O que existe por trás da bolha Bitcoin

Porque evitar apaixonados e ignorar especialistas

Startup da Real
Mar 6, 2018 · 14 min read

Assim como praticamente todo debate que vemos nos dias de hoje, o mercado de criptomoedas também se tornou uma arena cheia de paixões e visões polarizadas.

É uma difícil tarefa encontrar uma opinião que caia no meio termo. Os apaixonados apontam que tudo está bem e os resultados serão incríveis. Só não vai ficar rico quem não quer, diz um otimista. Já os especialistas em economia—que confesso, nutro bem pouco afeto — dizem que tudo não passa de uma clássica bolha e está com seus dias contados, prestes a estourar.

Como em todo movimento polarizado, argumentos são abraçados apenas pela identificação com o lado defendido, ignorando os fatos, as nuances da situação e, mais ainda, as óbvias incertezas.

Para entender melhor o que está acontecendo no mundo das bitmoedas, precisamos olhar um pouco para o passado e entender de onde vem o dinheiro.

O que é dinheiro?

É muito difícil identificar o que nos diferencia dos outros animais. Como humanos, carregamos essa leve superioridade quando pensamos sobre —quase tudo — outros seres vivos. Não há muitas dúvidas para quase ninguém. Temos essa certeza interior de que somos seres mais evoluídos que habitam esse planeta azulado.

O historiador Yuval Noah Harari, em seu livro Sapiens, sugere uma boa hipótese sobre o que separa o Homo Sapiens do demais seres que habitam a terra.

Para Harari, a diferença entre nós está na capacidade humana de acreditar em ficções. Somos naturalmente capazes de acreditar em ideias abstratas e apostar caro no que elas representam.

Dificilmente convenceríamos um Rhinocerotidae a trocar seu dia no pasto por uma nota de R$ 100. O valor abstrato representado pelo dinheiro não significa nada para um rinoceronte. No entanto, como seres humanos, essa troca não soa apenas óbvia, mas pode chegar à extremos impressionantes.

Não só confiamos que um papel marrom com uma onça impressa vale o mesmo que comida ou roupas, como em alguns casos acreditamos que, por estar escrito num livro, podemos sacrificar o curso de nossa vida física pela promessa da felicidade eterna no paraíso.

Independente da crença, sabemos que em hipótese alguma você conseguiria convencer um pinguim a trocar o peixe que está comendo, pela chance de ganhar 72 peixes maiores quando morrer.

Religiões, leis, direitos humanos e tudo o que não é materialmente objetivo, são ficções fruto dessa capacidade humana de criar histórias e acreditar em fundamentos que não são tangíveis, conceitos que só possuem valor de acordo com a história que contamos sobre elas.

Com sistemas monetários não é muito diferente, uma nota de dólar só tem valor enquanto o sistema acredita nesse valor.

É também por isso, que o preço final das moedas acaba oscilando. O preço do dólar sobe quando o fluxo de compra aumenta, e cai quando o interesse é reduzido. Aqui fora um cigarro não vale muita coisa, mas é de impressionar o que dá pra comprar com alguns cigarros dentro de uma penitenciária.

As primeiras formas de dinheiro que surgiram precisavam estar vinculadas a algo físico material. Na Suméria, 3000 a.C, grãos de cevada eram usados como meio de troca para adquirir produtos. Os estoques de Sila, mais ou menos 1 litro de cevada, podiam ser trocados por óleo, cabras, alimentos e até escravos.

O tempo passou e produtos com valor objetivo — grãos podem ser consumidos, por exemplo — foram dando espaço para moedas com cada vez menos valor inerente.

Da prata na Mesopotâmia, passando pelas primeiras moedas marcadas por reis, até as cédulas e moedas de cuproníquel como conhecemos hoje, o valor foi distanciando-se do que chamamos de lastro — o equivalente em “riqueza física” garantindo o dinheiro — e assumindo um valor cada vez mais abstrato.

Até não muito tempo o total monetário em circulação era equivalente ao montante em ouro disponível, mas hoje a ideia de lastro já é um princípio que se perdeu.

O que de fato lastreia uma moeda é seu puro potencial — abstrato — econômico.

Quando muita gente aponta que Bitcoin e todas as centenas de bitmoedas que estão surgindo por aí não são dinheiro de verdade, estão cometendo o erro de achar que o dólar, o real ou a libra são de fato reais.

O mundo é mais confuso do que parece

Quando ouvimos alguém bem sucedido contando sua história, todos os pontos encaixam-se perfeitamente. É como se tudo o que a pessoa fez, todos os movimentos, fosse parte de uma elaborada estratégia que só poderia ter o sucesso como resultado.

De trás pra frente, podemos contar a história de uma forma que ela faça sentido, assim como vemos nos blockbusters de Hollywood. Uma história desconexa não esgota bilheterias, não vende livros e não lota auditórios.

Um exemplo recente de como contamos histórias na ordem inversa para tentar dar sentido aos caóticos acontecimentos foi a corrida presidencial dos Estados Unidos, em 2016.

As previsões sobre as chances de Donald Trump ser eleito eram as mais pessimistas. Os grandes veículos estimavam algo próximo de 1%, enquanto outros, ainda mais arrogantes, estimavam que as chances do empresário eram nulas, 0%.

Nunca esqueça disso
Essa mais ainda

No dia 9 de Novembro de 2016, Donald Trump venceu a favorita Hillary Clinton na confusa eleição norte americana, nos ensinando uma importante lição sobre nossa capacidade de previsão e análise estatística. As vezes somos pegos de surpresa e aquele 1% de chance acontece.

Mas como não sabemos lidar com a confusão e aceitar o desconhecido, rapidamente inventamos uma história. Agora, de trás pra frente, a eleição de Trump tem uma perfeita explicação. Pode pesquisar. Da noite para o dia, todo mundo tinha uma boa explicação para algo que ninguém acreditava ser possível.

Criamos uma narrativa convincente para justificar algo que ninguém de fato sabe como aconteceu.

O fato é que o mundo é confuso e sofre influência de mais elementos do que nos damos conta. A incompreensão de como as coisas são mais complexas do que parece nos dá a ilusão de que podemos prever acontecimentos.

Para explicar um pouco melhor o problema da precisão em realizar previsões, preciso repetir o que fiz no texto sobre estar acima da média e entrar numa explicação um pouco mais técnica.

Para a celebração de aniversário do rei Oscar II da Suécia e Noruega, em 1889, foi organizada uma competição de Matemática —acho que os esportes não eram tão emocionantes. O vencedor da competição, que recebeu a mais alta honraria cientifica da época foi o matemático/físico francês Henri Poincaré.

Poincaré venceu com um texto explicando a dinâmica do sistema solar, com uma explicação para o chamado Problema dos Três Corpos.

O conceito é simples: dado 3 corpos celestes, como por exemplo três estrelas próximas, a tarefa era descrever o movimento entre elas calculando com precisão — dada velocidade e posição inicial — sua posição e velocidade em qualquer ponto no futuro.

Quem fez ensino médio deve lembrar que dois séculos antes de Poincaré, Isaac Newton já havia proposto uma solução para um problema parecido, como vimos ao estudar a Lei da Gravitação Universal.

Mas Newton nos dá ferramentas apenas para trabalhar com dois corpos celestes, mas quando uma terceira peça entra em jogo, a dificuldade é outra.

O que Poincaré demonstrou na premiação foi que num sistema solar simples com apenas dois corpos —simplificação newtoniana — é fácil prever perfeitamente a posição e velocidade dos corpos, mas adicionando um terceiro corpo, mesmo que seja pequeno, sua influência inicial não será percebida, mas a longo prazo essa interação produz uma influência desastrosa.

Poincaré é um dos grandes responsáveis pelo que hoje conhecemos como Teoria do Caos.

Para entender melhor como uma nova variável pode afetar nossa capacidade de previsão em sistemas dinâmicos, o matemático Michael Berry, em 1941, computou algumas informações utilizando uma mesa de sinuca.

Sabendo informações básicas sobre a bola de sinuca em repouso, como a resistência da superfície da mesa e a força do impacto inicial, é fácil prever a trajetória na primeira tacada. A segunda tacada tem um grau de dificuldade maior, mas ainda é possível.

A coisa muda de figura conforme a distância da previsão e a influência das variáveis aumenta. Para prever a nona tacada, é necessário considerar a atração gravitacional exercida por alguém em pé ao lado da mesa — Berry usa um adulto de 75kg como base. Não complicado o bastante, para a previsão do 56º impacto, é necessário considerar literalmente todas partículas do universo.

Fazer previsões e projeções é um negócio muito mais complicado do que se aceita normalmente, mas é preciso saber matemática para compreender essa ideia. Aceitá-la exige compreensão e coragem.

— Nassim Nicholas Taleb

Nosso costume de simplificar os eventos contando histórias depois que aconteceram nos traz a falsa sensação de que sabemos exatamente o que causou cada resultado. Essa confiança nos faz ignorar o grau de complexidade do mundo e tudo o que pode influenciar cada pequeno evento, trazendo a ingênua impressão de que podemos prever o futuro.

Ainda não entendemos as Bitmoedas

A previsão feita por economistas de que o Bitcoin é uma bolha prestes a estourar é feita olhando para o passado, com base no que sabemos até o momento sobre economia, incentivos e investimentos.

É por isso que quando bolhas reais surgem, pegam todos de surpresa. Algumas pessoas podem até estimar que vai acontecer, mas aqueles que direcionam as grandes decisões econômicas e influenciam as apostas do resto do mundo estão sempre cegos demais repetindo os mesmos erros.

Toda previsão econômica sofre desse viés. Olhamos para o passado, fazemos comparações e projetamos o que podemos esperar do futuro com alguns leves ajustes. O resultado é o que Nassim Taleb chama, em A lógica do Cisne Negro, de problema do peru.

Um peru de ação de graças é alimentado por mil dias antes de ser abatido para as festividades. Todos os dias seu cuidador aparece milagrosamente e repete o ritual de alimentá-lo.

Da perspectiva do peru, todos os dias são bem parecidos. Levando em consideração os dias que viveu, a ave consegue olhar para trás e dizer com precisão estatística que, com base no histórico, é certo que seu cuidador irá aparecer no dia seguinte e tudo seguirá normalmente.

Nosso peru de ação de graças economista ignora os limites do seu conhecimento. Acorda no milésimo primeiro dia confiante de que será como todos os outros. Mas a motivação do seu criador no dia de hoje não é a de alimentá-lo.

Suas previsões deram certo até que uma variável desconhecida surgiu.

Como simples humanos, somos muito ruins em identificar os limites do nosso conhecimento. Gente famosa e que precisa soar inteligente em noticiários e reuniões de negócio trazem esse mesmo problema de uma forma ainda mais agravada, são péssimos em assumir tais limites.

Qualquer pessoa que trabalhe realizando previsões deve ser relembrado constantemente que, a medida que suas previsões dão certo, as chances de fragilizar o sistema pelo excesso de confiança começam a subir.

“Mas em toda a minha experiência nunca estive em nenhum acidente… de qualquer tipo digno de menção. Só vi uma única embarcação em perigo em todos os meus anos no mar. Nunca vi um naufrágio nem nunca naufraguei, tampouco enfrentei qualquer contratempo que ameaçasse terminar em qualquer tipo de desastre.”

- E. J. Smith, 1907, capitão, RMS Titanic

Aqui menciono exaustivamente economistas, já que são famosos por darem opiniões exageradas e carregadas de um alarmante excesso de confiança. No entanto, quando falamos de bitmoedas, economistas e apaixonados cometem o mesmo erro, apenas apontando para extremos opostos.

Ignore economistas…

O mercado de bitmoedas ainda é um confuso para todo mundo. Como cuidadosamente ilustrei, o mundo é muito mais confuso do que as simples variáveis que conhecemos e temos controle.

Economistas famosos precisam produzir materiais para jornais e revistas venderem. E quando não existe uma conclusão definitiva sobre o assunto, mas seu trabalho é emitir uma opinião forte, é preciso inventar uma história para contar.

Comparações com a bolha das tulipas, afirmações de que trata-se de um esquema de Ponzi e várias outras análises confusas que existem na internet — lugar onde mais existe jovem confuso — são de forma geral ingênuas e precipitadas, baseadas ainda na pouca noção do que o futuro traz para este novo modelo de investimento.

É inegável que o número de criptomoedas que surgiram no último ano é elevado. E mais ainda, que metade dos ICO evaporou deixando muita gente no prejuízo.

Podemos até dizer que lançar um novo ICO no mercado tem sido uma prática para ganhar dinheiro fácil, já que os fundadores se beneficiam da super valorização inicial. O que neste caso bem específico até poderíamos comparar com um esquema de Ponzi.

Mas não podemos comparar todas as bitmoedas, principalmente as menores e em fase inicial, com as grandes e aparentemente consolidadas, Bitcoin e Ethereum. Cada moeda deve ser considerada individualmente, tanto como forma de investimento, quanto no risco que podem trazer com base em quem desenvolve.

Assim como nas moedas tradicionais e outros investimentos, as bitmoedas podem, de fato, perder todo seu valor da noite para o dia. Risco que deveria ser óbvio para qualquer pessoa que já pensou alguma vez sobre qualquer investimento.

No entanto, quando alguém diz que vai investir em dólar americano ou euro, ninguém aponta o desvalorizado dólar do Zimbabwe, onde o montante de 175 quatrilhões zimbabuanos chegaram a valer apenas 5 dólares americanos, para argumentar que pode ser um negócio ruim.

Você não comprava um fandangos com essa nota

Como no câmbio convencional, o investimento em criptomoedas deve ser observado individualmente. Assim, não precisaríamos ficar tão surpresos quando o responsável por uma das maiores bitmoedas do mercado nos diz isso.

…mas não dê ouvidos aos apaixonados

Os apaixonados pela febre das bitmoedas também não prestam um grande favor. Suas análises — com bem menos teoria econômica e muito mais interesses pessoais — são exageradamente otimistas.

De análises gráficas tendenciosas, baseadas na média de um período para afirmar que a tendência ainda é de alta, comparativos com gráficos de tendências de valorização de empresas, e outros tipos de análise bem ingênua. O objetivo dos apaixonados tem sido convencer as pessoas de que as Bitmoedas são o investimento do futuro.

Grande parte das pessoas com grande poder de influência que advogam a favor de alguma vertente de criptomoeda, usa seu poder público para influenciar altas e baixas, lucrando com a expectativa de quem segue seus conselhos.

Suas opiniões nem sempre são livres deste interesse oculto.

Os grandes fóruns e comunidades sobre o assunto são repletos de pessoas controlando opiniões e direcionando flutuações em benefício próprio. Gente que muitas vezes nem acredita no potencial de longo prazo, mas sabe que agora podem direcionar uma boa quantidade de pessoas e ter um bom retorno imediato.

Repetindo o erro dos economistas, mas na direção oposta, entusiastas ignoram os potenciais riscos e influenciam outras pessoas a fazerem o mesmo. A arrogância de achar que conhece as variáveis ocultas pode causar danos financeiros muitas vezes irremediáveis.

A expectativa de que o modelo se consolide e transforme os que chegaram primeiro em milionários é um contágio difícil de evitar.

De compra direta, sem uma corretora como intermediária, até mineração caseira, não é difícil observar cenários onde muito dinheiro vem sendo perdido por pura crença num cenário extremamente otimista.

Assim como cada queda brusca que o Bitcoin sofre funciona como troféu midiático para os economistas reforçarem suas certezas pessimistas, cada nova alta na recuperação do Bitcoin vira uma sequência de posts apaixonados, repetindo os que acreditam ainda ficarão muito ricos.

Ambos os cenários ignorando inclusive que transações em larga escala costumam ser feitas pelas próprias corretoras e grandes empresas, mudando a tendência e aquecendo o mercado para que consigam lucrar.

Os apaixonados interpretam cada novo ICO, principalmente quando vindo de grandes empresas referência como um forte sinal de que o futuro é positivo. Como se grandes empresas não fizessem decisões ruins e não tentassem aproveitar tendências de mercado em busca de lucro.

Risco como bússola para decisões

Desde o ano 2000 aconteceu algo próximo de 16 sequestros à aviões comerciais. Incluindo os que levaram ao ataque de 11 de setembro em 2001 no World Trade Center. Ainda partindo do mesmo ano, foram realizados aproximadamente 400 milhões de voos comerciais.

Numa conta de padaria, podemos estimar que as chances de ter um avião sequestrado é algo perto de 0.000004%, dez vezes menor do que as chances de ser atingido por um raio.

Mesmo sabendo que as chances são baixas, o investimento em segurança nos aeroportos não param de crescer, nos levando a curiosa pergunta: por que alguém investiria cada vez mais dinheiro para evitar algo que já é praticamente impossível de acontecer?

Lembre-se do problema do peru.

Decisões não devem ser tomadas com bases nas chances de algo ruim acontecer, mas no tamanho do impacto caso aconteça. Como vimos com o peru de ação de graças, o Titanic, a gravidez da sua prima Júlia e todas as bolhas econômicas da história, algo que possui uma chance estatisticamente nula de acontecer, ainda acontece.

Quando pensamos em riscos, a forma como abordamos as questões muda bastante. Sabemos que eventos extremos, estes que escapam às estatísticas, normalmente causam grandes impactos, sejam eles positivos ou negativos.

Sabemos também que um avião sequestrado pode representar a morte de milhares de pessoas. O risco de um sequestro é alto o suficiente para justificar o investimento. Mesmo as chances sendo praticamente nulas, o impacto caso aconteça é estrondoso demais tanto para as vidas perdidas, quanto para o mercado de aviação.

A mesma visão baseada em riscos deve ser adotada por quem dissemina informação sobre investimentos em criptomoedas.

Os economistas que possuem potencial de influenciar investidores e empresas com capital, devem considerar o tamanho do potencial de ganhos caso o modelo se consolide de verdade. O risco de não ganhar, neste caso, pode ser alto.

Já no caso dos apaixonados, que são grandes influentes de pequenos investidores e indivíduos que planejam pedir demissão, vender o carro, usar o dinheiro rescisão e a poupança da filha para investir no sonho de ficar rico, o cuidado é ainda redobrado. Para o indivíduo comum, um conselho exagerado pode significar perder tudo o que juntou na vida.

Se alguém te convidasse para viajar, dizendo que as chances de mudança climática podem variar entre -10º e 32º Celsius na mesma semana, você pensaria muito bem em se assegurar para cada um dos cenários.

No entanto, se a estimativa for uma variação entre 20 ºC e 25 ºC, suas escolhas serão bem diferentes.

Cada um dos extremos da discussão envolvendo criptomoedas defende um espectro bem extremo e oposto de um potencial de variação para as bitmoedas. Mas assim como na variação climática, existe uma extensão que não conseguimos prever com exatidão.

No entanto, se decidir entrar nessa viagem, é melhor se garantir que está bem protegido. Caso contrário, pode morrer congelado ou não conseguir curtir o sol na praia.


Se você curtiu o texto, não esqueça de seguir o @startupdareal no Twitter, dar 50 claps no texto e compartilhar o conteúdo no seu Linkedin.

@startupdareal

Os bastidores do circo empreendedor

Startup da Real

Written by

Os bastidores do teatro empreendedor

@startupdareal

Os bastidores do circo empreendedor