Os 10 principais erros ao contratar um novo funcionário

Saiba que erros você pode evitar para não ter a dor de cabeça e os custos de uma má contratação!

Contratar um talento não é uma tarefa fácil, e é sempre um risco. Muitas vezes o candidato causa uma boa primeira impressão, mostra desenvoltura e tem o currículo repleto de conquistas e skills. Parece ser o candidato perfeito para a vaga. Porém, ao começar a sua rotina de trabalho, o cenário muda. O perfil do candidato não se enquadra com a cultura da empresa e algumas habilidades antes descritas não são inteiramente dominadas por ele.

Dessa forma, ele não consegue render o esperado por não estar alinhado com a cultura da empresa e por não conseguir executar todas suas tarefas. Este caso parece comum, não é mesmo? Todos nós já ouvimos falar de alguém que ficou pouco tempo na empresa por não ter fit cultural ou porque foi contratado para um cargo no qual não possui o perfil e nem as habilidades necessárias.

Pensando nisso Mike Del Ponto, co-fundador da Soma (empresa “eco-friendly” de filtragem de água), e Lou Adler, especialista em recrutamento e seleção, identificaram os principais erros ao contratar um novo funcionário. Cada um com sua visão, porém suas ideias são muito complementares. Listamos os principais erros abaixo, com uma visão mais aprofundada de cada um. Siga essas dicas, e encontre o talento certo para sua empresa!

Erro nº1: Superestimar a inteligência

É comum estarmos inclinados a contratar pessoas que nos impressionam por suas linhas de raciocínio, certo? Mas de que adianta contratar o mais inteligente se não houver alinhamento com a cultura da empresa, ou com as competências comportamentais requeridas?

Segundo o americano Daniel Goleman (um dos caras mais feras quando o assunto é o que leva uma pessoa a fazer um trabalho excelente), o QI é responsável apenas por 20% do sucesso de um profissional. Os outros 80% dependem de QE (inteligência emocional), ou seja, como ele consegue ser hábil em termos comportamentais. Afinal, conseguir focar sua inteligência em um trabalho bem feito requer que, primeiro, você esteja em um estado emocional adequado, não é mesmo?

Erro nº2: Excesso de Foco

É preciso ter clareza sobre as habilidades essenciais ao cargo, em primeiro lugar. Em segundo, certificar-se de que o candidato possui todas elas. Não adianta ele ser o melhor em uma competência e não ter as outras desenvolvidas o suficiente para o cargo, certo?

O ex-CRO da Hubspot, Mark Roberge, por exemplo, criou uma verdadeira engenharia na empresa, adquirindo centenas de talentos para o time de vendas com um altíssimo índice de contratações bem-sucedidas graças ao método descrito no livro Sales Acceleration Formula — em que ele validava atributos técnicos e comportamentais dos mais diversos para estimar o potencial de seus talentos.

Erro nº3: Não ter clareza sobre as especificações da vaga

Caso você não tenha os detalhes claros da vaga, responsabilidades e metas que deseja, você não está pronto para selecionar um candidato. Isso é óbvio. Porém David Skok, em seu texto “Aquisição de talentos: o 3º atributo essencial de uma startup”, chama a atenção para o fato de que essas especificações devem incluir também informações como o propósito e a cultura da empresa, ou mesmo da equipe ao qual o talento irá se juntar. Isso melhora a atração de talentos e os guia na experiência como candidatos, permitindo direcionar seus esforços e se mostrar em sua melhor forma.

Erro nº4: Esconder informações

Se você tem essa clareza e todas essas informações sobre o cargo é preciso que você as transmita por completo para os candidatos. Dessa forma eles estarão motivados ao ingressar no cargo, pois sabem exatamente para qual função estão sendo contratados e que possuem as habilidades necessárias para cumprirem suas tarefas.

Mark Suster tem um excelente texto a respeito chamado: ”Why recruiting isn’t over when an employee accepts your offer” . Fica a dica.

Erro nº5: Apressar o processo de contratação

Sempre existe uma certa urgência na hora de contratar e isso não precisa mudar, mas ser canalizado da forma certa. A empresa deve ter estratégias de médio e longo prazo que trazem resultados contínuos e se utilizar de tecnologias que conseguem atrelar velocidade e qualidade na contratação.

A grande maioria dos erros ocorrem porque não foram analisados um número de candidatos suficiente e porque o processo de recrutamento foi feito às pressas e sem o cuidado necessário.

Erro nº6: Não contar com um processo de seleção estruturado

Sem estruturação o processo de contratação pode levar mais do que o esperado e candidatos que não são qualificados para o cargo desejado irão tomar o seu tempo. É preciso ter uma estratégia de como mapeá-los e como selecionar os melhores através de ferramentas e processo dinâmicos e estratégicos.

Erro nº7: Contratações Generalistas

Muitas vezes, um candidato parece ser bom em diversas atividades distintas. Algumas vezes isso pode ser bom para uma empresa que está dando seus primeiros passos, porém à medida que a empresa cresce é preciso contratar especialistas para cada cargo requerido. Eles podem não ser úteis em outras áreas, porém irão executar suas tarefas com precisão.

Isso não quer dizer que muitos talentos tenham efetivamente perfis híbridos e interessados em múltiplos assuntos, mas esses mesmos talentos são facilmente confundidos com profissionais dispersos e sem foco. É preciso uma análise cuidadosa.

Erro nº8: Confiar apenas no currículo

De que adianta ter um bom currículo e não ter o perfil para o cargo? Ou não estar alinhado com a cultura da empresa? O currículo é apenas uma pequena parte do processo de recrutamento, e, na verdade tem se tornado cada vez menos importante.

Quando nossos clientes usam a tecnologia Talent para prospectar e pré-qualificar seus candidatos, por exemplo, o currículo do candidato é convertido em somente uma parte do diagnóstico de fit técnico e ainda é apresentado ao lado de seu fit cultural e comportamental.

Erro nº9: Escolher sempre os sedutores

Muitas vezes o mais comunicativo não é o ideal para o cargo. Não se deixe enganar por encantadores de discursos, alguns gênios, como vemos no clássico comercial de Michael Phelps, trabalham de forma silenciosa e são muito mais fáceis de identificar com testes e desafios bem estruturados do que propriamente nas entrevistas.

(vídeo Phelps)

Erro nº10: Depender dos anúncios de vagas

Os melhores candidatos raramente buscam emprego. É preciso trabalhar sua rede de contatos, a atração passiva de talentos e mesmo a busca ativa, para obter acesso a candidatos que possam atender aos seus objetivos. Aqui na Talent, por exemplo, temos tecnologias que te ajudam nessas três frentes.

Conclusão

Esses são alguns dos principais erros de contratação presentes hoje em nosso mercado. Esperamos muito que você não cometa nenhum deles, mas se estiver preocupado com esse risco, é só mandar um e-mail para mim — nicholas@talentbrand.com.br. Boa sorte em suas contratações, e se precisar é só chamar. ;)

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.