Sequenciamento completo do genoma pode impulsionar busca por fatores de risco do autismo

Tismoo
Tismoo
Mar 9, 2018 · 2 min read
Crédito da imagem: KobizMedia/ Korea Bizwire

Mapeamentos do genoma de famílias que possuem uma única pessoa com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) podem revelar mutações espontâneas. Entenda.

Desde o início do ano temos falado bastante sobre a importância do sequenciamento completo do genoma para os estudos e investigações sobre o autismo. Contribuindo para aumentar os dados disponíveis, cientistas liberaram no ano passado quase 7 mil sequências de genoma total de 1.800 famílias que possuem uma única criança autista entre seus membros. As informações compartilhadas revelaram mutações espontâneas, ou seja, que não foram herdadas dos pais (também conhecidas como “mutações de novo”), contribuindo na busca por fatores de risco do TEA e possibilitando novas descobertas.

Financiada pela Fundação Simons, a pesquisa complementou o depósito de amostras genéticas do projeto Simons Simplex Collection (SSC), que já conta com dados de mais de 2.300 crianças autistas e 9 mil famílias. Esse projeto é focado na revelação de mutações espontâneas, por isso a nova contribuição foi tão importante. As análises dos exomas também permitiram a identificação de dezenas de novos genes candidatos para o autismo, que serão examinados em um outro momento.

Lançados há mais de 10 anos, os estudos genômicos da Fundação Simons foram facilitados pelo avanço da tecnologia e pela redução de custos dos sequenciamentos, que vêm se tornando cada vez mais acessíveis. Isso dá aos pesquisadores uma visão mais completa, permitindo que mapeiem mais genomas e, consequentemente, pesquisem regiões intergênicas pouco exploradas.

Próximos passos

Depois da coleta de dados, vem um esforço ainda maior: continuar reunindo sequenciamentos para avaliar quais variantes nas regiões não-codificantes do genoma são prejudiciais. Para isso os cientistas precisam não apenas de milhares de sequenciamentos, mas de grandes esforços de informática, já que todas as análises são feitas em computadores. O estudo mencionado acima acrescentou 7 mil sequências, mas talvez isso não seja suficiente.

“O recurso genômico é fundamental para avaliar outras formas de variação genética que não podem ser acessadas por exomas”, afirma o professor de ciências do genoma da Universidade de Washington (Seattle), Evan Eichler. Para aumentar a base de dados, uma das estratégias é buscar o auxílio de pesquisadores de outras áreas, como Ciência da Computação e Estatística. Enquanto isso não acontece, aqueles que tiverem interesse em acessar os dados para estudar o autismo ou uma condição relacionada podem se inscrever aqui.

(Com informações do site Spectrum News).

Tismoo Biotecnologia

Somos um laboratório de análises genéticas focado em medicina personalizada para TEA e síndromes relacionadas. Para saber mais, acesse o site: www.tismoo.com.br

Tismoo

Written by

Tismoo

Somos um laboratório de análises genéticas focado em medicina personalizada para Transtorno do Espectro do Autismo e síndromes relacionadas. -- tismoo.us/portal

Tismoo Biotecnologia

Somos um laboratório de análises genéticas focado em medicina personalizada para TEA e síndromes relacionadas. Para saber mais, acesse o site: www.tismoo.com.br

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade