Sobre os pavões do front-end

Um desabafo sobre a autopromoção.

Eu gostava quando o mercado de front-end era mais simples. Quando não haviam tantos eventos. Quando não havia tanta gente querendo ser a estrela da vez. Eu gostava quando o mercado era pequeno, onde a maioria das discussões rolava em listas de discussões. Quando quase não haviam blogs sobre o assunto e os blogueiros que mais falavam tecnologia e também front-end eram profissionais de outras áreas. Eu gostava desse tempo.

Não quero parecer um velho chato ranzinza falando. Mas é que há uma linha muito sutil entre querer se promover e querer que o mercado cresça de forma saudável. Hoje em dia tem tanta gente querendo ser a referência da área que seria trágico se não fosse tão engraçado. Todos eles dizem que estão mudando o mercado. Que você precisa se levantar e fazer alguma coisa. Que você precisa ser ousado e todo o blá blá blá que você já deve ter ouvido falar milhões de vezes por aí. Muitos deles até estão se esforçando para que esse discurso seja real. Em alguns você até consegue ver que estão realmente preocupados com o rumo do mercado. Em outros, fica na cara que eles querem ter seus minutos (ou anos) de fama.

Eu recebo artigos de voluntários todos os dias pelo Tableless. São pessoas que até então estavam anônimas. Todas elas expressam um desejo de compartilhar conhecimento. Muitos deles nunca palestraram, muitos deles nunca nem sequer escreveram um artigo. Mas eles querem ajudar de alguma forma a comunidade a crescer. Eles querem ter voz também. Querem falar para os outros, que como eles, sabem que não precisam ser um showman para ajudar, basta ter vontade.

Não sou contra quem faz self-promotion. Pelo contrário, você precisa de uma pitada de self-promotion para alavancar sua carreira, seu blog, seu nome etc. Se auto promover é algo que você precisa usar, mas usar bem. Uma coisa é se auto promover para se ajudar, outra é se auto promover para ajudar um grupo, um propósito. Também não sou contra alguém querer ter seus minutos de fama. Isso é normal e as vezes é o pagamento para aquele trabalho gratuito que o cara tem feito para a comunidade. O problema é quando a fama se torna a recompensa final.

É por isso que gosto dos tempos antigos. O mercado chegou até aqui por causa de pessoas que dedicavam seu tempo, de graça, para manter fóruns, listas de discussão, encontros semanais, tutoriais e etc por puro amor a profissão.

E esse foi mais um desabafo alheio, sem sentido e gratuito. Pode voltar a fazer coisas mais importantes agora. ;-)


Siga o Tableless | TwitterFacebook ─ RSS

Like what you read? Give Diego Eis a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.