O silêncio intencional como técnica em teste de usabilidade

Elisa Volpato
May 27 · 5 min read

Sabe quando você está conversando com alguém e de repente o papo acaba, deixando um silêncio no ar? A maioria das pessoas fica desconfortável e acaba “preenchendo o espaço” com algum comentário:

O tempo deu uma esquentada, não é mesmo?

Apesar de gerar desconforto por uma questão social, quando bem utilizado o silêncio pode ser uma técnica útil em pesquisa com usuários. Ficar em silêncio e não “preencher o vazio” pode servir como forma de estimular a reflexão. Você dá tempo para o participante refletir e organizar os pensamentos e pode conseguir respostas mais profundas em uma sessão de entrevista ou teste de usabilidade.

Em um artigo no blog da Nielsen Norman, a especialista em pesquisa com usuários faz uma reflexão sobre o silêncio como técnica de pesquisa, traçando paralelos com outras áreas: o silêncio é muito útil em discursos políticos e como técnica de vendas, por exemplo. Vale a pena ler o artigo original, com exemplos em texto e áudio (em inglês).

Kate sugere um silêncio contado de 7 segundos. Em um estudo feito nos Estados Unidos, os pesquisadores perceberam que bastavam 4 segundos de silêncio para criar aquela sensação de estranhamento entre os participantes da conversa. Então aguarde os quatro segundos e se mantenha firme. Com mais alguns segundos de silêncio, provavelmente o participante vai conseguir organizar os pensamentos e falar.

Inspirados no texto da Kate, a seguir colocamos alguns exemplos de situações em que o silêncio pode ser a melhor estratégia.

Exemplo ruim: participante dá uma resposta rasa, moderador segue adiante

Moderador: Me conte um pouco sobre o seu processo para alugar um novo apartamento.
Participante: Ah, foi bem tranquilo. Eu busquei em alguns sites e me mudei em uma semana.
Moderador: Legal, então vamos para a primeira tarefa.

Neste exemplo, o participante respondeu apenas o mínimo necessário para cumprir o que o moderador pediu. Mas foi muito raso e provavelmente não trouxe muitos insights interessantes para o projeto.

Exemplo bom: silêncio intencional convida o participante a detalhar o processo

Moderador: Me conte um pouco sobre o seu processo para alugar um novo apartamento.
Participante: Ah, foi bem tranquilo. Eu busquei em alguns sites e me mudei em uma semana.
Moderador: … [Silêncio intencional]
Participante: Ah, mas isso foi só quando eu decidi ir para a internet. Eu já tinha procurado por quase um mês só olhando as plaquinhas de “aluga-se” lá perto de casa. Eu queria muito que fosse no meu bairro, a Vila Mariana. Os sites geralmente não têm foto da fachada do prédio, então achei mais fácil procurar andando pela rua, mesmo.

No exemplo acima, o silêncio do moderador deu tempo para o participante completar o pensamento. E funciona como uma discreta dica de que era esperado uma resposta um pouco maior.

Exemplo ruim: completar a frase do participante

Moderador: Mostre-me como faria para alugar um novo apartamento para você.
Participante: OK, eu primeiro procuro por algo aqui na Vila Mariana. Então eu vou pelo mapa. Mas eu queria algo pequeno, talvez, não sei…
Moderador: Um estúdio?
Participante: Eeer, sim, isso, pode ser. Vou procurar estúdios.

Ao completar a frase do participante, você pode interromper a trilha de pensamento que estava em andamento. Antes que ele descubra o que queria dizer, você completou — e pode ter influenciado a resposta. Se, ao invés disso, você utilizar um silêncio intencional, pode conseguir uma resposta mais interessante e mais próxima da realidade do participante. Veja o exemplo a seguir.

Exemplo bom: silêncio para que o participante consiga finalizar o pensamento e navegação

Moderador: Mostre-me como faria para alugar um novo apartamento para você.
Participante: OK, eu primeiro procuro por algo aqui na Vila Mariana. Então eu vou pelo mapa. Mas eu queria algo pequeno, talvez, não sei…
Moderador: [Silêncio intencional]
Participante: não sei como chama. Mas são esses apartamentos pequeninos sem divisão entre sala e quarto. Acho que é quitinete, que chama. Seria bom se eu pudesse buscar pela metragem, mas não tô encontrando aqui. Não tem quitinete, né? Só esse “estúdio”, mas acho que isso é para imóveis comerciais.

Ao ficar em silêncio, você permite que o participante reflita sobre o que está fazendo e deixa ele pensar em voz alta tranquilamente, como você pediu ao começo do teste. No exemplo acima, o participante nem sabia o que era um estúdio (apartamento pequeno com apenas um cômodo). E ao completar a frase, você pode entregar a resposta e perder a chance de descobrir um problema na nomenclatura dos tipos de imóveis no site.

E o que fazer em vez de falar?

Em primeiro lugar, controle a ansiedade. Use a linguagem corporal para demonstrar interesse. Mantenha contato visual, com o corpo virado para o participante e atento ao que ele está falando e fazendo. Se você não resiste a falar alguma coisa, use algumas palavras para encorajar o participante a explorar mais e ir mais a fundo, como “fale mais sobre isso”. E se você precisar disfarçar ou preencher o silêncio de alguma forma, um truque é beber um copo da água (ou comer uma coxinha).

Também é importante não exagerar: se a pessoa faz uma pergunta direcionada a você, é melhor responder. Mesmo que seja com outra pergunta:

Participante: OK, eu primeiro procuro por algo aqui na Vila Mariana. Então eu vou pelo mapa. Mas eu queria algo pequeno, talvez, não sei…
Moderador: [Silêncio intencional]
Participante: ...não sei como chama. Você sabe como se chamam esses apartamentos de 1 quarto só?
Moderador: Olha, este é um daqueles momentos em que eu disse que não poderia responder a sua pergunta, lembra? Como você faria para descobrir essa informação sozinho?

Em um teste de usabilidade o foco do moderador deve ser mais na observação do que o participante diz. É bom sempre se policiar para não perguntar demais para não interromper o que a pessoa está fazendo ou interromper um fluxo de pensamento. Um teste de usabilidade não é uma conversa. E como geralmente pedimos para o participante pensar em voz alta, nem tudo que ele diz é esperando uma resposta sua. E se você não consegue parar de pensar em perguntas para fazer, anote para perguntar no final.

ps. Se você não resiste a um bom silêncio, um teste não moderado pode ser uma boa ideia! Dê um olhada em como o TESTR funciona — e marque um papo com a gente. ;)



Originally published at TESTR Blog.

TESTR

Teste de usabilidade remoto

Elisa Volpato

Written by

Trabalhando com UX desde 2005. Co-fundadora do TESTR (testes ágeis de QA a UX) e professora.

TESTR

TESTR

Teste de usabilidade remoto

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade