BrazilJS 2016 — Um resumo, críticas e sugestões

A BrazilJS é de longe o maior evento de JavaScript do Brasil. Esse ano, mais de 1.500 desenvolvedores foram a Porto Alegre presenciar palestras de altíssimo nível, fazer network, procurar oportunidades de emprego e por último, e mais importante, pegar adesivos (hehe).

O maior evento de JavaScript do Universo?

Mas nem tudo são flores, então nesse post vou relatar a minha experiência no evento, mostrando tanto os lados positivos, quanto alguns poucos lados negativos da BrazilJS 2016.

Esse post está dividido nas seguintes seções:

  • Localização
  • Palestras
  • Mulheres
  • Tendências
  • Conclusão

Localização

O evento ocorreu no mesmo lugar do ano passado, no Barra Shopping Sul, como relatei no post do ano passado. No geral, é um excelente lugar para se fazer um evento dessa proporção, mas alguns problemas que eu já havia reportado ano passado, continuaram acontecendo esse ano: WiFi ruim e conversas no fundo atrapalhando quem queria focar nas palestras.

Esse ano com direito até a arquibancadas

Palestras

Esse ano, como já ficou comum na BrazilJS, o nível dos palestrantes foi altíssimo. Nesse post vou fazer um resumo das principais palestras que aconteceram.

Jake Archibald

O maior nome sobre Service Workers, Jake Archibald, mostrou que aplicações SPA geralmente tem a renderização mais lenta e como podemos tentar resolver esse problema com streams.

Além disso, Jake mostrou que é possível competir, e as vezes até ganhar, de apps nativos usando Progressive Web Apps.

Stepan Parunashvili

Eu não conhecia o Stepan antes da BrazilJS, mas pra mim foi uma das melhores palestras. Ele falou sobre como escalar aplicações usando React.

Lembrando que o termo “escalar”, para aplicações client-side, está mais relacionado ao aumento do número de desenvolvedores de um projeto sem que produtividade da equipe seja prejudicada. Isso só é possível, segundo ele, graças a forma com que as aplicações em React são arquitetadas: com componentes.

Mattias Petter Johansson

O mpj, autor do canal FunFunFunction, resolveu falar sobre um tema bem complicado: Monads e Functors que por coincidência eu fiz um post recentemente explicando.

A palestra dele foi extremamente didática, com desenhos e ilustrações, mostrando desde os temas mais simples como a função map, até os mais complicados como Functors.

Sérgio Lopes

O único palestrante brasileiro da lista, Sérgio Lopes fez uma palestra muito interessante sobre como melhorar a performance de forma considerável em aplicações Web, com mudanças extremamente simples.

Uma pena que a palestra foi mais focada em CSS e não em JavaScript.

Observação: O Sérgio participa do hipsters.tech, um podcast sobre tecnologia da galera da Caelum e Alura, que eu recomendo altamente.

Lea Verou

Na minha opinião, a melhor palestra de todo o evento foi o da Lea. Ela falou sobre como construir melhores APIs com conceitos simples de UX.


No geral, um dos pontos que a organização poderia melhorar para o próximo ano é dar um foco maior em palestras sobre JavaScript, como foi no evento de 2015.

Alguns podem argumentar que o evento é sobre Front-End em geral, e é um ponto válido. Mas na minha visão, por ser um evento de JavaScript, o nosso foco primordial deveria ser o JavaScript e seu ecossistema, como o próprio Jean falou:

Além dos pontos citados acima, eu senti falta de Programação Funcional e Redux.

Fica também minha sugestão de palestrantes pro ano que vem:


Por outro lado, diferente da edição de 2015, todos os palestrantes brasileiros realizaram sua palestra em português. O que foi muito bom pra quem estava assistindo.

Mulheres

Esse ano nada menos que NOVE mulheres foram palestrantes do evento.

E uma dessas palestrantes foi a Alda (mjcoffeeholick), que apontou diversos casos de sexismo que ela sofreu durante sua carreira, e o que nós homens podemos fazer para que isso não aconteça mais.

A palestra dela foi muito emocionante. Eu nunca tinha visto alguém ser aplaudido de pé numa palestra de tecnologia antes.

Mulheres na BrazilJS 2016

Tendências

Um dos pontos legais de ir a um evento desse porte é verificar quais tendências de mercado tem mais possibilidade de sucesso nos próximos anos.

Fazendo um resumo geral de todas as palestras, temos essas tendências para ficar de olho:

  • Progressive Web Apps (Service/Web Workers)
  • Programação Funcional e Reativa
  • Diversidade em equipes
  • JavaScript Universal (ou Isomórfico)
  • Offline first
  • Performance
  • Acessibilidade

Conclusão

Para concluir, a BrazilJS continua sendo um evento que vale muito a pena o investimento, não só pelo conteúdo das palestras mas também pelo contato com uma das comunidades mais fantásticas.

Portanto,

Always bet on JS

Se você gostou do post não se esqueça de dar um ❤ aqui embaixo!
E se quiser receber de antemão mais posts como esse,
assine nossa newsletter.

JSCasts

É difícil encontrar conteúdo bom e atualizado em português. Com isso em mente criamos o JSCasts, onde você vai se manter em dia com o JavaScript e todo o seu ecossistema de forma fácil e interativa.

Cursos:

Obrigado por ler! ❤

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Matheus Lima’s story.