5˚ Frontend SP Meetup

Photo by Ilya Pavlov on Unsplash

Primeira vez que consegui ir ao evento, muito legal conhecer a Lambda3, espaço bacana dentro da empresa, não pensei que coubesse tanta gente e foi legal ver a participação do pessoal.

Brincadeiras não faltam e isso torna um evento técnico mais descontraído, o que senti falta foi uma apresentação talvez mais formal por parte do Shin ou antes ou depois quem era que havia cedido o espaço da Lambda3, que foi legal o espaço cedido e a disposição em patrocinar o coffee break (primeiro que não tinha café) que era de pizza e foi divertido.

Foi bom ver uma mulecada nova assim como no evento do Sketch do Brasil que era de Design System, muita gente nova e que começou nos últimos 10 anos.

As talks foram técnicas o suficiente e descontraídas o bastante, começando com a linguagem divertida da Letícia Costa, sobre EXGH, Go Horse sempre existiu, sempre irá existir e não há como fugir é a impressão que tenho, mas foi uma abordagem interessante, pois muito se acusa: GH é ruim, GH é mau, GH é horrível, mas vamos lá em agências de publicidade/mkt/web é comum o prazo pro front/back ser mais corrido pois criou-se esta cultura de que é rápido fazer, não importa como será feito o importante é que seja feito, claro não é recomendado, seguir padrões seria ótimo, mas convenhamos o mundo da fantasia é bem distante da realidade na maioria dos lugares, sem contar quem não conhecia o termo (sim muita gente não conhece o GH) e ao conhecer continua não vendo mal nisso.

Depois disso tivemos a hilária talk do Marco Bruno, eu já havia trocado ideia com o Marco há uns 2 anos sobre eventos de UX ou desafios, porém acabei nunca levando avante minhas ideias e nem compartilhando (vou retomar isso), a ideia dele parecia despretensiosa e meio boba levando em conta que estávamos falando do básico do front, alinhamento usando display, e realmente eu e muitos acredito não haviam pensado nos porquês dos elementos se comportarem de tal forma (assim como eu nunca havia pensado que LI assumiam o comportamento de bloco), voltando a talk, o Marco tem uma didática diferente, não o conhecia pessoalmente o cara parece ligado no 220v, não para quieto, não consegue sentar para explicar, e isso acabou se extendendo até o coffee break.

O coffee foi legal para interagir, talvez a garotada não saiba mas conhecer o passado ajuda a entender porque as coisas são do jeito que são hoje em dia, também pude perceber que apesar de eu gosta de HTML e CSS eu estou fora da curva totalmente e o foco hoje é programação o frontend derivado do Web Designer e Web Master não existe mais e no mercado comum não existe motivo de existir, mesmo assim foi legal ver a cara de surpresa quando se comentava de como eram os navegadores e seus comportamentos em 1996–2001 (poucos no Brasil lembram de como era trabalhar nessa época).

Ah sim teve vários grupos de conversa, fora da salinha a talk no intervalo era sobre Dojo e Meetups e como aprender mais sobre Angular e qualquer outra linguagem e como os Dojos ajudam nisso.

A última talk da Ana Bastos, sobre ELM eu já havia ouvido falar de ELM pelo Cuducos que ela comentou no final e o cara realmente fez um trabalho legal pra introduzir o ELM na comunidade, a Ana tá ainda aprendendo a se apresentar e isso é legal, mesmo com seus receios ela conseguiu interagir, arrancar gargalhadas e conquistar o interesse de muita gente, mesmo sem ter noção clara do que poderia ser alcançado, afinal uma linguagem nova, funcional, com sistema de retorno de mensagens absurdamente aprimorado é bem difícil de achar, a syntax similar ao python também é bacanudo e assim tem muito a se explorar e a Ana conseguiu demonstrar isso que mesmo curtindo a linguagem ela tem dificuldades que foram passadas em perguntas tanto nesta talk como nas passadas e ela quer saber e está correndo atrás e isso é emocionante.

O evento como um todo foi bem legal, como mencionei antes não é o meu foco ser programador, mas ficar perto das duas comunidades e quem saber ajudar ambas conhecendo o passado e pensando nos desafios para o futuro.

Quem não conhece o evento chega junto no Meetup, até o próximo evento.


Achou o texto relevante? Então clique no botão Recommend, logo abaixo. Fazendo isso, você ajuda este artigo a ser encontrado por mais pessoas.

Like what you read? Give Rick Benetti a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.