Image for post
Image for post
Produção cooperativa é uma das bases do Distributismo

Distributismo: economia porque as pessoas importam

Pedro G. Menezes
May 3, 2017 · 7 min read

Existem muitas propostas econômicas para melhorar a renda, a produção, o bem-estar, enfim, a vida das pessoas. E quase todas podem ser classificadas entre o capitalismo totalmente liberal e o socialismo plenamente estatizante, ou então num certo grau situado entre estes dois extremos. No entanto, há outra forma de propor uma economia próspera, solidária e ao mesmo tempo baseada na propriedade e na livre iniciativa. Esta forma é o Distributismo[1].

O distributismo (também chamado de distributivismo) não é unicamente um meio termo entre capitalismo e socialismo — embora seja comumente descrito desta forma, com alguma precisão. Há muitos bons artigos que resumem o distributismo, sendo que dos melhores para aprender os fundamentos desta proposta econômica foi recentemente traduzido em português pela Sociedade Chesterton Brasil. Não irei repetir o que está lá, mas apresentar de outra forma, com outros detalhes. Nesta apresentação, preferi começar descrevendo o distributismo com uma frase:

O distributismo é uma proposta de organização econômica na qual os meios de produção devem ser distribuídos o máximo possível entre as pessoas.

Um dos sinais mais comuns para se medir a pobreza é a desigualdade de renda — normalmente expressa pelo coeficiente de Gini [2]. A ótica, portanto, é pelo ponto de vista da renda. Quase todo paradigma sobre pobreza e os meios de combatê-la ergue-se do ponto de vista da renda. As medidas do governo para diminuir o desemprego, os programas sociais e bolsas-família da vida, os vales-transporte e tíquetes-alimentação, os benefícios fiscais — tudo isso, no fundo, são políticas de redistribuição de renda. Praticamente nenhuma delas almeja redistribuir meios de produção, isto é, os meios pelos quais se gera a renda.

A renda é, numa frase, a remuneração dos meios de produção. Ela é um resultado da produção, e não os meios de se produzir. Meios de produção são coisas que usamos para produzir outras coisas (e em última análise, gerar a renda, a qual usaremos para consumir, para subsistência e previdência): máquinas, imóveis, ferramentas, terra, entre outras coisas. Podemos chamá-los genericamente de capital.

O objetivo do distributismo não é distribuir renda. Seu objetivo é distribuir capital.

Image for post
Image for post

Entre o capitalismo e o socialismo?

Como disse acima, muitos descrevem o distributismo como um sistema econômico que não é nem capitalista, nem socialista, mas algo entre os dois. É uma descrição válida. No entanto, prefiro descrever o distributismo de outra forma. Nele, há dois pressupostos importantes:

  • No distributismo, há propriedade privada dos meios de produção — isto é, o capital não fica na mão do Estado ou de entes coletivos, mas de pessoas particulares.
  • Como o capital é privado, o distributismo pressupõe a iniciativa privada.

Estes dois princípios bastariam para classificar o distributismo como capitalismo em sentido amplo: é uma economia baseada na propriedade privada do capital (e não estatal, social, coletiva, etc.) e que funciona em uma lógica de mercado, com livre iniciativa. No entanto, não se trata de um capitalismo totalmente liberal, lassez-faire, no qual a lógica de mercado é superior a todo o resto. Pois, se esta lógica é o objetivo último da economia, o capital acaba sendo acumulado na mão de poucos, chegando assim ao oposto do objetivo do distributismo. Como escreveu G.K. Chesterton, escritor inglês e um dos proponentes do distributismo:

“O problema do capitalismo não é que existem capitalistas demais, e sim que existem capitalistas de menos”.

Image for post
Image for post
Um moshav: vila agrícola cooperativa em Israel

Do menor para o maior

A família é a célula-mater da sociedade. Era o que se ensinava na escola, pelo menos na época em que eu estava na escola. É necessário para o bem-estar de todos que a família seja capaz de sustentar a si mesma.

Toda produção econômica e a renda dela proveniente deveria servir, em fim último, as famílias; e as famílias deveriam ser soberanas no sustento e nos negócios que lhes dizem respeito. A economia serve para dar sustento e prover segurança material. O objetivo da produção deve ser o provimento — não mais a produção, em ritmo e eficiência cada vez maior, que não serve diretamente às pessoas e suas famílias.

Portanto, as famílias têm autoridade total em seus assuntos e negócios, exceto naquilo que não podem resolver sozinhas — o que, por sua vez, está sob autoridade de um ente maior, a vizinhança. A vizinhança trata dos seus assuntos e delega outros maiores para a cidade, e a cidade para a província, e assim por diante, até o Estado nacional, cuja competência se restringe aos temas fora do alcance dos agrupamentos menores. Este é o princípio da subsidiariedade: o ente maior não interfere no menor. As famílias e os grupos menores devem viver com o mínimo de interferência de grupos maiores e mais poderosos: empresas, cidades, estados.

E quando precisamos ser melhores?

O distributismo surgiu da crítica à economia moderna, tanto socialista quanto capitalista, que causou uma separação (muitas vezes brutal) entre a força de trabalho do homem e seus meios de sobrevivência, entre trabalho e capital, e advoga o retorno a formas de organização pré-capitalistas, inspiradas nas guildas ou corporações de ofício.

Isso pode dar a impressão de que o distributismo é contra a produção eficiente, os sistemas financeiros, a especialização do trabalho e o avanço tecnológico, mandando as pessoas de volta para o campo e obrigando-as a produzirem a própria manteiga.

Trata-se de uma impressão equivocada, pois todas essas coisas — eficiência, sistema financeiro, especialização e divisão do trabalho, e avanço tecnológico — já existiam antes do capitalismo moderno. Este somente acelerou seu desenvolvimento, tendo como mote a acumulação infinita de riqueza. A proposta do distributismo é mudar o foco, da acumulação irracional (que, ironicamente, é o objetivo maior de um sistema dito plenamente racional) para o sustento abastado e autônomo de todas as pessoas.

E quando precisamos ser maiores?

O distributismo claramente favorece a pequena propriedade, o pequeno produtor, as empresas familiares. Esta é a forma mais direta de distribuir os meios de produção ao maior número possível de pessoas.

Porém, hoje vivemos em economias complexas, que produzem bens de alto nível tecnológico, como carros e smartphones, em fábricas gigantescas e com enormes montantes de capital. Dá para continuar com este padrão produtivo de ponta privilegiando os produtores de leite em agricultura familiar?

A resposta é sim: grandes empreendimentos com altos volumes de capital são possíveis com a distribuição da riqueza, por meio de cooperativas e empresas geridas pelos próprios trabalhadores. Deveríamos criar incentivos para que as pessoas se organizem em arranjos cooperativos, nos quais os empregados sejam proprietários do capital das empresas onde trabalham, e desestimular a acumulação de capital (em particular o capital especulativo) em pequenos grupos proprietários.

Image for post
Image for post
Corporación Mondragón, cooperativa sediada na Espanha

Não é utopia

Estas ideias podem parecer longe da realidade, mas o fato é que já são aplicadas em muitos lugares. Iniciativas que permitem o acesso ao capital a mais pessoas são, de certa maneira, distributistas. Cooperativas de trabalhadores, negócios familiares, fundos de microcrédito, seguradores para empreendedores, aceleradoras de startups, trabalhadores como acionistas e com representantes dos boards de suas empresas, agricultura comunitária, até a recente popularização da agricultura orgânica e do ato de comprar dos “produtores locais”: são todos exemplos comuns que utilizam ao menos alguns princípios do distributismo.

Há dois outros exemplos marcantes. A Corporação Mondragón, o 10º maior grupo empresarial da Espanha, é uma entidade composta por cooperativas. E, na Itália, na província de Emilia-Romagna — uma das mais ricas do país, cujo PIB cresceu o dobro da média nacional e ultrapassou o crescimento francês em 2016 — quase 15% dos trabalhadores atuam em cooperativas, gerando 16,5% da produção da província.

O distributismo nos traz um conjunto de fundamentos praticáveis numa economia de mercado, competitiva, com iniciativa privada e propriedade do capital. Ao contrário do sistema socialista, pode ser imediatamente aplicado a partir dos incentivos corretos, sem agigantar o Estado nem socializar a propriedade.

No distributismo, faz sentido dizer que as pessoas importam e que as pessoas se importam. Cada pessoa importa porque o sustento de sua família deve render-lhe mais do que somente o valor em horas do seu trabalho, principalmente se ela é remunerada apenas pela força do trabalho por uma parcela mínima da riqueza que seu trabalho gera. As pessoas se importam porque reconhecem sua contribuição para a sociedade, uma vez que cada uma delas possui parte do capital total e compreendem como essa parcela impacta as vidas de outras pessoas — é o princípio da solidariedade.

www.sociedadechestertonbrasil.org

Quer nos ajudar a manter esse trabalho e ainda receber conteúdo exclusivo?
Apoie a Sociedade: http://bit.ly/2nEzYH7

Notas:

[1] O distributismo foi proposto no início do século XX pelos pensadores ingleses Hilaire Belloc e G.K. Chesterton como uma alternativa econômica inspirada na Doutrina Social da Igreja, em particular na encíclica Rerum Novarum, do Papa Leão XIII.

[2] O coeficiente de Gini é a razão da curva de distribuição de renda (curva de Lorenz), a qual expressa a porcentagem da população que detém determinada porcentagem da renda total. Ele vai de zero (renda plenamente distribuída) a 1 (renda totalmente concentrada). O coeficiente de Gini do Brasil em 2016 foi calculado em torno de 0,52.

Sociedade Chesterton Brasil

Promovemos a obra do pensador G.K. Chesterton

Medium is an open platform where 170 million readers come to find insightful and dynamic thinking. Here, expert and undiscovered voices alike dive into the heart of any topic and bring new ideas to the surface. Learn more

Follow the writers, publications, and topics that matter to you, and you’ll see them on your homepage and in your inbox. Explore

If you have a story to tell, knowledge to share, or a perspective to offer — welcome home. It’s easy and free to post your thinking on any topic. Write on Medium

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store