Time Wblio
Published in

Time Wblio

Da série… faz sentido?

Em um mundo digital e volátil, a Estratégia dos Negócios tem sido questionada na maioria das organizações.

Faz sentido dar tanta importância para a Estratégia dos Negócios em tempos tão “digitais”?

Esta é uma questão que comumente temos escutado das principais Lideranças Corporativas, sejam elas do setor privado ou do setor público. Afinal, faz sentido dedicar tempo revisitando a Estratégia que observa o futuro a médio e longo prazos em um mundo tão VICA(VUCA)? Tão Volátil, Incerto, Complexo e Ambíguo?

VUCA — Modelo tradicional de gestão de riscos

Estamos observando que tudo, ou praticamente tudo, vem mudando de forma constante e evolui de modo quase exponencial. Quando falamos sobre comportamento do consumidor, do cliente, sobre mercados, melhores práticas e, principalmente, em relação a aplicação e disponibilidade de novas metodologias e tecnologias, essas mudanças se tornam ainda mais latentes. Adiantaria, então, consumir tempo e energia com um tema tão áspero e rígido quanto a Estratégia dos Negócios?

Entendemos que a melhor resposta é… SIM. Um grande e tremendo SIM, em caixa alta mesmo! Isso se torna mais importante se a questão está relacionada à estratégia digital, ou seja, o jeito que sua empresa vai sobreviver e prosperar em um mundo digitalizado. Abdicar de revisitar a Estratégia dos Negócios porque o ambiente está mudando e evoluindo de modo exponencial, seria o mesmo comportamento de um piloto de uma grande aeronave deixar de observar o mapa de voo, sua rota, seu plano, seus principais instrumentos e medidores, simplesmente porque está em meio a uma tempestade. Pelo contrário, quando o piloto ou a cabine de comando enfrenta intempéries mais graves, é nesse quadro que a atenção é redobrada em relação aos instrumentos de navegação (Gestão) do voo. Abandonar um dos mais importantes instrumentos de gestão como a Estratégia e seus OKRs (Objective Key Results), seria pôr em risco todo o ecossistema envolto da aeronave, além da sua organização.

O que vimos aconselhando aos principais executivos e boards das organizações é no sentido de criar Estratégias dinâmicas, flexíveis, objetivas e que possam ser comunicadas de modo simples e assimilável. Estratégias que venham acompanhadas de flexibilidade e agilidade na sua adaptação às mudanças tão constantes. Estratégias rígidas não fazem mais sentido, ponto!

A pergunta seguinte seria: Mas como desenvolver uma Estratégia com essas características? Existem hoje metodologias e técnicas gerenciais que possibilitam o alinhamento das visões das lideranças e a criação de um mapa estratégico dinâmico que estimula a participação e a co-criação dos envolvidos. Um dos maiores desafios atualmente é obter esse alinhamento. A comunicação passa a ser aspecto fundamental e a utilização de técnicas e métodos ágeis vêm concorrendo para a facilitação nessa direção.

Observar o que se deseja, para onde ir e caminhos alternativos, é o que sempre desafiou os executivos, mas agora se soma a esses desafios a criação de um roadmap dinâmico que resulte também em planos adaptáveis e flexíveis. O segredo tem sido envolver e estimular os líderes das organizações a pensar o novo e o futuro sem engessá-lo. É como trocar de roupa enquanto se caminha, sem tropeçar, e ao conseguir trocá-la, estar preparado a fazê-lo novamente, logo em seguida.

• Celso Chapinotte — Sócio e Head of Advisory da Wblio.

Para saber como podemos te ajudar a viabilizar a Transformação Digital, mande um e-mail para celso.chapinotte@wblio.com ou acesse www.wblio.com

--

--

Ative os resultados da Transformação Digital da sua empresa.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store