Sonhos #1

(1. Aqui eu vou pedir licença para registrar alguns sonhos. Como tenho me lembrado muito esporadicamente deles, acho importante guardar. Há algum tempo eu vi a JoutJout dizendo em um vídeo que ninguém está interessado nos sonhos dos outros — o que não se aplica a mim; eu acho sonhos fascinantes — , então fiquem à vontade para fechar a aba. 2. A palavra ‘sonho’, como vocês perceberam, se repete aqui sem parar; parte porque eu estou ainda com sono, parte porque é ruim de achar sinônimo pra isso, hein?)

_

Ontem eu sonhei com um amigo que não vejo já há uns bons meses. Não foi ultra-psicodélico, o que foi a primeira razão para me chamar a atenção, já que normalmente eu sonho coisas como ter o Ozzy Osbourne como vizinho ou robôs gigantes devastando a cidade.

No sonho, eu chegava a uma igreja. De alguma forma eu sei que ele é a continuação de algum outro que eu estava tendo antes, mas só lembro a partir daí. Enfim, chegava a uma igreja. Via uma escadaria de fora, entrava. Também sei que havia outras pessoas comigo antes, mas nesse momento eu ficava sozinha.

Lá dentro, eu o avistava no altar, no meio de outros 5 ou 6 rapazes. Olhei ao redor e vi os irmãos dele — um deles é padre, então até aí, nenhum mistério, apesar de ele, o padre, estar vestindo um avental preto e estar na porta recepcionando pessoas; eu sabia que ele era padre ali, mas a figura não condizia. O irmão mais novo estava trajado como ele, e essa é a parte intrigante.

Ele, o irmão mais novo e todos os outros rapazes vestiam ternos. Por cima, um tallit judaico branco e azul e um kippah branco na cabeça. Ele me contou certa vez que tem origens judaicas em alguma parte da família, mas isso já faz 16 anos. Nunca mais se tocou no assunto e não existe qualquer razão para eu ter feito essa associação agora, já que a família toda é católica praticante e esse é o contexto em que eu os imagino. Weird little subconscious mind.

No sonho, eu também achei isso particularmente intrigante. Super normal um grupo de rapazes judeus no altar de uma igreja, né. Fui até ele. Eles estavam todos celebrando, se cumprimentando. Já não me lembro muito dessa parte. Sei que conversamos. Até que alguém chamou a atenção dele para uma foto. Ele segurou minha mão e começou a posar, mas eu pedi desculpas, disse qualquer coisa sobre não atrapalhar a comemoração, e fui embora.

Daqui: http://www.myjewishlearning.com/article/jews-non-jews-101/

Enfim, como disse lá em cima, me chamou a atenção por não ser um sonho totalmente surreal. Apesar do mashup judaico-cristão. Cheguei até a me perguntar se aquilo era uma igreja mesmo e não um templo, mas lá eu sabia que era igreja. E tinha padre.

Acaba aí. Acordei e, como todos os sonhos que não são totalmente impossíveis de interpretar ou óbvias alusões a coisas que eu vi durante o dia, ele ficou lá no fundo da minha cabeça o dia todo. Por isso estou anotando. Qualquer hora, interpreto.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.