Onomatopéias Virtuais, Huehuehuehue.

A pesquisa de campo em design de interação é de grande importância para a qualidade de um projeto. Ela pode determinar o rumo das pesquisas através da constatação de pequenos detalhes que podem passar despercebido. Quanto mais fontes de informações o designer se cerca mais possibilidades exploratórias ele tem em concluir um projeto com assertividade. Na pesquisa de campo elaborada foi observado uma tendência digital que é praticada por muitos e percebida por poucos. Diversas pessoas foram analisadas quanto a forma de se relacionar, se posicionar e se comunicar através do chat. As formas de conversação no chat acabaram banalizando uma das formas de expressão genuína do ser humano, a risada. Assim como a língua falada em determinado local, a risada virtual também varia de acordo com a localidade. Os famigerados "kkkkkkk", "hahahaha", "hehehe"” "hihihi" e o meia boca "rsrsrsrs" são os mais difundidos no território nacional. Além de uma nova forma de variadas abreviações as risadas foram resignificadas no meio digital. Ao passo que estamos muito atrelados ao meio virtual, ao passo que nos projetamos em avatares nas redes sociais nosso comportamento transita facilmente entre convívio físico e convívio real. Nossas emoções e formas de nos expressar são influenciadas diretamente pelo famoso vício, ou pela vivência em uma realidade ou outra.

Quantificando a risada virtual.

A questão específica analisada é a forma como as pessoas têm usado a risada em suas expressões virtuais. O meio digital, se tomado pelas externalizações de humor pode ser considerado um âmbito de risadagem e felicidade. A quantidade de hahaha e hehehe por pixel quadrado realmente não está no gibi. Tamanha a sua exploração que virou mecanismo de defesa em meio a falta de interpretação de texto e a falta de entonação presente no meio digital. De onomatopéia a eufemismo, do papel ao virtual. Atualmente esses termos, ou onomatopéias virtuais servem de eufemismo e são utilizados fora de contexto com bastante frequência. Foram analisadas diversas conversas em que as onomatopéias virtuais foram utilizadas fora da etiqueta virtual, ou melhor, fora de contexto! Conversas com teor sério foram inundadas com quebra gelos diversos. A turma do hahaha vem em peso desconfigurar o teor da conversa e a turma do huehuehue já tira do meio digital e sorri assim ao vivo. A turma do lol também. Mas o que será que faz essas pessoas perderem o parâmetro? A norma atual é levar o teor da conversa para a brincadeira ou amenizar alguma coisa? Durante a pesquisa me fez lembrar das videochamadas em que em algum momento do diálogo misto composto de vídeo e chat a pessoa está com seu rosto aparecendo na webcam e digitando no chat e em determinado momento, em uma conversar com teor humorístico, por exemplo, a pessoa sorri virtualmente, ou seja, ela se utiliza apenas das famigeradas onomatopéias digitais e ao passo que enche o chat com o famoso kkkkkk o rosto não acompanha o entusiasmo e permanece o mesmo, sem a sua correspondente expressão facil. O que me fez pensar nessa analogia em que as pessoas não riem, de fato, elas quebram o gelo, elas mudam o teor da conversa, elas fazem de tudo, menos sorrir verdadeiramente. Afinal, quem tem tempo para gargalhadas? rs.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.