Paralimpíadas? Representatividade? Hipocrisia? Falta de louça pra lavar?

Com a palavra, Cleo Pires! ❤️

Leia Mais: Redes Sociais e os “Mimimilitantes”: Como lidar com o maior mecanismo de censura já criado pelo homem?

Quando falta louça pra lavar, o negócio é ir pro Facebug procurar algo do que reclamar… E os floquinhos sempre encontram algo sobre o que reclamar!

Hoje em dia, é um ato de coragem tratar qualquer assunto social mais delicado na Internet, principalmente nas redes sociais. Os floquinhos de neve que se auto-intitulam "Guerreiros da Justiça Social" (mas que estão mais para um bando de gente sem louça pra lavar e com um copo gelado de Toddynho na mão…) estão sempre "vigilantes", buscando justificar sua existência sem razão e o enorme desperdício de carbono que suas vidas representam. Logo, torna-se um assunto delicado lidar com questões como representatividade e como encontrar formas de incluí-la na grande mídia hegemônica.

Na semana passada, a internet (ou melhor, o Facebook) amanheceu com um novo mimimi — digo — uma nova polêmica:

A escolha dos modelos para representar os atletas paralímpicos nas Paralimpíadas Rio2016!


Com a aproximação das Paralimpíadas Rio2016, e com a ingrata missão de aumentar a procura por ingressos para os eventos esportivos Paralímpicos, a revista Vogue Brasil decidiu fazer uma campanha, ao lado da agência África, divulgando o evento.

A campanha, que tinha o objetivo PRIMÁRIO de criar uma discussão sobre o tema, usou o Photoshop para “desmembrar” duas celebridades, Cleo Pires e Paulinho Vilhena, numa montagem sem um dos seus membros.

Lembrem-se do que eu coloquei em negrito:

Objetivo Primário da Campanha: Criar uma discussão sobre o tema!

Faltando pouco tempo para o início dos jogos, as empresas envolvidas, assim como todos os envolvidos, resolveram ousar e sair do "lugar comum politicamente correto chato pra caralho" e a Revista Vogue Brasil estampou no seu Instagram a foto dos atores Cléo Pires e Paulo Vilhena, que representam atletas reais: Bruna Alexandre (paratleta de tênis de mesa) e Renato Leite (paratleta de vôlei sentado). Além disso, os atores também foram nomeados “embaixadores da competição”.

Mais de 15 mil curtidas. Quase 6 mil comentários. Afinal: Eles cumpriram ou não o objetivo da campanha?

Boa parte dos ingressos para as Paralimpíadas ESTAVAM parados nas bilheterias. Até o início do mimimi — desculpem, polêmica. Após toda a discussão midiática acerca da campanha, que usa a hashtag #SomosTodosParalímpicos, a venda de ingressos DISPAROU!

Vamos ouvir o que a Cleo Pires, protagonista da questão, tem a dizer?

Resumindo:

  • Os artistas foram convidados a representar atletas, a pedido dos mesmos
  • A campanha foi ENDOSSADA pelo Comitê Paralímpico Brasileiro, e PELOS ATLETAS paralímpicos brasileiros
  • Essa campanha é para os atletas paralímpicos, que ficaram muito felizes com a visibilidade gerada pela campanha. Se você não é um atleta paralímpico e não ficou feliz com a campanha, FODA-SE: ela não foi feita para você!
  • Não há como representar uma pessoa sem um membro sem tirar o membro no Photoshop
  • Os embaixadores emprestam a imagem para a campanha visando ampliar a VISIBILIDADE da campanha. Os resultados falam por si.

Sabe porque a Cleo Pires ganhou o meu respeito nesse vídeo?

Porque como diz o Rafinha Bastos, emitir sua opinião num mundo chato e mimizento como este em que estamos vivendo, é um ato de CORAGEM!

Faço minhas as palavras do Rafinha Bastos: A internet virou um lugar CHATO PRA CARALHO!

Mas então, por que não usar os próprios atletas?

A maior crítica que circula na internet é: por que fazer uma montagem com atores famosos ao invés de pegar os próprios atletas para representar a causa?

A própria Cleo Pires disse no vídeo: outras campanhas já foram feitas com os próprios atletas. E geraram visibilidade ZERO! Se o objetivo era criar uma conversação acerca da representatividade e da importância do apoio de todos ao esporte paralímpico (lembram do objetivo da campanha?), nada mais acertado do que usar a imagem dos embaixadores, com a anuência do Comitê Paralímpico Brasileiro e dos ATLETAS paralímpicos! Logo, não há NADA ERRADO na campanha, em absolutamente nenhum contexto.

E, para finalizar, fechando com chave de ouro, olha o que diz a Carta Olímpica (Documento que normatiza uma série de aspectos de ética e conduta dos atletas e paratletas antes, durante e depois dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos):

A Regra 40 da Carta Olímpica limita a participação dos atletas que competem nos Jogos Olímpicos em campanhas publicitárias durante o evento. A regra determina que:
“Exceto com a permissão do Comitê Olímpico Internacional, nenhum competidor, treinador, árbitro ou qualquer pessoa que integre oficialmente a delegação do país pode permitir que sua imagem, seu nome ou desempenho seja utilizado para fins de propaganda durante os Jogos Olímpicos”.
Fonte: www.olympic.org/Documents/olympic_charter_en.pdf
Assunto encerrado, floquinhos!
Podem voltar a gritar "Não vai ter Golpe!"

E se fossem os atletas na campanha?

Novamente, conforme as palavras da própria EMBAIXADORA Paralímpica, outras ações foram realizadas, em outras circunstâncias, usando atletas paralímpicos, sem resultados.

Logo, eu pergunto:

Será que se fossem os atletas paralímpicos nessa imagem, o Brasil inteiro pararia para discutir e dar atenção?

Só a comoção que a campanha causou já pode ser considerado um ENORME sucesso, já que levantou a bandeira das paraolimpíadas que ainda tem uma enorme quantidade de ingressos para serem vendidos.


Por que você não aproveita essa sua indignação e faz alguma coisa DE VERDADE pelos Atletas Paralímpicos?

Comprar Ingressos para os Jogos Paralímpicos Rio2016(tm)
E aí, vamos coçar o bolso e ajudar DE VERDADE os Atletas Paralímpicos ou vocês só querem encher a porra do saco?

Não adiantava "dar oportunidade e visibilidade" a atletas paralímpicos. Isso não surtiria efeito absolutamente nenhum.

Eu DESAFIO QUALQUER UM AQUI — sem consultar o Google — a me dizer quem são, como se parecem ou quais foram as trajetórias e os feitos esportivos dos atletas Bruna Alexandre e Renato Leite.


Você não sabe PORRA nenhuma deles.
Você nem os conhece.
Você é um hipócrita de merda!

Obviamente, ninguém sabe NADA a respeito deles. Simplesmente porque no Brasil, país de gente hipócrita por natureza, o que importa mesmo é ter do que reclamar. A Bruna e o Renato não são a questão aqui. A questão é que tá na moda reclamar de tudo. Mesmo que você não tenha PORRA NENHUMA a ver com o assunto e que não saiba ABSOLUTAMENTE NADA a respeito do que está se passando.

Essa é a maldita e hedionda "Geração Só a Cabecinha"

Os fins justificam os meios?

Nesse caso, foi MAIS do que justificável: foi PLANEJADO. E o objetivo FOI ALCANÇADO!

A África, junto com a Vogue, sabem que estamos vivendo numa onda da Ditadura do Politicamente Correto, e usou (manipulou, eu diria) essa onda contra os próprios defensores do "Politicamente Correto" (que, na prática, é censura escancarada!)

Sim, a ação gerou discussões, incômodos ou até mesmo repulsa? Provavelmente. Mas, indiscutivelmente, o choque gerado pela campanha gerou atenção e sentimentos, colocando em evidência a causa dos atletas paralímpicos e fazendo as pessoas dedicarem tempo para "discutir" sobre o assunto.

Neurocientificamente, eu diria que a campanha foi um SUCESSO, pois ativou dois pontos fundamentais em nosso cérebro: ATENÇÃO E MEMÓRIA!

ASSUNTO ENCERRADO!



Agora eu convido você, que leu esse texto, a compartilhar com a gente um pouco das suas impressões:

O que você achou da campanha? Tem uma visão divergente e gostaria de colaborar trazendo uma nova forma de ver a questão? Tem alguma percepção diferente que gostaria de compartilhar com a gente?



Gostou?

Então ajude este texto chegar a outras pessoas clicando no ícone ❤️ e compartilhando em suas redes sociais… É fácil, e vai ajudar MUITO, tanto a mim quanto às pessoas que precisam ler sobre o tema que discutimos aqui! 😍

Obrigado

=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=

Renatho Siqueira

Consultor de Marketing e Comunicação em Meios Digitais

Professor de Pós Graduação e MBA

CRA-RJ: 03–01398 / SinproRJ: 61.884–5

renatho@renatho.com.br / www.renatho.com.br

(21) 99959–0800 / (21) 98231–5231

“Marketing é satisfazer as necessidades do cliente.” — Kotler

“Marketing é tão básico que não pode ser considerado uma função isolada. É o negócio inteiro, cujo resultado final depende do ponto de vista do cliente.” — Drucker