu país desde o início dos anos 2000 por conta de diversas aparições (musicais ou não) em programas de TV, em 2011 os irmãos Ylvisaker iniciaram um Talk Show próprio num canal de rede nacional, chamado “I Kveld Med Ylvis” (algo como “À noite com Ylvis”).

Com a nova temporada de seu programa se aproximando eles precisavam de algum material para promovê-la, foi aí que os dois tiveram a ideia de fazer uma música com o assunto mais absurdo possível e chamar a dupla de produtores Stargate — também noruegueses e famosos por lá, e responsáveis por hits de grandes nomes da música pop internacional como Rihanna, Shakira, Ne-yo, Beyoncé, Katy Perry e tantos outros — para produzi-la. A intenção humorística por trás do conceito era justamente a de chamar os maiores hitmakers que eles conheciam para fazer uma música pop pretensamente séria, e depois se desculpar em seu programa dizendo que tiveram as melhores oportunidades para se tornar um grande sucesso e as desperdiçaram, pois escolheram fazer uma canção questionando que tipo de som as raposas fazem. O tiro saiu pela culatra, mas felizmente ninguém saiu ferido.

Uma das coisas que impressiona no sucesso de “The Fox” é exatamente a quantidade de pessoas que interpretaram a canção como uma tentativa séria de incursão no universo da música pop. Não são poucas as reclamações de pessoas indignadas bradando coisas do tipo “Credo gente, se isso for o futuro da musica é melhor que acabe mesmo” (tirei esse comentário daqui), como se “The Fox” fosse tão diferente assim das músicas do David Guetta ou de outros artistas que escutamos nas rádios e que fazem músicas parecidas, e que na verdade são alguns dos alvos da piada dos irmãos nórdicos. Toda essa confusão talvez seja um dos potenciais fatores que transformaram “The Fox” em viral. Isso e o ritmo da música, que é realmente cativante e pegajosa.

A música sobre a raposa não é a primeira e nem a mais engraçada que os Ylvis cantam em inglês. Outras canções bem melhores já foram apresentadas como parte de seu programa de variedades:

Nessa aqui Vegard fala de sua frustração por não saber o motivo de alguém construir o Stonehenge.

Nessa outra os dois irmãos explicam literalmente quase tudo que dizem na música, e até falam sobre a acidez de uma vagina.

Nesse aqui Bard procura uma mulher que o aceite e compreenda seu amor pela música Dubstep.

A visibilidade obtida com “The Fox” fez os caras atravessarem o oceano para participar de Talk Shows americanos do calibre do Late Night with Jimmy Fallon e da Ellen Degeneres Show. Por conta do repentino sucesso internacional conseguido na internet, obviamente também surgem as comparações com outros casos parecidos, como o do coreano Psy em sua dancinha esquisita no vídeo “Gangnam Style“. Existem também os que já os chamam de The Lonely Island da Noruega, por causa da intenção clara que os grupos compartilham em unir humor à música.

Os irmãos Ylvis dizem não ter intenção em lançar um álbum para capitalizar o momento de fama, e nem parecem deslumbrados com o inesperado sucesso internacional, até por que sabem da efemeridade que possuem os cometas Harlem Shake que de vez em quando conseguem visibilidade na órbita da internet. Apesar disso assinaram um contrato com um braço da Warner Music na Noruega, e pensam na possibilidade de fazer uma turnê nos EUA. Por volta dessa mesma época no ano passado nos perguntávamos até onde o sucesso de Psy chegaria. Hoje já sabemos a resposta. Até agora ninguém conseguiu descobrir exatamente o que a raposa diz (imagina se eles soubessem que a girafa mal possui as cordas vocais?). Talvez ela não queira nos dizer nada, e só esteja abrindo o caminho para a fama dos sujeitos. Talento para sustentar uma carreira internacional os caras parecem ter, mas por quanto tempo esse sucesso durará só o tempo poderá nos dizer.

Originally published at sobrecomedia.com on October 16, 2013.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Eduardo Branco’s story.