O que significa estar acima da média?

Não se preocupe em ser medíocre

Educação é um tema frequente em conversas envolvendo entusiastas de empreendedorismo. Pelas claras deficiências no modelo tradicional, o sistema de ensino é um fácil alvo de críticas e questionamentos de quem tenta vender um modelo alternativo.

O gatilho do discurso é simples: se você concorda que isso tudo está errado, eu tenho a solução perfeita. É claro que a solução normalmente vem de pessoas que simplificam demais o conceito de educação e não compreendem o tamanho da dificuldade que é definir um modelo alternativo, que contemple toda a população e que seja eficiente em todos os aspectos.

Uma das críticas mais comuns ao modelo educacional convencional é que tratam indivíduos como se fossem todos iguais, não reconhecendo as óbvias diferenças que existem entre cada pessoa. Somos todos diferentes, diz o empreendedor que tenta solucionar o quebra cabeça da educação.

Você já deve ter ouvido o esse argumento:

“Um aluno pode ser bom em matemática e se destacar por isso, mas o outro que é ruim na mesma matéria mas desenha bem não terá seu talento valorizado”

Apesar de não concordar com o motivo, a frase acima é verdadeira.

As escolas — de fato — buscam educar dentro de um conceito de média, o que invariavelmente remove o valor individual de cada aluno.

Onde nasceu l’homme moyen

Em 1718, no livro The Doctrine of Chances, o matemático francês Abraham de Moivre descreveu uma ideia que mudaria drasticamente a forma que enxergamos o mundo.

Realizando um experimento de cara ou coroa, Moivre identificou que uma distribuição binomial adquiria uma suave curvatura conforme o número de eventos aumentava. Quanto mais recorrente um evento, mais ele se acumula abaixo da curvatura e se isola dos eventos mais raros.

Explicando assim parece complicado, mas você vai reconhecer o desenho.

Curva Gaussiana, curva na forma de sino ou distribuição normal

The Doctrine of Chances teve um grande impacto nos conceitos de probabilidade e estatística, mas a responsabilidade de usar a curva em forma de sino para tentar nivelar seres humanos não está na conta de Moivre.

Foi o belga Adolphe Quételet quem desenvolveu o conceito do homem fisicamente médio, o chamado l’homme moyen. O problema central do pensamento de Quételet é que sua ideia girava em torno de encaixar o mundo dentro de uma curva em forma de sino, e para ele, isso significava definir o que é normal ou comum, deixando de lado a influência que eventos incomuns e extremos causam para a definição de média.

Falando em termos de matemática a ideia parece confusa, mas todo mundo que já sentou num boteco entende que a média — com frequência — é uma demonstração injusta de um cenário, e quase sempre traz uma informação errada sobre um evento.

Mário Santos e a curva gaussiana de boteco

No happy hour da última sexta-feira, Mário Santos combinou de sair com os amigos da firma. Quinto dia útil do mês e pagamento na conta, é hora da recompensa pelo mês trabalhado.

Mário e seus cinco colegas de trabalho estavam bebendo no boteco da esquina. Todos tinham gostos similares, Brahma gelada descendo e frango à passarinho era o suficiente para que todos ficassem por ali até o fim da noite.

O ritual era o mesmo de toda primeira sexta do mês. Tudo seguia tranquilo até que William, conhecido de Mário, chegou para se juntar ao grupo.

William era diferente. Não bebia cerveja e não gostava de frango à passarinho. Com um papo legal, se misturou com o pessoal da firma e começou sua maratona de vodka com energético. Como não gostava de beber de estômago vazio, pediu também um parmegiana com porção extra de fritas.

Na hora de pagar a conta, William sugeriu que dividissem tudo igualmente. Ah, todo mundo comeu e bebeu, divide por todo mundo. Odeio ficar vendo quem pediu o que.

O problema é que, se William não tivesse aparecido, a divisão igual de todos seria realmente justa. Todos comeram e beberam as mesmas coisas e em quantidades similares. No entanto, cada drink que o conhecido de Mário pedia custava o equivalente a três cervejas.

Uma conta de bar que toda sexta feira dava algo próximo de R$ 100, dessa vez ficou em R$ 260. A média de consumo dos 5 amigos, sem William, É 20 reais. Com o William o total da divisão é de R$ 52 para cada um.

Assim como na explicação anterior sobre a Quételet, um evento extremo distorce o significado da média. A média deixa de representar a alta recorrência de um evento.

O mesmo erro costuma ser visto em conversas sobre o aumento da expectativa de vida. Quem nunca ouviu que, com a tecnologia, a expectativa de vida das pessoas aumentou? A falha, neste caso, está na forma que a expectativa de vida é mensurada.

O que chamamos de expectativa de vida é, na verdade, a abreviação para Média de Expectativa de Vida. A expectativa de vida não era menor, no passado, porque seres humanos viviam menos. Na verdade, se um adulto passasse dos 30 anos, ele viveria mais ou menos o mesmo que vive hoje.

A média de expectativa de vida era mais baixa por outro motivo: com a medicina bem menos desenvolvida, a mortalidade de bebês com menos de 1 ano era muito grande, arrastando o cálculo de média para baixo.

Em um exemplo grosseiro, se para cada pessoa que chegou aos 80 anos existirem cinco bebês mortos antes de completar um ano de vida, a média de expectativa de vida fica próxima dos 14 anos. A medida que menos bebês morrem, a expectativa de vida total da sociedade aumenta.

Para explicar a ideia em forma de conselho: se um rio tem em média 1 metro de profundidade, é melhor não atravessá-lo.

Você não é medíocre

Um dos comportamentos nocivos que podemos observar em entusiastas do sucesso é a tendência de definir os outros como medíocres. Quando questionados, abrem o sorriso amarelado no canto da boca e dizem: ué, medíocre é de médio, quem está na média.

Reconhece essa curva?

Na época que Adolphe Quételet levantou o conceito de homem médio, outro grupo de pessoas estava em busca de uma teoria, a aurea mediocritas, uma média dourada dos atributos comuns à todos os homens. Essa teoria serviria de base para sustentar alguns princípios ideológicos desenvolvidos na época.

Um dos membros desse grupo, influenciado pelas teorias de Quételet, foi o marido de Jenny von Westphale, autor do famigerado Das Kapital, o alemão Karl Marx.

A ideia de que existe uma média que contemple a maior parte dos humanos é uma forte base para o pensamento socialista.

Sem refletir muito sobre o que dizem, pessoas que enchem o peito para falar seja acima da média, não seja medíocre, acabam reproduzindo um modelo de pensamento que, minutos depois, estarão criticando.

Tudo isso levanta uma longa pergunta: por que alguém que questiona o modelo educacional por tratar os alunos dentro do princípio de média, apontando que somos todos diferentes e que devemos valorizar nossas características individuais, volta atrás para tratar todos como medianos? Definindo um pequeno grupo como especiais por serem fora dessa tal suposta curva média?

Mas e os High Performers?

Quando alguém diz que é um Top Performer, ou que você não pode ser medíocre e deve ficar acima da média, vemos uma vício cognitivo em ação. Para quem sustenta o discurso, estar acima da média é alcançar o que ele considera valioso.

Para o entusiasta do sucesso, você só está fora da curva normal se for bilionário, famoso ou bem-sucedido — dentro de sua visão bem específica de sucesso.

Quem lembra das aulas de matemática do ensino médio sabe que, um gráfico cartesiano bidimensional, representa algo (x) em função alguma coisa (y). Ao transformar uma ideia que pode ter inúmeras dimensões num gráfico bidimensional, fica claro que estamos simplificando uma narrativa para contar a história mais conveniente.

Mais curvas gaussianas vendendo sucesso

Quase toda ideia reformulada para se encaixar na curva gaussiana parece fazer sentido. Quando paramos para pensar, soa verdadeiro que existam algumas pessoas bem ruins, várias pessoas compondo um grupo mediano e outros poucos na elite que compõe os melhores.

Mas medianos, piores e melhores exatamente em que parâmetros?

Organizar ideias em curvas com forma de sino é tão tentador que acaba tornando-se um forte vício cognitivo. O economista britânico Francis Ysidro Edgeworth batizou a mania de aplicar a curva gaussiana em todos os domínios de Quételesmus.

No bestseller, A Lógica do Cisne Negro, livro que serviu de base para este texto, Nassim Nicholas Taleb tem um capítulo inteiro sobre como a curva gaussiana é utilizada para criar ideias equivocadas sobre o funcionamento do mundo. Taleb chama a curva gaussiana de A Grande Fraude Intelectual.

When you see it

Assim como no exemplo sobre a educação no começo do texto, podemos sem dificuldades entender a falha em dizer que alguém é medíocre ou está acima da média. Uma narrativa como essa só poderia funcionar sendo demasiado específico e em comparações muito grosseiras.

O coach que vende dicas para você acordar mais cedo, definir uma rotina matinal e entrar no mindset de alta produtividade, certamente não considera Dona Silvia, diarista que desce a Rua Itajubaquara todos os dias 4:30 da manhã, só com um café preto no estômago, limpa sete apartamentos no dia e volta para casa quando o Jornal da Globo está começando, uma profissional de alta performance.

Da mesma forma, o pai que abandonou o emprego para cuidar dos gêmeos, vira madrugada faz 8 meses, passa o dia cuidando dos filhos e mantendo a casa em ordem, é visto com desprezo nas rodas de conversas dos amigos engravatados.

É possível fazer um livro só com exemplos de gente que acorda cedo, trabalha muito e gera excelentes resultados no que faz.

Gente que do ponto de vista do vendedor de sucesso, são medíocres, mas não precisam de rotina mágica para fazer seu trabalho, café com manteiga para ter energia ao longo do dia e, muito menos, rebaixar as outras pessoas para sentir-se superior. Mas que, para quem vende sucesso, só é high performance se o que fizer deixar rico ou famoso.

Update: fiz outro texto respondendo uma pergunta bem comum em relação a este texto, leia aqui.


Este conteúdo faz parte do Este livro não vai te deixar rico, uma coletânea com os melhores artigos do Startup da Real para você ter sempre com você ou presentear seus amigos.

http://bit.ly/livro-startupdareal

Para ajudar na iniciativa Startup da Real, confira a página do Patreon e colabore como puder.

Se você curtiu o texto, não esqueça de seguir o @startupdareal no Twitter, dar 50 claps no texto e compartilhar o conteúdo no seu Linkedin.