O PISA 2015 e a profissão de professor no Brasil

Recentemente saíram os resultados da edição 2015 do PISA — Programming for International Student Assessment (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes), no qual o Brasil obteve a indicativa 63ª posição entre 70 países.

Fonte: PISA 2015 | Elaboração própria

A repercussão centrou-se no mau desempenho geral dos estudantes (e o Ministério da Educação ainda se esforçou para ressaltar os aspectos negativos e esconder a Coreia dentro do Brasil).

O PISA 2015, porém, incluiu também uma modalidade voltada aos professores, como parte de uma ampla pesquisa sobre o contexto educacional dos estudantes participantes do exame.

Peguei os dados e dei uma olhada para verificar o que há ali. Aqui aprensento apenas alguns gráficos relativos às respostas dos professores, mas os dados permitem olhar muito além do desempenho dos alunos. Talvez isso ajude a explicar o mau resultado.

As avaliações de larga escala em geral mais ajudam a fazer perguntas que apontam respostas. Mas os dados são representativos.

1. O Brasil é um dos países onde há mais professores trabalhando em tempo parcial

Fonte: PISA 2015 | Elaboração própria

2. Quase um terço dos professores brasileiros trabalham em mais de uma escola

Fonte: PISA 2015 | Elaboração própria

3. Os professores no Brasil trabalham em muitas escolas durante a carreira

4. Um quarto dos professores no Brasil estão insatisfeitos

Fonte: PISA 2015 | Elaboração própria

5. Um quinto dos professores deixariam a profissão se tivessem oportunidade

Fonte: PISA 2015 | Elaboração própria

6. Quase a metade dos professores acham que é desvantajoso ser professor

Fonte: PISA 2015 | Elaboração própria
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.