Projetos pessoais pt. II #033

Eu virei um projeto de mim mesmo esse ano, ainda com uma disciplina crescente, mas resolvi dar um giro 180º.

Se você não leu a parte I, pode ler aqui, que faz parte do projeto macro de escrever 1 texto por dia durante 1 ano.

Comecei a semana falando de música, mas não tem jeito, é uma relação quase que sinestésica com a gente. Pelo menos comigo, desde que eu vestia as botas cowboy meu pai pra imitar a Xuxa nos anos 90. A música sempre me levou pra outros lugares, outras memórias de épocas específicas, lembranças de comidas fantásticas, enfim. Todas as microfases vida têm uma trilha sonora que faça sentido.

Spotify existe pra gente fazer apanhados de vários estilos, amigxs, bandas e playlists diferentes. Ah, as playlists! Uma pra ficar felizinho, alegre e contente, outra quando pra quando sua mente pertencer às trevas negras e azuis. Para se exercitar, acordar, dormir, arrumar a casa e para mais infinitos estados de espírito. Possibilidades de criar inspirações sonoras baseadas no humor não faltam e são sempre necessárias.

Minhas playlists em 2015 têm variações de humor bem definidos e divergentes. Esse ano eu resolvi fazer as minhas de um jeitinho contrário do que eu costumava fazer. Com o intuito principal de descobrir músicas novas e ter memórias sonoras específicas, comecei a fazer playlists mensais. Vou jogando todas as que me provocam reações e sensações boas. Já repesquei algumas músicas mais antigas e descobri outras sensacionais, e a cada mês que se inicia, uma playlist nova, religiosamente. Estamos no mês 04, a quantidade de músicas em cada uma só vai aumentando, e acredito que no final de 2016, todas elas vão compor uma trilha sonora muito especial das coisas que aconteceram no meu ano.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.