Então você não gosta de feriados?

Porque podemos curtir os feriados sem culpa

Poucas vezes compartilharam tanto um link com o @startupdareal no twitter quanto fizeram com o texto do “Growth Hacker”, Raphael Lassance.

O texto é uma declaração de ódio aos feriados e a ideia de que o feriado é um grande vilão da economia brasileira, que trabalhamos pouco e por isso nossa produtividade é baixa.

Leia aqui na íntegra.

Quando isso acontece, é preciso ter um pouco de calma e não avaliar o conteúdo na emoção.

Nem tudo que parece ruim é de fato um problema tão grande assim. Mas não é o caso do texto do Raphael, que tenho certeza, ficará mais feliz do que triste por ter seu nome citado num texto por aqui.

Mais trabalho é menos produtivo

Eu gosto de feriado.

Sério. Gosto muito.

Não tenho vergonha de falar isso.

Meus chefes sabem disso. Meus colegas de trabalho também.

Eu não apenas gosto de feriados, mas tenho decorado todos os que vão acontecer pelo resto do ano.

Ao contrário do que sua visão limitada dá a entender, nem de longe feriados representam uma perda no faturamento. E eu nem estou falando de todo comércio que é aquecido com feriados: shoppings, restaurantes, cinemas, feiras e todo um enorme modelo de negócio que ganha com o entretenimento e movimenta nossa economia.

Estou falando do seu próprio negócio, do seu próprio cliente.

Me dei ao trabalho de fazer algumas pesquisas e descobri que a partir de certo ponto na relação horas trabalhadas x produtividade, existe na verdade, uma queda da produtividade e aumento nos custos de operação.

Depois de um determinado número de horas, o nível de distração e estresse dos trabalhadores aumenta e os erros começam a acontecer. Longas horas de trabalho estão diretamente associadas a erros, acidentes e afastamento por doenças.

O mesmo estudo levanta uma pergunta curiosa: por que empregadores insistem em escalar profissionais para turnos exagerados mesmo quando não existe ganho nisso? Mesmo quando isso representa uma queda no rendimento— dado o aumento dos custos.

Com minha experiência no mercado de trabalho, a hipótese é que a maioria dos empregadores simplesmente não se importam.

Existe um notável comportamento que pode ser observado a medida que o nível hierárquico aumenta dentro de uma empresa. Neste caso, não estou nem falando do empregador — dono do negócio — em si.

A partir do momento em que um funcionário é responsável pela contratação e gestão de um time, enxergando-se como chefe, é possível observar algumas ações voltadas exclusivamente para demonstrar superioridade, uma espécie de aplicação empresarial da voz de comando militar.

É nítido que, para muitos chefes, a única coisa que importa mais do que lucros e resultados, é mostrar quem manda.

A discussão sobre os danos causados por trabalhar demais não é um problema novo. Como mencionei neste outro texto, Thoreau já discutia os problemas do trabalho excessivo lá em 1854:

“A excessiva lida torna-lhe os dedos demasiado trêmulos e desajeitados para isso. Na realidade, o trabalhador não dispõe de lazer para uma genuína integridade dia a dia, nem se pode permitir a manutenção de relações mais humanas com outros homens, pois seu trabalho seria depreciado no mercado.”

O ponto esquecido pelas pessoas que veneram o trabalho, é que trabalhar mais de 39 horas por semana causa reais danos a saúde. Eu sei que ainda é surreal pensar numa rotina para a maioria dos trabalhadores que seja menor do que 40 horas semanais. Eu mesmo trabalho muito mais do que isso, mas na contramão que você propõe, eu não acho isso nada bonito.

Sua política de trabalhar 365 dias por ano não é só ruim. Ela é nociva e prejudicial para seu negócio, seus clientes e as pessoas que estão à sua volta.

Eu, particularmente, duvido que você trabalhe tanto quanto diz, Raphael. Para mim é só mais um showzinho desses que faz do Linkedin a representação de tudo o que existe de mais errado no mundo corporativo.

Mas se realmente trabalha tanto, diria para seus clientes redobrarem o cuidado ao analisar o trabalho que você e sua equipe entregam.

O brasileiro trabalha pra caralho

Não sei quem você acompanha, mas o Brasileiro padrão trabalha para caralho.

Você faz uma enorme confusão que, pelo princípio da caridade, vou assumir que foi pela sua falta de fluência na escrita. Mas nas respostas que li, você usa essa mesma confusão para esquivar dos argumentos.

Você começa falando de trabalhar mais — em termos de horas e dias — e depois tropeça, falando sobre produtividade e trabalhar melhor. Inclusive você menciona — o que foi grande alvo de polêmica — que o trabalhador médio americano produz 4 vezes mais que o Brasileiro.

Apesar de ver as notícias colaborando sua afirmação, é bem difícil encontrar a tabela de dados para ver quais são os métodos utilizados para aferir isso. Eu, como alguém de exatas, gosto bastante de olhar para os números e fazer minhas próprias considerações.

O que pude entender é que esses dados são a relação entre horas trabalhadas e produto interno bruto dos países. Ignorando — completamente — tudo que existe no meio.

Para quebrar um pouco essa ideia, vamos voltar ao foco da questão, horas trabalhadas:

Dando uma pesquisada encontrei alguns dados sobre o quanto as pessoas trabalham — horas /ano— em outros Países:

Japão: 1729 horas

Canadá: 1703 horas

Itália: 1719 horas

Estados Unidos: 1789 horas

Brasil: 1711 horas

Costa Rica: 2212 horas

Alemanha: 1366 horas

Não preciso continuar uma tabela para demonstrar que não existe correlação direta entre horas trabalhadas e maior produtividade. Pelo contrário, o pais mais produtivo do mundo é Luxemburgo, que trabalha 1512 horas por ano.

É importante enfatizar sua confusão entre horas trabalhadas e produtividade para dizer que tudo bem curtir um feriado. Não são mais horas trabalhadas que vão fazer a produtividade do Brasil aumentar.

Podemos discutir o investimento das empresas na capacitação dos seus funcionários — que pasme, é um dever da própria empresa, já que os ganhos são revertidos no seu próprio lucro — , o processo burocrático do país e o pouco investimento dos empresários brasileiros em equipamento e tecnologia. O que podemos ver, realmente são as causas dessa diferença tão grande entre horas trabalhadas e produtividade do país.

Imagine quanto de produtividade um programador não ganha com um computador que executa os códigos 20 vezes mais rápido do que um equipamento ruim? Ou uma fábrica com um maquinário de ponta capaz de produzir 10 vezes mais?

Só que é mais fácil — e mais bonito para postar no Linkedin — colocar o peso nas costas do trabalhador.

Sabemos que quem está na rede social do trabalho quer impressionar e agradar os donos de empresas.

Mas não precisamos entrar nesse outro aspecto da discussão, já que foge do núcleo central da sua crítica, o famigerado #feriadao.

A necessidade do #feriadao

Sua postagem menciona férias e os finais de semana como tempo para descansarmos. O que pareceria justo, se não fosse a visão quase infantil de tão simplista.

A maioria das pessoas não descansa nos finais de semana. Acredite ou não, a maior parte da população não tem empregadas domésticas e todos os moradores da casa trabalham para ajudar na renda.

O mais comum é usar os finais de semana para cuidar da casa, fazer faxina, pequenos ajustes em partes danificadas e resolver problemas de ordem burocrática. Conheço poucas pessoas que tem o luxo de olhar para o final de semana como verdadeiro descanso. Sem falar nos que estudam — graduação, mestrado ou doutorado — que usam o tempo para colocar as atividades em dia.

O final de semana dá no máximo para acordar mais tarde e se programar para um passeio com a família ao final do dia, mas só depois de fazer tudo o que precisa ser feito.

É inocente pensar em alguém que agradece por um feriado como sendo preguiçoso. É possível que, para muita gente, o feriado seja o verdadeiro dia de descanso do ano. O dia onde — com sorte — não existe nenhuma outra obrigação a ser feita.

Isso, é claro, se você não tem filhos.

Existe toda uma dimensão além do trabalho e das atividades de casa que precisa ser vista com clareza. Queremos nos relacionar com nosso par romântico, ir ao cinema de mãos dadas e jantar olhando nos olhos.

Queremos fazer as coisas com calma.

É importante, como seres humano e membros de uma sociedade, sentar junto com todas as pessoas que gostamos e passar algum tempo de qualidade, rindo de bobagens e sem preocupação com tempo. É ver o filho crescer, participar das preocupações de quem amamos e nos dedicar a nutrir nossas relações mais valiosas.

É também importante que as pessoas tenham seus hobbies e atividades que acrescentem a elas como seres humanos. Correr maratonas, fazer crossfit, montar quebra-cabeças, jogar xadrez, videogame ou paintball são atividades que podem ter extrema importância para o desenvolvimento de qualquer pessoa.

O ser humano é mais do que alguém que repete tarefas e executa trabalhos, é alguém que pensa e se realiza com suas conquistas e objetivos pessoais.

Não conheço sua história Raphael. Muito menos sei como são suas relações íntimas. Mas o que podemos observar, é que pessoas que sustentam um discurso como o seu normalmente moram sozinhas, não convivem com pessoas de fora do círculo profissional e, na maior parte do tempo, se afundam no trabalho como fuga para outros problemas e frustrações.

Pode não ser isso, mas para o leitor que concorda com o discurso do Raphael, preste atenção em como é sua vida e nas outras dimensões que está deixando de priorizar.


Se você curtiu o texto, não esqueça de seguir o @startupdareal no Twitter, dar 50 claps no texto e compartilhar o conteúdo no seu Linkedin.