Jurassic Park influenciou o presente?

comprada por um bilionário. Com o objetivo de dar vida novamente aos dinossauros, esse mesmo homem contrata uma equipe de geneticistas, altamente qualificados, que usam da engenharia genética para cumprir sua missão. Quando diversas espécimes conseguem ser geradas, esse senhor abre um parque temático que permite a todos que visitem e conheçam mais sobre os jurássicos.

O filme foi lançado em 1993, obteve alto rendimento e trouxe uma inovação técnica que revolucionou a forma de fazer filmes. Mas o que importa para esse artigo são as tecnologias que ele trouxe, e não as tecnologias de produção, mas sim aquelas que os personagens do filme usavam e interagiam. Como foi estreado em uma época em que a tecnologia não possuía mesmo alcance que hoje, os artefatos que ele apresentava eram impactantes e causavam uma reflexão sobre o futuro.

Muitos desses aparelhos acabaram sendo criados no futuro e fazem parte do momento presente. Logo no começo do filme o paleontólogo Dr. Alan Grant (Sam Neill) lança sob a terra um radar que possibilita a “scanear” o que há em baixo de seus pés. Sim esse equipamento já existia antes do filme, foi muito usado durante a guerra para localizar submarinos. Mas hoje ele é muito mais popular, utilizado na pesca e no estudo sobre o oceano, esse atual função se aproxima muito do filme, a diferença é que ao invés de “caçar” dinossauros “caça-se” peixes e espécies marinhas.

Outra tendência atual encontrada é o uso de vídeos de animação instrucionais. Esse não é um artefato mas está muito presente em nossas vidas, como uma forma divertida de educar e informar sobre algum assunto mais complexo e sério. No longa a animação instrucional é usada para explicar para os visitantes do parque como foi possível reviver os dinossauros.

Os carros elétricos também marcam presença, e esses veículos também possuíam o que os personagens chamavam de “cd-rom” interativo. É claro que esses produtos não são exatamente iguais hoje. Os carros da obra só andam sob trilhos, sabemos que isso não é necessário. E os cd-rom’s interativos são o que chamamos de sistema de navegação para carros. Além disso no filme os carros podem ser monitorados e indicados ao caminho desejado, alguma semelhança com o gps?

Mas aquilo que merece maior destaque é o sistema computacional do parque. Esse sistema estar ligado em toda a ilha, dês da alimentação dos animais até as cercas elétricas. Nada mais é do que a internet das coisas, sistema que interliga os itens usados no dia a dia em uma única rede, mesclando o mundo físico com o digital. E é exatamente isso que se passa na atração, tudo pode ser controlado por um sistema unificado.

No longa-metragem esse sistema é burlado por um nerd ganancioso, e essa atitude acaba por gerar uma série de tragédias e problemas para a “comunidade” do mundo perdido dos dinossauros. Será esse o nosso fim? O caos descontrolado devido a um sistema computacional falho? Será que mais uma vez Jurassic Park previu o futuro?

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.