Ela enxergou muito além do cabelo

Flávia Maoli foi diagnosticada aos 23 anos com Linfoma de Hodgkin. Após 4 anos do diagnóstico, ela se dedica a ajudar, quem esteja passando por situação semelhante, através do site Além do Cabelo. O portal criado em 2013, tem o objetivo de ajudar as pessoas que estão passando pela quimioterapia, familiares e amigos de pacientes que tem ou já tiveram câncer. A jovem, que afirma ver muito além da beleza física, fala para nós sobre os tabus da sua vida.

Fotos de Flávia durante e após o tratamento. “Nada é, tudo está”: esse é o lema da vida dela.

Tabuu: A beleza é muito mais que aparência física, isso seria um dos conceitos do site Além do Cabelo? Por quais motivos?

Flavia Maoli: O principal objetivo do Além do Cabelo é trabalhar a autoestima das pessoas que estão enfrentando o câncer. Aumentamos nossa autoestima de diversas formas: nos sentindo bonitas, fazendo nosso melhor perante o que a vida nos apresenta e nos sentindo úteis, para nós e para o mundo. Não podemos negar que a beleza exerce um papel forte na autoestima de qualquer pessoa, mas o maior desafio do meu trabalho é mostrar para as pessoas que é possível se amar — e, inclusive, se sentir bonita — descobrindo novas versões de si mesma.

T: Na página de apresentação do site você coloca que câncer não é escolha, mas bom humor é. Em que momento após o diagnóstico você optou pelo bom humor?

FM: Na primeira vez em que encarei o câncer (em 2011), eu pensava que não tinha escolhido estar doente, e por isso me dava o direito de ficar triste com a situação e alimentar a auto piedade. Na segunda vez (em 2013), eu sabia que o tratamento seria extremamente pesado (um transplante de medula), e entendi que não, eu não havia escolhido ter câncer — mas eu havia escolhido fazer o tratamento. Por mais que não pareça uma decisão, todo mundo que está em tratamento contra o câncer optou por lutar e tentar se curar. Quando percebi isso, vi que meu corpo precisava de mim naquele momento — e manter o bom humor (na maior parte do tempo) é fundamental para reagir bem ao tratamento e aumentar suas chances de cura.

T: A ideia de criar o blog foi para poder passar uma nova visão sobre o câncer e os seus tratamentos. Como você vê o sucesso da página?

FM: O blog surgiu quase como um desabafo, pois eu estava iniciando meu tratamento quando o criei. Hoje já estou saudável e livre de tratamentos — mas continuo vendo a importância de lembrar daquelas pessoas que estão recém começando seus tratamentos e precisam de apoio. Acredito que muito do sucesso do meu trabalho vem da carência por pessoas que encarem a doença de uma forma realmente otimista — e não só tentando “purpurinar” uma situação difícil. Eu incentivo as pessoas a serem felizes durante o tratamento — e não só ficar esperando a cura chegar para, daí sim, seguirem suas vidas.

T: Agora no mês de maio a página completa 2 anos, como está a Flavia Maoli dois anos depois?

FM: Está ótima! (risos) Minha saúde está muito boa, bem disposta e com energia para focar nos meus projetos pessoais e profissionais. Sei que estou só começando minha carreira: ainda quero ir muito mais longe com o Além do Cabelo, o Projeto Camaleão e o que mais surgir! Mas a vida me ensinou a curtir o momento que estou vivendo — e posso dizer que não tenho do que reclamar!

Flávia: “Minha saúde está muito boa, bem disposta e com energia para focar nos meus projetos pessoais e profissionais”.

PERFIL

Nome: Flavia Maoli
Idade: 28 anos
Local de nascimento: Porto Alegre
Apelido: Flavi e Dacinha (para a família)
Maior qualidade: Otimismo
Maior defeito: Estou sempre atrasada
O que mais aprecia em seus amigos: O companheirismo
Atividade favorita: Criar (textos, projetos…)
Felicidade: Ter saúde e problemas solucionáveis
Viagem preferida: Marrocos (fui em 2010)
Cor: Amarelo
Uma flor: Orquídea
Um animal: Cachorro
O que mais detesta: Grosseria
Que dom gostaria de possuir: Gostaria de saber curar
Atual estado de espírito: Esperançosa
Lema de vida: “Nada é. Tudo está.”
Momento preferido do dia: Adoro o por do sol
Uma mania: Estalar os dedos
Uma lembrança de infância: Comer bergamota no sítio
Uma vaidade: Unhas feitas — sempre!
Maior medo: Perder quem eu amo
O que a irrita: Trânsito
Do que não gosta no próprio corpo: Gosto de tudo porque é meu — mesmo que não esteja no padrão estético
O que considera sua maior conquista: Ter tirado A no TCC e me formado durante o tratamento pré transplante de medula óssea.
Maior tesouro: Meus amores
Maior tristeza: Descobrir a recidiva do linfoma (em 2013)
Flavia Maoli em uma palavra: Positiva

Por Vitória Santos

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Tabuu’s story.