Por que o Internet Explorer foi a pior coisa que já aconteceu para a Web
Leandro Pires de Souza
41

O Internet Explorer não foi a pior coisa que já aconteceu para a web

Eu já falei muito mal do Internet Explorer na minha vida. Mesmo. Acredite. Eu já fui obrigado a fazer websites inteiros funcionarem no IE4, IE5, IE5.5, IE5.5 para Mac e finalmente o IE6. Mas eu não acho que o Internet Explorer foi a pior coisa que aconteceu para web. De jeito nenhum.

Você se lembra da guerra dos browsers? Muitos devs hoje não tiveram o prazer e o terror de ter presenciado essa época. Infelizmente eu não vivi essa época desde o início, mas peguei do meio pro fim, o suficiente para saber o contexto geral do mercado naquela fase horrível da web. O W3C tinha uma crise de identidade, nós não tínhamos um browser decente para usar e os desenvolvedores, meus amigos, ahhh os desenvolvedores… Você já parou para pensar que no início quase NINGUÉM era desenvolvedor web? O que aconteceu foi uma imigração de profissionais de outras áreas para a web. Isso aconteceu com desenvolvedores, designers, gestores, empresas, todo mundo. Logo, nesse contexto maluco, ninguém sabia para onde ir, nem browsers, nem devs, nem W3C. Ninguém sabia direito o que era web.

O Internet Explorer e o Netscape eram browsers horríveis se comparados com os browsers que temos hoje. Mas se você reclama de ter feito websites para o IE6, pense dessa forma: você nunca teve que fazer websites para o IE4. Chegou um momento naquela época, que a única coisa que os desenvolvedores desejavam (mesmo sabendo que era um desejo ruim) era que qualquer browser ganhasse logo essa guerra besta. Se fosse para ser o IE (como foi), ótimo. Pelo menos ninguém teria que lidar com os problemas de compatibilidade de browsers. Isso, por que nessa época eram apenas dois. Hoje é muito melhor, mesmo existindo pelo menos cinco browsers diferentes (sem contar suas versões intermediárias, né Chrome?).

E ao contrário do que muitos pensam, o Netscape não era o anjinho da história. Depois que ele levou as bordoadas do IE, ele lançava versões mais bugadas que seu concorrente. Eles se esqueceram dos padrões e como o IE, só queriam mais adeptos. Queriam dinheiro mesmo.

Foi só depois que o WaSP apareceu que a coisa começou a melhorar. Claro, a glória não vai apenas para esses caras, mas eles deram uma força gigante para que o Netscape desistisse dessa guerra idiota, para que o W3C fosse realmente levado a sério pelos desenvolvedores e que os browsers, finalmente, focassem nos padrões e não em apenas prender usuários.

A principal falha da Microsoft com o Internet Explorer foi o descaso. Depois que essa reviravolta acabou, o IE simplesmente parou no tempo. As atualizações não eram constantes e nem todas as atualizações traziam novos suportes aos padrões web. Essa estagnação do IE foi o que comprometeu os anos entre o lançamento do IE6 e o IE8. Eu costumo dizer que essa época foi a época negra. O IE6 detinha 90% do mercado e só por causa disso, nós não podíamos dar atenção suficiente para os outros browsers, mesmo sendo mais espertos e modernos, com um ciclo de atualização insano, a gente não podia ir contra o muro que era o Internet Explorer. Vivíamos numa promessa eterna. Era como se você fosse criança e soubesse que ia ganhar aquele presente legal, mas teria que esperar até o final do ano.

Mas mesmo assim, durante muito tempo, o IE6 foi muito melhor que o Firefox. Só depois de algum tempo que o Firefox, que na época se chamava Phoenix (e antes Firebird) começou a ficar realmente melhor que o IE, muito por causa da adoção dos Padrões Web e por causa de várias novas features que surgiram, como as Extensions. O Opera não conta, por que nunca ninguém usou o Opera, mesmo ele sendo o melhor browser de todos os tempos. Aliás, o Opera - como o Mosaic - foi o precursor de uma nova era dos browsers, com features que realmente ajudavam o usuário a se envolver melhor com a web e com um suporte impecável aos padrões.

Não culpe o IE

O Internet Explorer, na minha humilde opinião, não foi a pior coisa que aconteceu para a web. Não mesmo. Não dá para gente direcionar toda a culpa em apenas um dos lados. Eu acho que na verdade não existem culpados, mas se houverem, a culpa deve ser compartilhada pelos devs, browsers e o W3C.

Eu me lembro do W3C aprovando e apoiando o uso de tags como center, font e tantas outras, em vez de avançar de verdade com a especificação do CSS. Ou do Netscape (assim como o IE), criando tags malucas como o elemento <layer>. E os desenvolvedores usando e abusando dessas tags em vez de se envolver e dizer que essa merda tava toda errada.

A culpa, se houver alguma, é de todos.

Extra

Veja um vídeo bem legal feito pela Discovery Science chamado The True Story of the Internet: Browser Wars.

Na verdade, a série inteira chamada The True Story of Internet é sensacional. Fiz essa playlist no canal do Tableless no YouTube para você assistir numa sentada.


One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.