É tudo uma questão de amizade, não é?

Nessa era de política exacerbada, manter amizades com gente que tem ideologias diversas à sua parece fadado ao fracasso: há gente que se acha o putão da parada e manda “não tem que ter diálogo com X”, há gente que quer pagar de Gandhi e manda o “ah não mas você ignorar diálogo com X é se manter no escuro”. A real é que quem tem uma ideia pronta não vai mudar porque o amigo fica mandando meme idiota e espantalho na timeline o tempo todo, ele vai é se emputecer e pensar “caralho, que puta moleque burro do cacete”. Quem pretende se autocriticar e repensar suas escolhas sempre vai o fazer não porque alguém postou um meme do ILISP ou do Anarcomiguxos ou um textão melodramático de feministas radicais, vai mudar de ideia porque essa intenção parte de si mesmo, aquela vozinha que diz “hmm, talvez eu devesse olhar mais a fundo sobre isso”. Aquela clássica de que para tratar o problema é preciso primeiro que a pessoa reconheça o problema e queira ser ajudado.

Não adianta fingir uma amizade com quem agora só sabe falar de política e enfiar um #ForaTemer ou #MelhorJairSeAcostumando até no cu se for possível (enfiar bits de informação digital no cu), não adianta fingir amizade com quem agora para tudo que está fazendo para chegar em você e te criticar porque você mandou uma microagressão em falar “os alunos” em vez de “xs alunxs”, não adianta fingir amizade com quem tá puto contigo porque você votou no Doria — não que ele quisesse que você tivesse votado no Haddad, queria é que você estivesse rolando em Doria Guilt e falando que ele não é a direita real, que ele é socialista fabiano, que a única direita é outra. Não adianta fingir amizade com quem acha que você não dedicar tua vida e teu tempo a assunto X significa que você é conivente com alguma tragédia aí e que trabalha ativamente para que populações inteiras morram.

Deixa isso de lado — a amizade morreu há muito tempo. Se não conseguem mais manter um papo sobre videogames, animes, mangás, livros e coisas como K-pop, séries, filmes da Marvel e sei lá o que mais os normies curtem; ou se tudo isso no final sempre vai cair na política e vai encher a porra do saco, a amizade realmente já morreu há muito tempo.

E tudo bem, porque nem tudo dura para sempre, e é de bom gosto pessoas adultas reconhecerem que não têm mais nada em comum e que às vezes é assim mesmo. Daqui a uns anos isso pode mudar, daqui a alguns anos os gostos podem voltar a ser em comum. Pode ser que não. Mas antes que as relações se deteriorem ainda mais, que um fique ainda mais puto com o outro, será que não é melhor parar?

Dar um mute e dar um tempo?

The Legend of Zelda: Majora’s Mask (Nintendo, 2000, N64)
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.