Projetos pessoais pt. I #009

2016 é ano 9, simboliza todo o potencial de ser um ano para se realizar grandes sonhos, juntinho com a angústia existencial e as novas experiências. Fui perceber só agora, pensando na pauta para o texto de hoje, que 2016 me bateu sério com projetos pessoais. Grandes ou pequenos, pra mim são todos bem relevantes e essa é só a primeira parte deles - ao longo do tempo, vou destrinchando os outros. Sempre acredito neles como uma força motriz para ser cada vez mais, e que, ao mesmo tempo, depende da mim pra acontecer e evoluir. Um ciclo vicioso.

Vou começar com um projeto pequeno chamado meu quarto. Realidades à parte, é um panorama de quem mora, trampa e se vira em São Paulo como pode (hashtag classe média sofre). Por essas e outras, tentei organizar algumas ideias simples em relação ao meu cômodo preferido da casa. Ideias estas que não estão lá muito perto de ficarem prontas, mas estão encaminhadas:

  1. Decidi não ter armários e preferi mandar fazer dois cabideiros: um para camisetas (dispostas em ordem de cor SIM!) e outro para camisas e jaquetas. É mais fácil de visualizar, organizar e trabalhar combinações diversas quando se tem uma visão completa do guarda-roupa, principalmente por estarem perto dos tênis, que ficam também em ordem de cor, embaixo dos cabideiros. Ter cabideiros ocupa mais espaço? Sim, mas encaro as peças não como mobília, mas como uma decoração diferente e funcional.
  2. Beleza, mas e as bugingangas, cuecas, meias, acessórios, roupas de cama, toalhas, camisetas zoadas pra ficar em casa/ fazer exercícios (risos), calças e bermudas? Tiveram que ficar em duas malas, foi um sentimento quase eterno de como lidar?. Precisaria de um móvel médio que coubesse pelo menos parte das coisas, mas que não tirasse o resto de espaço que sobrou do quarto. Por isso, comprei uma cômoda de 4 gavetas, que cumpre bem o papel. Consegui esvaziar uma mala bem grande e deixei as camisetas, algumas calças e bermudas que não uso muito dentro de uma mala pequena.
  3. Mas e as bugingangas??? Como tinha acabado de vir de uma fase desnecessariamente consumista com tênis, já tinha um plano para duas ou três caixas. Sim, guardar as pequenas coisas que não eram descartáveis, mas que ocupavam espaço. Aproveitei e fiz um kit de primeiros socorros com curativos e demais remedinhos, caso precisasse. As toalhas e roupas de cama eu acabei acomodando em uma caixa plástica maior no cantinho do quarto, junto às outras caixas e o cabideiro. Discreto e fora do meio. 🌚
  4. Poxa, podia rolar uma decoração mais bonitinha e com mais cuidado, né? Sim, então comprei nichos e prateleiras, e fiz uma divisão sensata, pra tentar tirar os tons de madeira e branco que exalavam no meu quarto. Nos nichos, coloquei um saleiro e pimenteiro de unicórnios que eu ganhei de presente dos chefes (que obviamente não iam cumprir sua função de porta-temperos). Já nos nichos, sabonetinhos e cheirinhos em formato de caveira em tons de azul, trabalhando em plena função sinestésica (trabalho artesanal e cheio de amor, obrigado mamãe!).
  5. Pra complementar o item anterior, posters na parede, que precisam ser um item à parte. Até porque, eles ainda estão em processo de criação e desenvolvimento (de orçamento), mas não por muito tempo. Por enquanto, as cores da minha parede são compostas por posters diversos: flyer de exposição fotográfica dos amigos, My Beautiful Dark Twisted Fantasy do Kanye West, show da MØ no Brasil e desenho do meu irmãozinho (falta um da minha irmãzinha!). Num futuro próximo vão ter algumas várias referências Tumblr-Pinterest e outras dos amigos designers, oremos.
  6. Não existe nada mais impessoal e hospitalar que luz branca. Aquela iluminação irradiada nas salas de Ensino Médio não acrescenta em nada e só serve para deixar o ambiente mais frio. Ainda em standby.

Acho que um projeto pessoal só vira um projeto pessoal mesmo quando você rumina, investe uns neurônios e colhe algumas coisas legais no caminho. Essa visão de meu quarto, minha casa é algo muito recente e que eu venho trabalhando melhor no último ano, acho que por isso venho pensando tanto - mas nada que me desgaste. Como todo projeto pessoal, muita coisa já feita, muita coisa a ser feita e muita coisa ainda a ser modificada. Ciclo da vida.

Depois de tanto ler sobre meu quarto, conta pra mim sobre um projeto que também tem significado pra você.

Like what you read? Give Thiago Loreto a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.