A videochamada aproximando pessoas

Qual a maior dificuldade em sair da casa de seus pais, para fazer faculdade em outra cidade? Essa pergunta foi realizada de forma informal, durante uma conversa, para 20 pessoas que saíram de casa cedo para estudar longe de casa e não foi muita novidade a unanimidade na resposta: a saudade de amigos e familiares.

Como fazer para matar essa saudade? Apesar das respostas mais comuns serem: manter-se em contato por redes sociais e comunicadores instantâneos como o WhatsApp ou ligações telefônicas, a que mostrou ser mais eficaz e comum entre os entrevistados foi a videochamada, seja por Skype, Hangout ou FaceTime (que foram as citadas). Apesar de ser realizada com menor frequência dentre os entrevistados, a videochamada para Bernardo Henrique, é a que "dá a sensação de proximidade e aparenta saciar a saudade em quase todos os sentidos porque é tudo em tempo real, que não é a mesma experiência que se tem só em texto, áudio ou foto".

Essa tendência mostrou não só estar ligada a conversas informais como está cada dia mais presente em empresas. Um dos entrevistados, José Orlando, relatou também que as reuniões em sua empresa são realizadas através de Hangouts (videochamada do Google) e com isso a equipe não precisa necessariamente estar fisicamente presente, conseguindo resolver todos os problemas com a mesma pessoalidade de uma reunião presencial e com a liberdade de estar em qualquer lugar.

A videochamada não é necessariamente uma novidade tecnológica, mas devido aos avanços tecnológicos, como o aumento da velocidade da internet e melhorias na compressão de dados, ela está cada dia mais presente em nossas vidas.

Videochamada em andamento no WhatsApp (TecMundo)

Não é por menos que o comunicador instantâneo mais popular do momento, o WhatsApp, está implementando este recurso seguindo a tendência dos seus concorrentes. Segundo o site TecMundo esta funcionalidade já está liberada, porém é necessário receber um convite para poder utilizá-la.

Para os entrevistados a relação video/audio/tempo real é o fator determinante para conseguir matar um pouco da saudade, aproximando-os virtualmente de pessoas fundamentais em suas vidas, tendo também a versatilidade de não precisar estar em um lugar físico específico. Não equivale a um abraço, não é a solução, mas para os entrevistados é uma ajuda para aguentar a distância e matar um pouco dessa saudade.

Like what you read? Give Carol Lima a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.