Tudo que você precisa pensar antes de falar sobre Meritocracia

A polarização está manipulando suas opiniões

Simplesmente por ler a palavra meritocracia no título deste texto você já deve ter inúmeras ideias prontas sobre o tema. Você sabe exatamente como defender seu ponto de vista independente de qual lado da discussão esteja.

Dentro do movimento moderno que incentiva a linha de pensamento voltada para o sucesso e empreendedorismo, meritocracia é quase uma religião por si só. A ideia que ouvimos de praticamente todos os autores e pessoas influentes do assunto é: o mundo está cheio de oportunidades, olha como este vendedor ambulante acreditou e hoje é rico, basta você se esforçar e acreditar nos seus sonhos que com seu próprio mérito você vai vencer também.

Mas como chegamos em tanta polêmica com um pensamento tão simples? O que existe de errado com a ideia de que o mundo, as pessoas, o mercado e empregadores irão me valorizar se eu fizer tudo com o maior empenho possível?

A importância dos jogos de linguagens para os diálogos

Uma coisa verdadeira dita de maneira pobre é uma mentira
— Christopher Hitchens

Um dos momentos mais importantes da minha vida foi encontrar um filósofo chamado Ludwig Von Wittgenstein. Suas obras e a forma que aborda o uso da linguagem modificaram completamente minha comunicação, como eu lido com as pessoas a minha volta e como apresento minhas próprias ideias.

Mais ainda, mudaram a forma como eu enxergo o mundo.

Para quem estudou filosofia de forma acadêmica, é normal dividir Wittgenstein como dois filósofos diferentes, mas seu assunto comum pode ser resumindo em: entender quão facilmente a comunicação entre duas pessoas acaba dando errado.

O que podemos chamar de primeiro Wittgenstein tem como resultado o importante trabalho chamado Tractatus Logico-Philosophicus e a ideia central desta obra é uma simples pergunta:

Como seres humanos são capazes de transmitir ideias entre si?

A solução de Wittgenstein para essa questão, quando foi apresentada, foi vista como revolucionária. Para ele, palavras ativam imagens em nossas mentes, ou como descreveu "palavras criam imagens dos fatos".

Uma negra
E uma criança nos braços
Solitária na floresta
De concreto e aço
Veja
Olha outra vez
O rosto na multidão
A multidão é um monstro
Sem rosto e coração
Ei, São Paulo
Terra de arranha-céu
A garoa rasga a carne
É a Torre de Babel

Quando eu cito Nego Drama, dos Racionais MCs, visualizar cada uma das cenas construídas pelas palavras é inevitável.

Ao final do trecho, você é capaz de imaginar uma mulher negra com bebê de colo no meio de São Paulo. Os edifícios sufocantes, pessoas passando sem olhar ou se importar e, mais ainda, sentimos o cenário frio e acinzentado.

Para o primeiro Wittgenstein, as palavras têm a função de ilustrar os fatos em nossas mentes. Partindo dessa ideia, o motivo das conversas darem errado seria basicamente porque somos muito ruins em criar boas imagens e transferi-las para outras pessoas.

Outro agravante ainda maior surge quando as pessoas que recebem nossas palavras criam imagens diferentes do que tentávamos transmitir.

Sabe quando você diz para seu marido que encontrou no bar um grande amigo dos tempos de escola? Você pode ter visto de relance e acenado de longe, sem muita conversa. Essa pessoa foi alguém que você nunca teve interesse e nem achava bonito, mas seu marido ainda assim cria uma distorcida imagem em cima dos fatos apresentados.

No fim, a ideia que primeiro Wittgenstein trazia com seu trabalho é que as pessoas devem escolher melhor as palavras que usam e serem mais cuidadosas quando se comunicam.

Wovon man nicht sprechen kann, darüber muß man schweigen

Sua icônica frase, famosa até os dias de hoje, nos lembra: aquele que não sabe o que dizer, deve permanecer em silêncio.

Ou no português mais objetivo de Osasco: meça suas palavras, parça.

Wittgenstein acreditava que o Tractatus era a última obra de filosofia que precisaria ser escrita. Afastou-se da academia e passou a trabalhar como arquiteto. No entanto, em 1929, o filósofo retornou para Cambridge com alguns novos pensamentos sobre o problema da comunicação, escrevendo o livro que só foi publicado após sua morte, a obra chamada Investigações Filosóficas.

Apesar de abordar tópicos similares ao Tractatus Logico-Philosophicus, sua perspectiva sobre os problemas muda radicalmente. É por isso que existe essa divisão em tratar as duas fases do mesmo autor como ideias bem distintas.

Wittgenstein não pensa mais em palavras como a troca de imagens entre pessoas, mas como ferramentas que usamos para participar de Jogos de Linguagem. Jogo aqui não está no sentido literal, e pode ser interpretado de forma mais objetiva como padrões de intenções.

Quando vou visitar um parente terminal no hospital e entre as lágrimas nos abraçamos e eu digo que vai ficar tudo bem, não estou dizendo literalmente que ele será curado dessa doença. O Jogo de Linguagem que estou envolvido não é "Previsões Racionais com Base nos Fatos Disponíveis", o meu padrão de intenção é outro. Estou no jogo "Palavras Como Instrumento de Conforto e Segurança.”

O que estou transmitindo não é que ele será curado e ficará tudo bem, mas que apesar disso, estamos todos ali dando o apoio necessário.

Para o segundo Wittgenstein, conflitos de todos os tipos acontecem quando não somos capazes de entender o jogo que a outra pessoa está envolvida.

Outro objetivo de Wittgenstein em Investigações Filosóficas era demonstrar como grande parte do entendimento sobre nós mesmos depende da linguagem que outras pessoas desenvolveram e que são capazes de expressar sensações muito íntimas, que só compreendemos porque conhecemos uma forma de descrevê-las.

Nós brasileiros sentimos Saudade de forma que um simples "I miss" não seria capaz de expressar. Em outro exemplo, preferimos usar Burnout para descrever um esgotamento mental muito mais intenso do que uma simples tradução literal poderia indicar. Todas essas são palavras que usamos para obter uma identificação muito íntima de quem somos e como estamos nos sentindo.

Às vezes optamos por palavras em outro idioma simplesmente por expressarem com outra intensidade, para nós, o que estamos tentando dizer.

Conheça Mário e Juliana

Mário Santos terminou o ensino médio antes de completar 18 anos. Como decidiu ser médico, sabia que não iria entrar logo de cara. Prestou o primeiro vestibular como forma de adquirir experiência, mas já se inscreveu num curso preparatório para garantir o futuro.

Nos anos seguintes o desafio foi grande. Estudou praticamente 8 horas por dia, sem contar as aulas do cursinho. E como aluno dedicado, nunca faltou a uma aula.

Mas não foi fácil. Mário não obteve aprovação no primeiro vestibular que prestou. Demorou mais duas tentativas até que finalmente conseguisse sua vaga em Medicina numa Universidade Federal, mas em outra cidade.

Mário passou os 6 anos morando longe da família e estudando 14 horas por dia. Se formou Médico e fez o cursinho para conquistar uma vaga na residência, ele vai ser Neurologista.

Corta a cena.

Quando Mário Santos descreve sua própria trajetória, explicando que a renda de mais de 100 mil reais por mês é merecida, ele não tem como deixar de lembrar dos colegas de cursinho que preferiam sair para beber ao invés de assistir aulas, dos que riam da quantidade de horas que se dedicou aos estudos e dos plantões de 36 horas que fazia sem remuneração durante o internato.

Em sua avaliação pessoal, ele possui mérito pelos seus ganhos. Esforçou-se mais do que seus pares e hoje consegue desfrutar de uma vida de bastante conforto.

Mas aqui entra outro personagem.

Juliana Silva subiu a ladeira da rua Comendador Antunes dos Santos todos os dias durante quase 10 anos. Perto da terceira série do ensino fundamental, teve a sorte de conseguir uma vaga numa boa escola pública, pelo menos melhor do que sua escola antiga.

Nossa personagem fez até o terceiro ano do Ensino Médio na Escola Estadual Deputado João Sussumu Hirata, mas sua mãe não deixou que pensasse no vestibular.

A mãe de Juliana trabalhava como diarista e, desde cedo, a filha saía da escola e ia direto ajudar em casa, fazendo os serviços domésticos que a mãe não conseguia por estar trabalhando. Juliana cuidava dos 2 irmãos mais novos, lavava roupa, arrumava a casa e fazia comida.

Ela nunca conheceu o pai.

Agora com a filha completando o ensino médio, o caminho que sua mãe traçou para ela foi o mesmo que escolheu anos antes. Ia dividir os clientes novos com a filha e ela ajudaria nas despesas de casa.

Demorou quase 3 anos, agora com 21, para que Juliana conseguisse convencer a mãe de que queria estudar para melhorar de vida. Sua mãe, desconfiada, jogou todo peso nas costas da filha.

"Você tem que ajudar nas contas de casa. Se quiser estudar a noite é problema seu, mas não pode parar o serviço"

Estudando à noite, Juliana seguiu revisando a matéria por conta própria, aproveitando as 2 horas que sobravam do seu intenso dia de trabalho.

Levou quase dois anos para que nossa personagem pudesse entrar numa universidade pública. Sua nota não era muito alta, mas conseguiu entrar no curso de Pedagogia, escolhido estrategicamente pela baixa concorrência.

Juliana não conseguiu se formar no tempo regulamentar. Pelo trabalho puxado, não conseguia acompanhar as aulas direito. Tinha dificuldade de fazer os trabalhos extraclasse e entender a matéria. Não era raro ver Juliana pescando na aula enquanto o professor explicava o conteúdo.

Depois de quase 7 anos, Juliana finalmente conseguiu seu diploma, abandonou as faxinas e começou a trabalhar como pedagoga numa pequena Escola Infantil.

O que você quer dizer quando fala sobre Meritocracia?

Agora que você já entendeu como Wittgenstein aborda a comunicação e conheceu duas realidades completamente opostas, podemos começar a esboçar o ponto central deste texto:

Qual jogo de linguagem você está jogando quando fala sobre meritocracia?

Essa é uma questão fundamental para que a discussão saia do superficial e crie uma ponte entre as duas opiniões. Então, vamos tentar unificar este jogo.

Meritocracia é, de acordo com a definição de dicionário, uma ideologia política. É, idealmente, uma organização social onde as pessoas são promovidas ou beneficiadas através do seu esforço, trabalho e, logicamente, mérito. Neste modelo todas as pessoas, independente do ponto de partida, teriam seu destaque e benefícios nivelados de acordo com seu esforço e colaboração para a sociedade.

É claro que em muitas discussões podemos enxergar pessoas falando da sociedade como se ela fosse estritamente meritocrática, mas neste ponto basta observar o mundo para entender que o ponto de partida ainda conta mais para o resultado final do que o esforço aplicado.

No Brasil por exemplo, temos uma das piores relação de desigualdade x mobilidade social do mundo. Alguém que nasceu pobre no Brasil pode levar em média 9 gerações para alcançar a classe média.

Segundo o estudo, 35% das pessoas posicionadas como mais pobres terminam a vida na mesma situação e só 7% tem chance de alcançar os mais ricos. Do outro lado, 45% dos filhos de famílias ricas seguem a vida na mesma situação e apenas 7% tem chance de piorar de vida.

Mário e Juliana entram num bar

Num cenário hipotético onde a distância socioeconômica entre Mário e Juliana permitiu que se conhecessem e frequentassem o mesmo bar, a conversa introdutória entre os dois começaria mais ou menos assim.

Mário tentaria impressionar a moça com sua história. Iniciaria a conversa contando sobre sua infância e quantas horas estudava por dia para conseguir passar em medicina. Contou como foi difícil morar sozinho e longe dos pais, as dificuldades que passou para ser aprovado nas matérias e o cansaço de cada dia de internato.

Contou também como a prova para residência é ainda pior que o vestibular e que alunos pagam às vezes 20 mil reais em cursinho para poder passar na prova. No final, Mário fecharia sua história assumindo os louros da vitória.

"Foi difícil, mas com dedicação e mérito, hoje eu tenho uma vida muito boa"

Juliana escutaria tudo calada, sorrindo por fora mas intrigada por dentro. Algumas perguntas surgiriam durante a conversa, mas ela queria ouvir todo o contexto.

Aos olhos dela, como alguém que não precisava trabalhar em casa durante a infância, estudou desde cedo nas melhores escolas e pôde dedicar 3 anos exclusivamente para estudar, pagando um cursinho específico, está se achando especial?

Morou em outra cidade sem precisar trabalhar, apenas estudar. Tinha apartamento pronto, aluguel pago e comida no prato. Podia se dedicar aos estudos e, antes mesmo de se formar, pagou uma fortuna num cursinho de residência.

Não existe mérito nisso. Ele simplesmente teve acesso e fez a única coisa que precisava fazer.

Juliana foi embora achando Mário arrogante, e ele não entendeu porque a moça não se interessou por sua bela jornada de sucesso.

Dependência de domínio, de novo.

Fiz um texto detalhado explicando o que é dependência de domínio, mas aqui tentarei simplificar a ideia para um entendimento rápido.

Um domínio pode ser interpretado como o campo de aplicação de uma ideia. É o contexto específico onde uma afirmação pode fazer sentido.

No caso da linguagem e do uso das palavras podemos — estou tentando— dizer que o domínio dessa palavra é o jogo de linguagem em que a pessoa está engajada.

Quando Mário diz para Juliana que hoje ganha muito bem por efeito da meritocracia, ele está se comparando aos seus pares e reconhecendo que fez escolhas que as pessoas na mesma posição não fizeram. Seu jogo de linguagem aqui seria algo como:

Conclusões baseadas em comparações imediatas. Ele se compara com as pessoas que estavam no mesmo meio, assumindo que sua diferença para eles foram suas ações.

Para quem se expressa dentro deste jogo, tudo o que vale são as experiências diretas que absorveram do mundo, as pessoas que conhece e as referências imediatas. Normalmente quem enxerga o mundo assim embasa opiniões não muito além do uso de anedotas, "Conheço alguém que fez isso e deu certo" ou "eu fiz isso aqui e funcionou, vai funcionar com você também"

No entanto, quando Juliana escuta o que Mário está dizendo, ela está participando de um outro jogo de linguagem. Ela conhece um mundo muito diferente e estudou bastante as estatísticas de pobreza e mobilidade social. Ela entende que para quem nasce pobre, a grande maioria das vezes você pode fazer tudo certo que não vai mudar o resultado. Crianças pobres que fazem tudo certo ainda se saem pior na vida do que crianças ricas que fizeram tudo errado.

Podemos dizer que o jogo que Juliana está engajada se chama:

Conclusões baseadas em fatos e estatísticas.

Como cada um dos nossos personagens está aplicando a palavra mérito e o conceito de meritocracia em dois domínios distintos, é muito difícil explicar para Mário por que Juliana não acredita em mérito e, nem Juliana entender que existe qualquer mérito na história de vida de Mário.

Mas existe mérito?

Ao abordar um resultado através das lentes do mérito, devemos considerar com cuidado onde estamos encaixando o discurso. O normal é que só seja possível declarar mérito sobre algo quando estamos falando sobre competições diretas, onde existe um filtro seletivo dos participantes.

A natação nas olimpíadas, por exemplo, exige que os nadadores enfrentem diversas provas ao longo de anos, inclusive provas eliminatórias, para nivelar por alto a capacidade dos participantes da competição.

Quando os competidores estão alinhados à beira da piscina tentando ganhar uma medalha olímpica, a gente sabe que existiu um filtro de nivelamento para que todos ali — apesar do seu passado — estejam no máximo de igualdade possível.

Então quando dizemos que Michael Phelps teve seu mérito nas competições que venceu, não existe nenhum conflito nessa afirmação. Porque no momento em que estava competindo, nos poucos segundos que foi capaz de se destacar, as outras pessoas ao seu lado também eram as melhores de seus países no esporte.

Neste caso, a igualdade do ponto de partida promove o reconhecimento do mérito.

Mas é claro que se formos falar além da competição específica, podemos ver que um nadador era filho de um bilionário e o outro nasceu num país em guerra e teve dificuldades para manter sua rotina de treino.

Existem desigualdades neste ponto, mas o processo seletivo criou uma linha de largada mais igualitária para poder reconhecer que de fato, um daqueles foi melhor naquele momento.

O mesmo podemos falar de Mário Santos, nosso médico exemplar. Em relação ao mundo, ele teve todos os privilégios, e dizer que ganha mais que a sociedade por mérito próprio é, sem a menor dúvida, um descolamento da realidade.

No entanto, quando fazemos a comparação entre seus pares, os alunos de medicina que foram nivelados pelo vestibular, é possível reconhecer seu mérito pelo estudo e suas decisões.

Para a afirmação ser verdadeira, só precisamos ter o cuidado de encaixá-la no ponto comparativo certo. É preciso ajustar o jogo de linguagem para a comunicação se tornar mais precisa e, a partir disso, poder fazer afirmações sem confrontar a realidade.

Mérito até existe, mas meritocracia não

Esse é um ponto de conflito frequente nas discussões sobre o assunto. Por mais que seja possível reconhecer algum mérito em situações específicas, isso não valida, em nenhum grau, a existência de um modelo meritocrático.

Na língua portuguesa quando utilizamos o sufixo -crático estamos determinando que o elemento anterior ao sufixo regula o sistema de direitos e poder. Da mesma forma, democrático é um sistema onde o poder vem do povo e autocrático representa um governo que empodera a si próprio.

Quando destacamos alguns exemplos de mérito individual para atestar a existência de um modelo meritocrático, estamos dizendo que existe um sistema onde o fator máximo que determina a aquisição de poder e força, é o esforço e decisões de um indivíduo. Mérito fala sobre um momento especifico e bem contextualizado, meritocracia descreve um sistema inteiro onde a regra se baseia na conquista por mérito.

E disso podemos encontrar várias vertentes de quem tenta defender que esse sistema é verdadeiro. Desde os que afirmam que a meritocracia está no valor que oferece para a sociedade, até outros que defendem o esforço e dedicação que aplicam como fator de sucesso.

Nos dois casos, basta olhar para o mundo e ver que essa regra não se aplica.

Gente pobre trabalha muito mais e de forma mais intensa que a maioria das pessoas que são ricas e, muita gente que oferece muito mais valor para a sociedade, como professores, não têm o devido reconhecimento pela sua contribuição.

No sistema atual não existe meritocracia, um jovem pobre que faz tudo certo ainda terá uma vida pior do que alguém rico que fez tudo errado.

E eu sei que você está pensando em nomes para me dizer que isso não é verdade: “Veja o Marco Gomes em Nova York, todo chique jantando no Ivan Orkin!”

Ter que procurar nomes específicos para demonstrar que algumas pessoas conseguiram sair da pobreza cria apenas a exceção que confirma uma regra.

A gente consegue destacar que o Marco Gomes conseguiu, exatamente porque todo o resto continua onde está. Caso o sistema fosse verdadeiramente meritocrático, não teríamos como destacar meia dúzia de casos, já que essa mudança de posição social seria comum.

Mas estão jogando com nossas opiniões

Polarização é uma arma muito eficiente na hora de convencer pessoas a defenderem opiniões extremas.

Qualquer posição pode ser definida dentro de um espectro longo, separada por inúmeras pequenas nuances entre dois, ou as vezes mais, lados opostos. É impossível e quase raro que uma situação seja dividida puramente no sim ou não.

Mais ainda, muitas vezes existem mais dimensões para se adquirir uma opinião do que puramente duas proposições opostas.

Ao exemplo da polarização política, onde todo mundo que não pertence a direita é comunista, o espectro convencional é um pouco mais detalhado do que essa boba simplificação.

Cada quadrante do compasso político ainda permite uma variação de intensidade e direções com muito mais detalhamento, e que pode mudar muito a forma como cada pessoa pensa sobre determinado assunto.

Só que pessoas não polarizadas não apresentam vantagens para nenhum lado da discussão. Então a estratégia para fazê-las somar ao seu lado é polarizar o debate.

A política é o melhor exemplo para enxergar a polarização em prática. Quando houve a ruptura política no Brasil em 2013 e grupos começaram a se dividir, ainda na visão de que não era direita nem esquerda, o movimento antipetista tratou rapidamente de polarizar o debate.

O primeiro foi com a adoção da camisa verde e amarela como forma de diferenciar "nós dos outros", iniciando uma direta polarização entre você é petista ou você está do lado do Brasil.

Em seguida começaram os incentivos para criticar os “isentões”, termo que surgiu na época para forçar quem ainda não tinha comprado um lado a se posicionar diretamente.

Na época a briga estava mirando na disputa entre Aécio Neves e a Dilma Rousseff. O objetivo de polarizar era que todos que fossem contra o PT votassem no Aécio, não por afinidade política com o plano de governo, mas por negação ao outro, rejeição ao outro polo do debate. A campanha de Marina Silva nessa mesma época focava exatamente nos isentões, seu discurso de campanha era basicamente "fujam da polarização".

Pulamos no tempo, Dilma caiu, Aécio se complicou e outro candidato se aproveitou para tornar a polarização ainda mais agressiva. Jair Bolsonaro trouxe de volta a antiga polarização norte-americana baseada no medo de uma suposta "ameaça comunista".

Desde então sua campanha inteira não apresentou nenhum projeto sólido. Toda sua postura e divulgação foi baseada simplesmente em polarizar a sociedade contra a suposta esquerda-comunista, marxismo cultural, e a hipótese de que os comunistas querem transformar todas as crianças em gays e trans. Tudo isso para reforçar o medo irracional das pessoas e dizer: se você não me apoia, olha os absurdos que você está apoiando.

Toda a ideia da polarização é bloquear ao máximo a chance do seu eleitorado cogitar a pensar que algo do outro lado seja positivo, pelo medo de apoiar outros absurdos.

Não surpreende que a estratégia de campanha de Bolsonaro foi chamar literalmente todos, inclusive veículos de comunicação que apoiam a direita americana, de comunistas. Sempre que surgia uma crítica a primeira resposta era dizer que tratavam-se de comunistas.

É nesse passo que a discussão sobre mérito e meritocracia foi polarizada ao longo dos últimos anos.

Ao invés de considerar nuances e pequenos detalhes, entendendo que o mundo é mais complicado do que simplesmente esforço pessoal e seus resultados, a conversa foi polarizando para uma direção onde: se você acha que desigualdade social impede a meritocracia, você é esquerdista comunista defensor de bandido.

Já na outra ponta, tudo o que existe é mérito, independente se você já nasceu bem de vida. Porque considerar o oposto significaria dizer que você não merece tudo o que conquistou.

Hoje a maioria das pessoas ricas estão com a direita e abraçam essa polarização porque ela fornece legitimidade aos seus méritos, ao mesmo tempo que ignora os privilégios. O discurso de "existe gente pobre que se esforça e consegue", rejeitando todas as estatísticas de diferenças sociais, mobilidade, transferência de renda é simplesmente para dizer que "se ele não consegue problema dele, eu consegui porque mereci."

Do outro lado a esquerda também se polarizou. Mesmo apoiada pelas estatísticas e outros dados mais científicos, passou ativamente a rejeitar qualquer traço de mérito, falhando na hora de reconhecer que em domínios específicos, ainda é possível existir algum tipo de mérito, mesmo que não seja possível transferir isso para o comportamento amplo da sociedade.

No final de tudo, é difícil para o rico olhar e reconhecer que tomou ações que podem ter favorecido seu resultado, mas que comparado ao resto da sociedade ele teve inúmeros privilégios. Ao mesmo tempo que para quem aponta os fatores de desigualdade social, fica difícil reconhecer alguns méritos porque isso pode enfraquecer a sua tese.

E aí o debate empreendedor fica essa visão polarizada e elitista com medo de ser associado à características negativas. Se você reconhece que nasceu pobre e não teve dinheiro para se destacar, você é vitimista. Se você diz que é mais difícil para os pobres alcançar o sucesso, é mentalidade de fracassado, se você não quer ser bilionário, é um frustrado que pensa pequeno.

Assim, utilizando das mesmas armadilhas de polarização política, gente rica te vende uma ideia polarizada de empreendedorismo onde a base de tudo é rejeitar uma visão mais realista para abraçar as fantasias que fazem você sentir que está numa posição superior da sociedade, simplesmente pela forma que enxerga o mundo, mesmo que continue pobre, se esforçando e não vendo nenhum resultado sólido.

Se mérito e esforço não fazem diferença, o que eu devo fazer?

Eu aprendi na faculdade de filosofia a ter uma grande admiração pelo trabalho central de Arthur Schopenhauer. Não falo dos livretos de autoajuda que acabam prejudicando a imagem histórica do filósofo, mas suas obras verdadeiras e contribuições reais para a filosofia.

Um dos meus livros preferidos de todos os tempos e que ajudou a formar um pouco da forma — pessimista? — que observo o mundo, foi Mundo como Vontade e Representação.

No livro, Schopenhauer é desanimador. Para o autor, a morte inevitavelmente vencerá a vida, e o próprio ato de viver é um constante morrer.

Toda obra segue nesse clima pesado e que leva muita gente ao questionamento: "se a vida é sofrimento e isso é inevitável, por que devo viver?".

Schopenhauer felizmente reservou parte do seu trabalho para observar essa questão. A conclusão, obviamente simplificada, é que o ato de tirar a própria vida significaria a negação da vontade, a crença de que o problema está em si e não no todo. Ao remover a vida, a coisa-em-si permanece inalterada, o problema não desaparece.

Ao desaparecer da terra você não priva a espécie do sofrimento, apenas a si mesmo dos prazeres da vida.

Trazendo de volta para a questão do mérito, entender que a vida é difícil não é um motivo para não seguir fazendo o que pode.

O resultado que todos buscam e apontam, o tal sucesso, é apenas um ponto de avaliação. Existem inúmeros outros valores, possibilidades e contribuições que, mesmo sem esse sucesso, ainda fazem tudo valer a pena de alguma forma.

Rejeitar a ideia de meritocracia e entender que não depende só do seu esforço não deve ser um estímulo para não seguir seus sonhos e vontades, mas uma ferramenta para se reconfortar e entender que você não é inferior ou menos valioso porque não alcançou tudo o que sonhava.

É como expliquei no texto sobre como não planejar uma vida de sucesso. A gente pode olhar para inúmeras outras dimensões da vida e aproveitá-la mesmo sem esses resultados vendidos em cursos de empreendedorismo. Porque o importante não é ganhar o jogo, mas continuar jogando.

Existe um livro, escrito pelo psiquiatra M. Scott Peck que gosto bastante e que sua primeira linha já quebra nossas ilusões e afirma: a vida é difícil.

"A vida é difícil
Essa é a grande verdade, uma das maiores verdades.
Isso é uma grande verdade porque quando você realmente enxerga essa verdade, nós a transcendemos. Uma vez que realmente sabemos que a vida é difícil — uma vez que entendemos e aceitamos, a vida deixa de ser difícil. Porque uma vez aceito, o fato da vida ser difícil não importa mais.

Conheça também Este livro não vai te deixar rico, uma coletânea com os melhores artigos do Startup da Real para você ter sempre com você ou presentear seus amigos.

http://bit.ly/livro-startupdareal

Para ajudar na iniciativa Startup da Real, confira a página do Patreon e colabore como puder.

Se você curtiu o texto, não esqueça de seguir o @startupdareal no Twitter, dar 50 claps no texto e compartilhar o conteúdo no seu Linkedin.