Reality Show de Pólo Aquático

Eu fui selecionada para participar de um reality show de pólo aquático (olha o espírito olímpico aííííí, geeeeente). Eram 18 pessoas “comuns” e 6 atletas da seleção MUNDIAL de pólo aquático. No treino, eu nadava em uma piscina limpa, funda e deliciosa. E cara, eu era um filhote de Phelps de tanto que eu nadava. O único problema é que eu mergulhava para nadar e quando voltava à superfície para respirar, eu tinha invadido a raia ao lado, que era de outro participante. E o meu treinador gritava muito, coisas como “concentra na sua raia”, “para de invadir a raia dos outros que você vai mais longe”. Beleza.

A primeira prova foi o Desafio Harry Potter: você tinha que mergulhar na piscina e ganhava quem aguentasse mais tempo sem respirar. Ganhei fácil essa. Detalhe: eu nunca li os livros e nem assisti os filmes do Harry Potter e fiquei bem chocada quando uma amiga me contou que rola uma parada dessas num capítulo do Harry Potter, que eles precisam segurar a respiração num lago para escapar de uma magia.

A segunda prova foi a Bola Furada. Cada um dos participantes recebeu um pacote dos Correios com uma bola de pólo aquático dentro. Eu e mais cinco participantes recebemos as nossas bolas detonadas, rasgadas com uns forros de algodão saindo para fora. Quatro desses participantes nem foram fazer a prova por se sentirem injustiçados com a bola que receberam. Só eu e o Tucson (esse era o nome do cara) que fomos com as bolas ferradas. Mas como o Tucson era da seleção mundial de pólo aquático, ele sabia consertar a bola, então eu fui a única a competir com a bola rasgada. O que a gente não sabia é que apenas quem competisse com a bola “furada” é que estava participando de verdade da prova. E ganhava quem soubesse lidar melhor com a bola daquele jeito. Ou seja, já entrei campeã naquela piscina. Observação: eu não consigo pensar nessa prova nem ler esse parágrafo sem rir muito.

O reality já estava no papo e era só eu ir bem no último desafio para poder treinar por uma semana com a seleção mundial (esse era o prêmio). A Prova do Balde era o seguinte: a gente tinha que encontrar baldes pelo alojamento, ir até a piscina, encher o balde, atravessar o salão de festas com o balde cheio e despejar em uma mini piscina com os nossos nomes. Ganhava a piscina que estivesse mais cheia no final da noite. O maior desafio era passar pela festa sem parar por ali. Era um lugar muito legal, open bar, open food, pessoas puxando papo, pista de dança. Era realmente difícil focar na prova. Sem contar que ninguém sabia que aquilo era uma prova, então os convidados pensavam que a gente estava com o balde para fazer faxina. Por isso, metade dos participantes nem quis participar dessa prova. (até no sonho precisamos lidar com babacas, sometimes). No final, estava empatado entre eu e quem? Tucson ♥. Mas aí ele falou que o prêmio poderia ser meu, afinal ele já estava na seleção mundial. Fui campeã e acordei mega ansiosa para ir treinar pólo aquático.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.