#lariedanidizemsim | 1 ano depois | os votos

Foto Babi Nakata | Clube do Comércio POA

Um ano de casados é Bodas de Papel. Naquela noite que celebrou nossa intenção de passar a vida juntos, a gente tirou folhas de papel do bolso e leu um pro outro nossos votos.

Os votos servem pra emocionar na hora da cerimônia, mas também pra lembrar muitas e muitas vezes depois o que a gente tava fazendo ali.

Como aqui é lugar de texto, minha homenagem pra ti, daniel, é registrar essas palavras pra gente continuar lembrando juntos. Muitas e muitas vezes.

Votos Lari

Lembro bem do momento em entendi que te queria na minha vida, mas nunca te contei essa história direito. Porque é daquelas coisas que podem pegar mal num começo de relação, e que depois a gente fica meio assim de retomar. Mas agora azar.
Foi assim. Três anos depois do fim da nossa Primeira Temporada, em plena Catedral de Sacré-Coeur, em Paris, uma certeza me arrebatou. Queria amar e ser amada, sem esperar mais nenhum Carnaval passar. Tava pronta, e não era pra uma história qualquer. Era pro nosso amor.
Eu, que de religiosa não tenho nada, poucos dias depois tive um papo com Santo Antônio, o próprio casamenteiro, lá em Lisboa.
Eu, que nunca tinha me imaginado noiva, não pedia pra casar.
Só avisava que, se ele concordasse que era uma boa ideia, que desse uma forcinha pra nossa história virar. Uma história que eu tinha entendido, com um certo atraso, que era rara e que valia a pena.
Porque tu me tirou pra dançar no elevador na primeira vez em que a gente se encontrou. Porque tu me deu luzinhas de Natal embrulhadas num papel de pão bem antes de existir Pinterest. Porque tu é adoravelmente nerd, ouve cada podcast, me explica cada coisa. E eu me sinto, desde sempre, adoravelmente à vontade contigo.
Eu, que não acredito em destino, pero que las hay, las hay, fui surpreendida pouco depois por uma mensagem tua. E por um amor crescendo no peito. E por uma Segunda Temporada com recorde de audiência.
Uma temporada de fortes emoções, desafios, dores (porque também delas são feitas os amores, aprendemos na marra). Cheia de projetos, que contigo aprendi a chamar de sonhos. Sonhos que aprendi a sonhar junto. Também aprendi a baixar a guarda, a fazer planilha de gastos, a dividir a casa e a vida, a cuidar do Joaquim, de ti, de mim. Aprendi a procurar um olhar sabendo que vou achar.
Amor, quando a gente começou a namorar, eu te avisei que eu era uma encrenca. Perdia tudo, bagunçava tudo, esquecia tudo. Tu também te apressou a listar teus defeitos. Os dois com tanta expectativa quanto medo do amor que já tinha surgido ali. Mas os dois com mais vontade de dizer sim do que não.
Agora, pra nossa Terceira Temporada, eu não vou te encher de avisos, nem te fazer promessas. Eu só quero te fazer um convite. O mais sincero e simples que eu consegui imaginar.
Eu quero segurar na tua mão, respirar fundo e te convidar a continuar dizendo sim pra vida comigo.
Vamo?
Foto Babi Nakata | 18/04/2015

Votos Dani

Eu acredito que algumas coisas a gente consegue fazer. São coisas que estão sob nosso controle. Temos como agitá-las. Dependem das nossas escolhas. Já outras, de outra natureza, de outra magnitude, dependem de uma conjunção de coincidências maior do que conseguimos conceber. São experiências que nos superam como indivíduos. Elas nos são dadas. Diferentes pessoas tem diferentes impressões sobre o por que disso: alguns acreditam em destino. Outros, acham que o mundo se encarrega. Uns acham que é Deus. Eu prefiro não saber. O que eu faço, diariamente, é agradecer por ter acontecido, assim, um amor tão importante na minha vida, em um momento em que ele precisava ter acontecido.
Larissa e eu nos conhecemos numa dessas coincidências. Ela com namorado, eu com namorada. Esbarramos numa festa e passamos umas três horas conversando sem parar. Pra ela, algo normal. A Larissa é dessas que vira melhor amiga de alguém nas curvas da vida. Ela tem esse superpoder de ser cativante e achar as pessoas incrivelmente legais em um tempo recorde. Pra mim, confesso: uma pontinha dentro de mim se apaixonou.
Calhou que a vida passa, os caminhos se separam e volta e meia eu lembrava daquela guria legal, tão incrível, que se conectou tão bem em tão pouco tempo comigo. Até que uma amiga em comum falou: quem sabe a gente não passa uma tarde juntos? Casualmente, Lari e eu nos encontramos em uma Feira da Fruta e fomos ver um filme antigão, desses clássicos. Tudo muito lindo, conversa fluindo solta, olhares profundos e verdadeiros, mas e aí? Como dar o próximo passo? Usei a coragem que só os apaixonados têm. No elevador do prédio onde estávamos tirei a Larissa pra dançar. E assim, dançando no elevador, nossa história começou. O primeiro beijo mais aconteceu que foi planejado. Foi nos dada uma chance de curtir intensamente o que ali a gente sabia que existia. Nós queríamos sim, mas sobretudo, deixamos as coisas acontecerem como deveriam.
E aí é vida que segue. Larissa e eu temos uma história linda que voa ao sabor do vento, até hoje. Nesses anos todos, a gente sempre esteve em processo, e acho que pra sempre vai estar. Foi preciso acumular um tanto de experiências e aprendizados pra chegar onde a gente chegou. E hoje, é isso que mais me encanta na relação que nós temos. Somos um casal muito parceiro. Mesmo estando muito juntos, gente sabe como se desenvolver como indivíduo. Nos apoiamos na construção de um espaço que é nosso, mas que respeita o processo de cada um. Temos trajetórias passadas e futuras nossas, próprias, e nossa intenção é amarrar esses futuros pra sempre.
Larissa, eu acredito muito na importância dessa sociedade de dois que a gente escolheu pra nós. Acho que é isso que nos reforça muito. A gente tem a convicção que foi e tem sido todo dia uma escolha. Eu me sinto mais forte do teu lado, mais preparado para me tornar cada vez mais um marido melhor. Uma pessoa melhor. Um pai do Joaquim melhor, pelo espaço que nós temos pra gente. Todas as nossas conversas, todas as nossas experiências, todo nosso terreno me dá ambiente pra me perceber sendo uma pessoa cada vez mais amorosa, saudável, madura e feliz. Tu é a guria que me ilumina com essa tua luz infinita e que me aponta o caminho quando eu não consigo enxergar direito pra onde estamos indo. Tu é o sorriso mais bonito que tem, e o olho com mais profundidade que tem, e sabe falar as palavras mais importantes, quando eu preciso ouvi-las. Tu é a guria mais engraçada que eu já conheci e contigo a gente tá sempre rindo. Tu é a guria mais séria que eu já conheci e sabe aprofundar as broncas pra tirar um ensinamento porrada de tudo que acontece. Tu pega na minha mão. Eu te amo tanto por isso, com tanta força, que tudo isso que tá acontecendo aqui, aconteceu. Toda essa vontade de celebrar, com todo mundo que tá aqui, a nossa intenção, de viver essa loucura que tem sido os últimos anos, pra sempre.
Foto Babi Nakata | 18/04/2015

SIM

#lariedanidizemsim
18.04.2015

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Larissa Magrisso’s story.