Sou um jovem embaixador. E agora?

2 de novembro de 2015, 01:34.
64 dias para a viagem, 4 dias após o anúncio dos jovens embaixadores 2016.

Não sei bem como começar esse texto. Alguns meses atrás, eu jamais imaginaria que isso estaria acontecendo. Não sei como eu, um pequeno menino de 15 anos em uma cidade gigantesca como Manaus, sou portador de tamanho privilégio. É tudo tão assustadoramente novo e revigorante que as palavras fogem de minha cabeça e mergulham em um poço de expectativas e ansiedade.

Para saber mais sobre o Programa Jovens Embaixadores, clique aqui.

Em setembro, sentei em uma das cadeiras de uma sala aleatória do ICBEU-Manaus e fiz a tão comentada prova. Lá, naquele momento, eu não estava tão esperançoso. Os adolescentes selecionados geralmente estão no segundo ou terceiro ano do ensino médio, e eu ainda estou no primeiro. Além disso, pessoas incríveis também realizavam a prova, com uma determinação arrebatadora e com pensamentos visionários. Tentei deixar minha personalidade transparecer naquele teste, sendo honesto nas questões, e eu saí da sala satisfeito com meu desempenho. Ainda assim, aquela insegurança batia.

Fui aprovado para a prova oral. Fiquei bastante feliz, de verdade. Me aproximei dos outros aprovados e pude ver que compartilhávamos várias características semelhantes. Foi muito bom poder construir uma amizade com pessoas que alguns considerariam “concorrentes”. Eles eram demais, e eu não os via desse jeito. Mantivemos algum contato pelo celular, divulgando novidades sobre o programa.

Quando recebi a ligação de que tinha passado para a etapa da visita, eu me surpreendi. Até então, toda a experiência tinha sido encarada por mim como um sonho, fora de minha realidade. Quando soube que eu era um finalista, tudo se encheu de esperança. Eu estava feliz comigo mesmo, com tudo o que eu tinha feito e com tudo o que eu puderia fazer a partir dali. Recebi a visita de bom grado, e a moça do ICBEU era bastante gentil. Fiquei um pouco tímido com as fotos, mas nada que eu não pudesse encarar. A visita foi rápida, e abruptamente era só eu e minha esperança. Agora só restava torcer e esperar.

Os dias foram passando, e, aos poucos, o programa foi ocupando segundo plano em minha vida. Muitos amigos passavam por mim e perguntavam sobre o resultado da seleção, mas o meu movimento negativo de cabeça confirmava que ele ainda não saíra. Foi um mês de espera.

Dia 29 de outubro, a página do Facebook dos Jovens Embaixadores anunciou os 50 privilegiados jovens que embarcariam nas aventuras do programa em 2016. Cliquei no link que mostrava as fotos dos selecionados, estava bastante nervoso. A internet estava bastante ruim, então não consegui ver direito as imagens. Entretanto, havia um menino de camisa vermelha entre os selecionados. Ele se parecia comigo.

Corri para o computador para confirmar a notícia: eu sou um jovem embaixador 2016! Dá para acreditar? No momento, eu apenas quero que novembro e dezembro passem voando e que janeiro chegue logo. Minhas expectativas para o programa são altas, mas creio que todas elas serão supridas.

Dia 9 de janeiro de 2016, estarei embarcando em direção aos Estados Unidos da América, o país mais rico, a maior potência mundial de nosso século. Espero que eu aprenda o máximo o que eu puder, moralmente e intelectualmente, para que eu possa difundir todo esse conhecimento no meu dia a dia. Espero conhecer pessoas incríveis, que expandam minha perspectiva de vida. Espero colecionar e criar momentos incríveis. Espero que essas sejam as três semanas da minha vida.

Chega logo, Janeiro!