O que aprendi ao ser uma jovem fã de MC Livinho

Era uma chuvosa noite de verão. Eu estava num restaurante com amigos. O Gustavo “Suza” Suzukime informa no Whatsapp que foi adicionado por engano num grupo de discussão de meninas de 14 anos fãs do MC Livinho. Eu não sabia quem era esse MC, Suza muito menos. Ele já estava socializando com as meninas, informando-as de que não era uma de suas amigas e sim um marmanjo de quase 30 anos, mas que queria saber mais. Eu também queria, pedi pra ser adicionado.

Primeiro, vamos ver como estava a socialização do Suza no grupo:

Começou honesto, humilde

Precisei me inteirar da obra de MC Livinho e fui atrás de umas músicas que o Suza recomendou. Minha favorita é Mulher Kama Sutra, que conta com uma apropriação de In The Hall of The Moutain King na batida.

Por mais que essa canção demonstre que o guri sabe cantar (e o clipe o traje muito bem com um terninho alugado pra casamento em buffet) ela não traz o conteúdo lírico sexualmente explícito pelo qual ele é mais conhecido e adorado pelas gurias de 14 anos do grupo de Whatsapp. Talvez Na Vara exemplifique melhor.

O que eu achei mais engraçado e impressionante porém, foi conhecer isso pelas conversas de garotas de 14 anos. Não sei explicar a sensação de ver diversas garotas citando letras sobre “grelo molhado” e varas, contrações vaginais voluntárias ao lado de emoticons de coração, carinhas chorando, etc. É o ápice do romance que “o love” (como elas chamam Livinho) demonstra em suas letras.

Gaby Carvalho, criadora do grupo, descreve as letras como “vulgares, mas perfeitas”.

Vou colar aqui alguns momentos curiosos e/ou engraçados que lembrei de registrar com a função de screenshot do celular, mas acho importante ressaltar que a gente ria dessas conversas lembrando que todos já tivemos 14 anos e tivemos conversas tão ridículas (ou piores). Só porque não existia MC Livinho na sua época não quer dizer que a maneira como adolescentes interagem com seus ídolos seja diferente hoje. Pra mim o MC Livinho é só mais Backstreet Boy: um ídolo para adolescentes que serve como um ícone de expectativas românticas e/ou sexuais quando elas estão formando essa parte de suas personalidades. É estranho? É, mas acho que é porque a gente ficou velho.

Agora curta muito esses momentos:

Foram vinte e quatro horas interessantes observando as conversas e de vez em quando interagindo. O tempo inteiro sabendo que uma mãe desconfiada ia achar bem estranha a presença do Suza e minha ali.

Obrigado às Linvinhas/Livináticas/Livinhanáticas por sua hospitalidade, paciência com os não iniciados e por não me expulsarem do grupo quando falei que não gostei das letras e músicas do MC Livinho, mas gostei da voz do guri.